Sessões temáticas

ST 01 – Múltiplos suportes para a história

Segunda-feira, 16 de julho, 14h às 16h

Local: Sala Caio Prado Jr.

Mediação: Luiz Otávio Correa (UNA)

RÁDIO, LINGUAGEM E HISTÓRIA
Luiz Otávio Correa (UNA)

Este trabalho discute as transformações os processos de mediação das
experiências coletivas através do podcasting. Procura-se pensar as novas formas
de oralidade em tempos de globalização da cultura e expansão da capacidade
de reprodutibilidade das mídias. Dentro desta perspectiva, discute-se o
formato do podcasting, as mudanças ocorridas na linguagem radiofônica e
as possibilidades do fazer histórico em outros suportes. Neste aspecto, ligada
à discussão acima, pretende-se levantar a questão do imediatismo do tempo
radiofônico em contraposição aos vários tempos da memória e da História.
Segundo Patrick Charraudeau, o rádio é, dentre as mídias, aquela que melhor
faz coincidir o tempo da escuta com o tempo dos acontecimentos, o que faz
do rádio a mídia do tempo presente. Como pensar no fazer histórico nestas
condições? A Hipótese é a de que o podcasting, mais livre da lógica capitalista
das rádios comerciais, pode dialogar melhor com o fazer histórico.

O BOLIVIAN SYNDICATE NAS LINHAS DOS JORNAIS: A FORMAÇÃO
DE UMA IDENTIDADE REPUBLICANA NA HISTÓRIA PÚBLICA

Nedy Bianca Medeiros de Albuquerque (UFAC)

O escrito exposto é fruto das ações desenvolvidas no projeto de doutoramento,
em História Social, no Programa de Doutorado Interinstitucional da
Universidade de São Paulo / Universidade Federal do Acre, cujo tema é analisar
a forma como foi apresentado o Bolivian Syndicate (arrendamento do Acre a
empresários estrangeiros) nos jornais brasileiros e norte-americanos, dentro da
Questão do Acre (processo envolvendo as terras desta região, que estabeleceu
as fronteiras entre Brasil, Bolívia e Peru). Este estudo associa História e Meio
Ambiente (HMA) à História Pública (HP), com a finalidade de investigar a
Simpósio Internacional de História Pública

formulação dos aspectos republicanos nos periódicos acerca do Brasil, situando

o país em suas relações internacionais, de interação com os Estados vizinhos e
posicionando-se na economia mundial no quadro do Capitalismo Monopolista
que antecedeu à Primeira Guerra Mundial. Assim, o uso da HMA decorre do
contexto de incorporação social, econômica e territorial do Acre ao Brasil, a
partir da exploração dos recursos naturais acreanos por brasileiros. Enquanto
a HP justifica-se pelos locais e mecanismos de investigação, que se concentram
na plataforma Biblioteca Digital encontrada no site da Biblioteca Nacional, nos
acervos da Universidade Federal do Acre (arquivos de Teses da Pró-Reitoria
de Pós-Graduação, Editora e Biblioteca Central), acrescido dos programas de
memórias jornalísticas nacionais e norte-americanas. O marco temporal tem
sido as edições dos jornais publicadas no biênio de 1902- 1903, visto que a
resolução do Bolivian Syndicate se efetiva com o entendimento entre Brasil
e Bolívia acerca do território do Acre com o Tratado de Petrópolis, portanto,
desconsiderando a formulação do Tratado Brasil-Peru de 1909 que finalizou o
desenho da fronteira do extremo oeste brasileiro.
MEMÓRIA, HISTÓRIA E MÍDIA: AS REPRESENTAÇÕES
SOBRE AS GREVES NO ABC PAULISTA
CONTIDAS NO DOCUMENTÁRIO “PEÕES”,
DE EDUARDO COUTINHO (2004)

Alexandre Pedro de Medeiros (Udesc); Rafael Rosa Hagemeyer (Udesc)

Esta comunicação que, faz parte de projeto de pesquisa desenvolvido no
Departamento de História da Universidade do Estado de Santa Catarina,
intitulado “Perspectivas e projeções: o protagonismo da classe operária no
cinema dos anos 1970 (Brasil/Argentina)”, visa analisar o documentário
“Peões”, de Eduardo Coutinho, lançado em 2004, que incorpora em sua
produção sequências de uma tríade “heroica” de documentários filmados no
calor das greves de 1979 e 1980 no ABC paulista, assim como, entrevistas com
pessoas que de alguma forma estiveram envolvidas nesses acontecimentos,
em sua maioria operários. São analisados os filmes como suportes de uma
memória sindical, que elaborada por cineastas repercutiram na construção
de um imaginário coletivo sobre as greves do ABC, em “Peões” a partir de
seu diálogo com os documentários “Greve!”, de João Batista de Andrade,
de 1979; “Linha de Montagem”, de Renato Tapajós, de 1982; e “ABC da
Greve”, de Leon Hirszman, de 1991. Uma das cenas do filme de Coutinho
é aquela que ele apelidou de “As regras do jogo”, na qual o diretor se reúne
com sindicalistas e apresenta sequências da tríade, fotografias de jornais e de
arquivos pessoais ou sindicais, a fim de que seus interlocutores reconheçam
outras pessoas que estiveram envolvidas nas greves no ABC, buscando, desse
A história e seus públicos

modo, mais personagens para seu documentário. Ao entrevistar os participantes
e usar imagens de arquivo para recuperar a história, Coutinho evidencia sua
inspiração nos documentários de participação dos anos 1960. Entretanto,

o documentarista foge ao clichê do documentário historiográfico que junta
imagens e falas de personagens, conferindo caráter de legenda à entrevista, e
sim, apresenta documentários, fotografias e falas em separado, dotando-lhes de
seu valor como documento. De certo modo, Coutinho também junta, mas em
um sentido de pôr os documentos uns após os outros, consecutivamente, ou
seja, apresenta as fontes para que dialoguem.
OS VIKINGS REPRESENTADOS EM REVISTAS DE HISTÓRIA
Fabio Antonio Costa (PUC-SP)

Nesse resumo, será discutido o estudo de artigos nacionais ou traduzidos para

o idioma português publicados em revistas de história acerca dos vikings,
como sua cultura, arte e representações deles, pensando-se nesses periódicos
como uma forma mais acessível para se conhecer sobre a história dos vikings,
reforçada na ideia de artigos e muitas imagens que interagem quanto a
construção dessa história. Foram estudadas três revistas (Leituras da História,
História Viva e BBC História) publicadas na última década no Brasil e dentro
das particularidades e pressões editoriais ou de mercado de cada um, nos temas
que são abordados pela história na ideia de temas que aparecem mais e outros
menos a partir das várias forças e tensões que direcionaram a tais escolhas.
TV UNESP ASSIS COMO MEIO DE DIVULGAÇÃO DAS
ATIVIDADES DE ENSINO, PESQUISA, EXTENSÃO E
CULTURAIS DESENVOLVIDAS PELA FCL – ASSIS

Eduardo Galhardo (Unesp Assis), Gabriela Ávila (UFSCAR), Mariana Escher
(Unesp Assis), Tiago Alves (Unesp Assis), Wagner Rezende (Unesp Assis)

A TV Unesp Assis é um projeto de extensão vinculado ao “Núcleo Integrado
de Comunicação da Faculdade de Ciências e Letras de Assis” que está em
pleno funcionamento desde 2008 e tem como principal objetivo sanar um
dos grandes problemas da Universidade que é a lacuna entre comunidade
acadêmica e comunidade externa. Seus eixos norteadores são: transmissão do
conhecimento científico para a população; divulgação das pesquisas e projetos
de extensão desenvolvidos pela FCL de Assis e exibição de produções de
caráter artístico-cultural apoiadas ou desenvolvidas pela Unesp.São produzidos
programas semanais com duração de 30 min – em média – que são veiculados via
canal universitário da TV a Cabo local e também pela internet.Já são mais de
121 programas produzidos nesses cinco anos de atuação e várias participações
Simpósio Internacional de História Pública

em congressos geralmente ligados a área de extensão universitária.Em sua
atuação a TV Unesp Assis cobriu vários eventos e abordou vários temas ligados
a História e inclusive boa parte de seus integrantes são graduandos do curso
de História da instituição. Durante a produção desses programas a equipe foi
desafiada a trabalhar temas que geralmente são estritamente acadêmicos para
um público mais homogêneo que é a comunidade externa à Universidade.
Compartilhar essa experiência e o aprendizado torna-se relevante dentro de
um simpósio com tal proposta.

ST 02 – História e patrimônio na sala de aula

Segunda-feira, 16 de julho, 14h às 16h
Local: Sala Nelson Werneck Sodré

Mediação: Thais Rocha da Silva (FFLCH-USP)

EDUCAÇÃO E HISTÓRIA: A FORMAÇÃO DE EDUCADORES
SOCIAIS EM ESPAÇOS PÚBLICOS E PRIVADOS

Arlete Assumpçao Monteiro (PUC-SP); Juliana Graciani (FM); Maria Stela
Santos Graciani (NTC-PUCSP)

A presente comunicação procura retratar a trajetória histórica de projetos
sociais desenvolvidos para atendimento de comunidades carentes. A formação
de educadores sociais, a Educação de Jovens e Adultos e a preparação de
educadores comunitários fazem parte do rol das atividades que norteiam os
projetos sociais desenvolvidas pelo Núcleo de Trabalhos Comunitários, da
Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Os resultados obtidos nos
projetos sociais, através da Pedagogia Social, com base numa educação do
concreto e do real, devem ser socializados no intuito de mostrar à sociedade,
aos educadores, sociólogos, historiadores, filósofos e políticos, experiências
pedagógicas inovadoras que se caracterizam pela preocupação de se construir
uma sociedade mais justa e consciente dos Direitos Humanos.

A DISPUTA DE THOTH E CLIO NA SALA DE AULA: PROBLEMAS E
POSSIBILIDADES DO ENSINO DO EGITO ANTIGO NO CURRÍCULO ESCOLAR

Thais Rocha da Silva (FFLCH-USP)

O Egito Antigo têm sido recolocado no gabinete de curiosidades das escolas
nos últimos anos. A produção do material didático para o Ensino Fundamental
A história e seus públicos

sobre o assunto limita-se à percepção da alteridade (espacial e temporal) e da
cristalização de uma visão orientalista em que o Egito entra para a história
da civilização ocidental como mero contribuinte, fixo e monolítico. Muitas
escolas têm optado por “cortar” o Egito do currículo, deixando sua presença
restrita ao ensino obrigatório do conteúdo sobre a África no programa anual,
agora associado à região da Núbia. A oscilação entre uma visão orientalista,
que transforma o Egito num oriente fantasioso, e o afrocentrismo, que se
esforça em colocar os antigos egípcios enraizados na África negra, demonstram

o desconhecimento da história dessa civilização e a apropriação da história
com claras intenções políticas. Mais do que o senso utilitarista ao qual o ensino
das humanidades vem sendo submetido nos últimos anos, também é o tipo de
visão de história que precisa ser rediscutido no ensino de História Antiga. A
disciplina, por ser trabalhada com mais tempo no Ensino Fundamental, em
geral com 6o anos, parece ter deixado de problematizar conceitos e noções
de história e civilização, ficando cada vez mais exposta às categorias da
curiosidade e do lúdico. Do mesmo modo, a ilusão de que o mundo antigo
se tornou acessível pelas várias mídias camufla visões de história que atingem
a sala de aula. Nesse meio, o Egito continua sendo o local das pirâmides, dos
mistérios e do fascínio, numa reprodução quase literal dos relatos de Heródoto
e dos primeiros egiptólogos do século XIX. Pretendo demonstrar de que modo
o material didático disponível tem contribuído para esse tipo de viés e apontar
possibilidades de se explorar outras percepções e relações da história do Egito
antigo com nossa história.
PROJETO RIBEIRÃO PRETO: DO RURAL AO
URBANO – PATRIMÔNIO CULTURAL, HISTÓRIA
LOCAL, URBANIZAÇÃO E TRANSFORMAÇÕES
NO ESPAÇO GEOGRÁFICO

Almir de Paula e Silva (Secretaria da Educação de Ribeirão Preto); Marilisa
Ferrari (da Educação de Ribeirão Preto)

As coordenadorias de História e Geografia, por meio da Secretaria Municipal
da Educação de Ribeirão Preto, desenvolveram este projeto educacional
direcionado à rede pública municipal de ensino. O projeto nasceu da
necessidade de oferecer aos professores e alunos material pedagógico sobre o
município desde a transformação de vilarejo até os dias atuais, sendo um local
que se destaca como referência no cenário nacional. Além disso, oferecer às
novas gerações a oportunidade de tornarem-se agentes do seu meio a partir
do conhecimento do patrimônio histórico, cultural e arquitetônico desde o
final do século XIX até o século XXI, considerando que Ribeirão Preto, em tão
pouco tempo de existência, sofreu rápidas e profundas transformações como
Simpósio Internacional de História Pública

consequência de uma dinâmica econômica, iniciada com a expansão cafeeira
no estado de São Paulo. Juntamente com a expansão urbana do município,
vêm ocorrendo perdas significativas de seu patrimônio tanto material como
imaterial, que são elementos de referência cultural e de pertencimento que vêm
sendo esquecidos por meio da destruição de edificações, espaços e testemunhos
da história local. Por isso a necessidade de se trabalhar, com professores
e alunos da rede municipal, temas relacionados à história local, patrimônio
histórico e cultural e a transformação do espaço geográfico, decorrentes do
desenvolvimento econômico do município. Há dois anos, iniciou-se o projeto
com uma proposta de formação do professor para que esses temas fossem
trabalhados com os alunos. Como ações e atividades, foram realizadas visitas
monitoradas ao centro histórico da cidade, palestras sobre patrimônio histórico,
introdução à história de Ribeirão Preto e exposição itinerante sobre a temática,
com o intuito de oferecer aos docentes e discentes oportunidade de conhecer
e analisar o município de Ribeirão Preto por meio da trajetória de ocupação e
construção, como resultado de processos sociais.

“NOITE DE HISTÓRIAS”: EDUCAÇÃO PATRIMONIAL NA
EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS EM SERGIPE

Maíra Ielena Cerqueira Nascimento (Subsecretaria de Estado do Patrimônio
Histórico e Cultural/Secretaria de Estado da Casa Civil/Governo do Estado
de Sergipe)

A Praça São Francisco, na cidade de São Cristóvão (Sergipe), pleiteou em 2010 o
título de Patrimônio Cultural Mundial, conferido pela UNESCO. A consecução
desta honrosa chancela estava condicionada, dentre outras exigências, à
realização de uma série de ações educativas voltadas ao patrimônio, para
que a comunidade, ao apropriar-se da sua História, se apoderasse do bem e
promovesse sua preservação. Como ressalta Parreiras Horta (1999), a educação
patrimonial é um trabalho pedagógico centrado no patrimônio cultural como
fonte primária de conhecimento e enriquecimento – tanto individual, quanto
coletivo. Trata-se, alegoricamente, de um processo de alfabetização cultural de
benefícios múltiplos, como a elevação da autoestima do povo, a valorização
de sua cultura e identidade, conduzindo a um melhor entendimento do
universo sociocultural em questão. Dentre as atividades de cunho educativo
desenvolvidas em São Cristóvão, destaca-se o projeto “Noite de Histórias”,
promovido em maio de 2010 pela parceria entre Subsecretaria de Estado do
Patrimônio Histórico e Cultural (SUBPAC), Instituto do Patrimônio Histórico
e Cultural (8ª SR/IPHAN) e Secretaria de Estado da Cultura, por meio do
Museu Histórico de Sergipe (MHS/SECULT). Através desta ação, pioneira em
Sergipe, mais de 1000 estudantes da Educação de Jovens e Adultos tiveram
acesso em horário noturno a uma instituição de memória, podendo conhecer
A história e seus públicos

seu acervo, participar de palestras sobre educação patrimonial e engajar-se na
campanha “São Cristóvão, Berço de Sergipe/Praça São Francisco: Patrimônio
da Humanidade”, cadastrando-se no abaixo-assinado eletrônico hospedado em
Hotsite especialmente criado para mobilizar a população. Como resultado, os
participantes tornaram-se multiplicadores da causa, além de atuarem em favor
da manutenção do bom estado de conservação do sítio histórico da cidade.
Dessa forma, este artigo pretende compartilhar esta valiosa experiência, que
substanciou a exitosa candidatura da Praça São Francisco.

A EXPERIÊNCIA DO PROJETO DE EDUCAÇÃO PATRIMONIAL EM ITAPEVA
Davidson Panis Kaseker (Secretaria Municipal de Cultura e Turismo de Itapeva)

Anualmente o município de Itapeva realiza um Seminário de História,
através da parceria entre as secretarias municipais de Cultura e Turismo e
de Educação, e do IHGGI (Instituto Histórico, Geográfico e Genealógico de
Itapeva). Neste ano, o III Seminário de História de Itapeva aconteceu, entre
os dias 23 e 25 de maio, contemplando o tema “Patrimônio é Educação”.
O público=-alvo preferencial são os professores de História, Geografia e
Artes, além de professores da Educação Infantil. O evento foi marcado pela
realização de palestras sobre a importância da educação patrimonial para a
valorização do patrimônio histórico, tanto material como imaterial, como
fator de desenvolvimento social. Durante a abertura, no dia 23 de maio, no
Itapeva Clube, foi apresentado o vídeo sobre Educação Patrimonial, com
imagens do município e relatos de itapevenses. Também foi apresentado um
Kit de Educação Patrimonial, lançado durante o evento, material didático que
é composto com textos de referência sobre o tema e imagens de edificações
históricas de Itapeva, possibilitará aos professores da rede municipal de
ensino realizar atividades com seus alunos, em sala de aula, para que tenham
contato com a história do município, através do seu patrimônio. O programa
contempla, ainda, a Viagem do Saber, roteiro histórico percorrido pelos alunos
da rede com acompanhamento de guias. Ao todo, mais de 13.000 alunos já
participaram do roteiro.

ST 03 – Passado e tradição

Segunda-feira, 16 de julho, 14h às 16h
Local: Sala Ilana Blaj

Mediação: Lucília Siqueira (EFLCH/UNIFESP)
Simpósio Internacional de História Pública

PATRIMÔNIO CULTURAL E COMUNIDADES QUILOMBOLAS: UM ESTUDO
DE CASO DA COLÔNIA SUTIL EM PONTA GROSSA – PARANÁ

Marcia Maria Dropa (UEPG)

A partir da compreensão de que a extensão universitária se configura como
participação efetiva em projetos de ações sociais que garantam a cidadania, a
inclusão e a integração socioeconômica e cultural das comunidades, caracteriza-
se como objetivo deste artigo, apresentar os resultados da experiência do
Projeto de Extensão Turismo e Comunidade: uma ação para todos. O mesmo
foi desenvolvido pelo Departamento de Turismo da Universidade Estadual
de Ponta Grossa, tendo como campo de estudo a Colônia Sutil (localizada
no município de Ponta Grossa – PR – BR), que se caracteriza como uma
comunidade quilombola, formada por descendentes de antigos escravos. Este
estudo de caso foi realizado por meio de visitas à comunidade, realização de
inventário cultural e econômico, bem como a identificação da paisagem natural,
elementos propícios para o desenvolvimento da atividade turística. Consolidou-
se os campos de atuação por meio de oficinas realizadas para os moradores,
onde foram repassadas informações acerca do turismo e as possibilidades
do mesmo poder ser planejado na localidade, como forma de agregar valor
e melhorar a qualidade de vida dos moradores. Como principais resultados
alcançados destacam-se: sensibilização da comunidade, mapeamento da
realidade socioeconômica local e a identificação de elementos que podem
compor um roteiro turístico rural e cultural. O projeto terá continuidade no
ano de 2012, com a formatação do planejamento participativo.Palavras- Chave:
Extensão, comunidade, quilombolas, e turismo.

DAS GUARDADORAS DE SABERES TRADICIONAIS
AO PATRIMÔNIO IMATERIAL: UM ESTUDO DAS
ERVAS, CHÁS, RECEITAS E CURAS EM COMUNIDADE RURAL

Thauana Paiva de Souza Gomes (Unesp/Uniara)

Este trabalho faz parte das pesquisas desenvolvidas durante o mestrado e tem
como objetivo trabalhar as dimensões da patrimonialidade no que tange ao seu
valor para as ressignificações cotidianas simbólicas e materiais de assentados.
Neste sentido, buscamos neste artigo apresentar parte do inventário que enfoca

o papel das mulheres como guardadoras do patrimônio imaterial, bem como, a
importância da oralidade na transferência destes conhecimentos. Ao propor uma
análise e etnografia dos saberes não oficiais, é necessário, antes de tudo, pensar
a respeito da cultura popular tradicional. Seguimos uma concepção de que a
necessidade de fazer o levantamento etnográfico dos saberes não oficiais faz parte
do que o IPHAN tem designado como patrimônio imaterial. Integramos ainda

A história e seus públicos

a essa ideia a concepção de que os conhecimentos costumeiros, aqui estudados,
não podem ser considerados tradicionais puros, autêntico, mas informações
que são marginalizadas pelo conhecimento oficial por serem fortemente
ligadas à tradição e que constantemente se ressignificam num todo híbrido de
modalidades sociais e étnicas que constantemente se renovam. Assim, a cultura
popular não pode ser entendida apenas como “expressão” da personalidade de
um povo, justamente porque tal personalidade não existe como uma entidade,
mas como um produto da integração das relações sociais. Nem, tão pouco,
como um conjunto de tradições ou essências, preservadas de modo puro. Vale
lembrar que, quando trabalhamos com a ideia de registros e inventários, não
podemos deixar de mencionar que, segundo Vianna (2004) o bem cultural é
dinâmico e cheio de ressignificações e para preservação de referencia cultural é
necessário que se tenha mais que um inventário, mas sobretudo os sentidos que
vão dentro da cabeça de quem faz, de quem come, de quem vende ou se alimenta
deste algo. Com base nestas compreensões podemos apresentar o inventário
dos saberes das mulheres no assentamento. Neste sentido apresentamos
nesta comunicação parte de um inventário dos saberes de mulheres voltadas
às receitas tradicionais e ao patrimônio mágico- religioso e de cura como as
benzeduras, as rezas e o uso das plantas medicinais como resultados do trabalho
realizado através de entrevistas e acompanhamento exaustivo de campo.

OS DILEMAS DO HISTORIADOR DIANTE DA PATRIMONIALIZAÇÃO
DA MEMÓRIA DOS AFRO-DESCENDENTES

Lucília Siqueira (EFLCH/UNIFESP)

Esta comunicação traz alguns apontamentos para o debate acerca dos
conhecimentos sobre o passado que circulam no nosso presente no campo do
patrimônio. Em especial, as dificuldades enfrentadas pelo historiador diante
da patrimonialização da memória dos quilombos e da memória da escravidão.

PATRIMÔNIO E MEMÓRIA FAMILIAR
Lívia Morais Garcia Lima (Unicamp)

A questão central desta pesquisa é analisar as ações de educação patrimonial
não-formal, realizadas no âmbito do meio rural paulista e voltadas para
diferentes grupos etários, provenientes de diferentes classes sociais. Neste
projeto, o patrimônio é explorado como espaço turístico educacional dentro de
uma visão de educação patrimonial não-formal no contexto rural, envolvendo
os patrimônios materiais e imateriais, para públicos de diferentes idades,
formações educacionais e classes sociais diversas. O projeto de Doutorado em
andamento é parte integrante da Oitava Chamada para o Programa de Pesquisa
Simpósio Internacional de História Pública

em Políticas Públicas – PPPP 2008 (07-55999-1). O projeto é financiado pela
Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo – FAPESP em parceria
com o Centro de Memória UNICAMP – CMU.Em relação a bibliografia,
utilizamos publicações para as áreas deste estudo que compreendem a educação
patrimonial, patrimônio material e imaterial, turismo cultural, educação não-
formal e história oral.

PATRIMÔNIO CULTURAL RELIGIOSO EM RIBEIRÃO
PRETO: UMA EXPERIÊNCIA COM O INVENTÁRIO
NACIONAL DE REFERÊNCIAS CULTURAIS

Nainôra Maria Barbosa de Freitas (Centro Universitário Barão de Mauá),
Lilian Rodrigues de Oliveira Rosa (Centro Universitário Barão de Mauá)

Essa comunicação tem por objetivo apresentar os resultados da pesquisa
realizada a partir da metodologia do INRC (INVENTÁRIO NACIONAL DE
REFERÊNCIAS CULTURAIS)no centro histórico de Ribeirão Preto, SP. Sob
a orientação técnica do IPHAN foi realizado um levantamento do patrimônio
arquitetônico das diferentes representações religiosas construídas entre 1890
e 1950, período de auge da cafeicultura na região. O trabalho é parte de um
projeto interdisciplinar e interinstitucional levado a cabo por um colegiado
de pesquisadores de várias instituições que formaram a Rede de Cooperação
Identidades Culturais. Esta Rede é formada por representantes da Secretaria
Municipal da Cultura de Rib. Preto, por técnicos do IPHAN-SP e por docentes
de várias Instituições de Ensino Superior públicas e privadas.

ST 04 – Museu, lugar de história pública

Segunda-feira, 16 de julho, 18h30 às 20h30

Local: Sala Caio Prado Jr.

Mediação: Leticia Brandt Bauer (UFRGS)

HISTÓRIA PÚBLICA E MUNDOS DO TRABALHO: A PROPOSTA DO MUSEU DO
TRABALHO E DOS TRABALHADORES EM SÃO BERNARDO DO CAMPO

Paulo Fontes (FGV/CPDOC), Hélio da Costa e Francisco Barbosa de Macedo

O trabalho tem como objetivo apresentar as principais diretrizes do Museu do
Trabalho e dos Trabalhadores em São Bernardo do Campo (MTT/SBC), cidade
A história e seus públicos

que entrou para imaginário nacional como a Detroit brasileira e posteriormente
como a “República Sindical de São Bernardo”. A proposta do Museu está na
sua fase final de elaboração e as suas diretrizes procuram articular dimensões
bastante variadas do universo dos trabalhadores, partindo das experiências
locais, mas, sem perder de vista,as diversas conexões nacionais e internacionais
do mundo do trabalho. Pensamos que as discussões em torno da criação do
MTT/SBC constituem um campo privilegiado para os debates em torno da
história pública e das relações entre conhecimento acadêmico, sociedade civil
e a comunidade em geral.

O MUNDO DA MINA NO MUSEU: O PROJETO DE
REQUALIFICAÇÃO DA EXPOSIÇÃO DO MUSEU ESTADUAL
DO CARVÃO (ARROIO DOS RATOS, RS)

Leticia Brandt Bauer (UFRGS)

O Museu Estadual do Carvão localiza-se no município de Arroio dos Ratos (RS).
Foi criado em 1986 e instalado na usina da primeira termelétrica brasileira. No
sítio também se localizam diversas estruturas que integravam o complexo de
extração carbonífera, incluindo minas subterrâneas. A extração de carvão no
Rio Grande do Sul teve início na segunda metade do século XIX, abarcando
uma região hoje composta por nove municípios, num total de aproximadamente
170 mil habitantes. Além da restauração das estruturas materiais, está sendo
desenvolvido o projeto de requalificação da exposição de longa duração do
Museu do Carvão. O presente trabalho pretende apresentar e discutir a atual
fase de desenvolvimento desse projeto, levando em consideração as tensões
e contradições que surgem do esforço de formulação de uma exposição cuja
perspectiva se propõe histórica. Não são poucas as dificuldades na tentativa
de conciliar as diferentes escalas de observação da experiência mineira
ao longo do tempo. Tampouco, as aparentes contradições entre memórias
comunitárias, em especial dos mineiros, e investigações acadêmicas dedicadas
ao tema. Quais os limites e possibilidades na formulação de uma exposição
que se volta para o mundo do trabalho mineiro, especialmente numa região
marcada, em diferentes aspectos, por essa atividade? Como equalizar relatos,
espaços, objetos e tempos numa experiência de visitação ao Museu? Essas
são algumas das questões capitais que têm sido sistematicamente pensadas
pela equipe dedicada à exposição, remetendo-nos constantemente a reflexões
acerca do ofício do historiador e as dimensões públicas de seu trabalho.

MUSEU DA LITURGIA: UM PROGRAMA EDUCATIVO PARA PÚBLICOS DIVERSOS
Rachel de Sousa Vianna (UEMG), Michele Longatti Fernandes (Museu da Liturgia)
Simpósio Internacional de História Pública

Museu da Liturgia: um Programa Educativo para públicos diversos
Inaugurado na cidade de Tiradentes, Minas Gerais, em 14 de abril
de 2012, o Museu da Liturgia apresenta uma proposta museológica e
museográfica que o distingue dos tradicionais museus de arte sacra. Na
exposição do acervo, que reúne mais de 420 peças dos séculos XVIII a
XX, foram incorporadas instalações audiovisuais que aludem aos rituais –
procissões, gestos litúrgicos, atos de devoção – que complementam e dão
sentido ao patrimônio material ali reunido. Uma extensa pesquisa histórica
deu suporte ao desenvolvimento de conteúdos disponibilizados para
consulta em terminais multimídia e via internet e embasou a concepção do
Programa Educativo. Tendo em vista a natureza do acervo e a diversidade
dos públicos em potencial, a formulação das atividades e materiais
educativos representou um grande desafio. Por um lado, era fundamental
acolher o sentimento religioso dos visitantes católicos, de modo que eles
reconhecessem a dimensão espiritual das peças expostas. Por outro lado,
houve um cuidado especial em não constranger os não católicos. Também
foi necessário considerar as diferenças relativas à população local e aos
turistas. Uma premissa era que os moradores de Tiradentes deviam se
sentir à vontade no museu, que o vissem como uma instituição voltada
para a preservação e a valorização do seu próprio patrimônio cultural e
religioso. Ao mesmo tempo, havia que se preocupar com as expectativas e
os interesses dos diferentes grupos de turistas que visitam a cidade. Diante
desse cenário, o Programa Educativo traçou diretrizes para fazer do Museu
da Liturgia um local de diálogo entre passado e presente, comunidade
local e turistas, católicos e não católicos. Esse texto tem como objetivo
apresentar as atividades e materiais que o Programa Educativo do Museu
da Liturgia desenvolveu para trabalhar com esses diferentes públicos.

O HISTORIADOR E OS MUSEUS: O CASO DO MUSEU
CASA HISTÓRICA DE ALCÂNTARA COMO PARADIGMA DA
ATUAÇÃO DA HISTÓRIA EM INSTITUIÇÕES MUSEAIS

Daniel Rincon Caires (IBRAM)

O presente trabalho narra uma experiência vivida no Museu Casa Histórica de
Alcântara (MCHA), situado na cidade de Alcântara – MA. Neste Museu, como
em muitos outros aparatos memoriais de natureza semelhante, subsiste uma
“memória do poder”, um construto celebrativo voltado para o enaltecimento
de figuras eleitas ao sabor de interesses particulares ou proselitistas, em
detrimento, e por vezes contrariamente, às necessidades da sociedade. Propõe

A história e seus públicos

se aqui demonstrar o papel da história como ferramenta de identificação,
análise e reorientação dos discursos presentes nas exposições das instituições
museais. Buscaremos demonstrar neste trabalho uma alternativa concreta
para interromper estas formas enviesadas de organização, oferecida pela
história, consubstanciada no projeto “Vitrine Temática”. Tal empreendimento,
instituído no MCHA, visa deslocar as atenções das trajetórias de sujeitos
privilegiados para os problemas históricos, através da eleição da cultura
material como foco de análise, fonte de reflexões sobre o passado e o presente.

O ÍNDIO DENTRO DO MUSEU/O MUSEU DENTRO DO ÍNDIO:
ANÁLISE DO MUSEU ÍNDIA VANUÍRE DE TUPÃ/SP

André Luís Tondato; Bianca Gonçalves de Souza (DSA/FFC-Unesp); Bruna
Lívia Guandalim; Rodney Lanzoni Fagundes; Wahuane Maraiva Faria B.

P. da Silva
Em maio de 2012, participamos do “1º Encontro Paulista Questão Indígena
e Museus e 3º Seminário Museus, Identidades e Patrimônio Cultural”, em
Tupã/SP, durante os quais pudemos acompanhar profissionais de diversas
áreas refletindo sobre o museu indígena, identidades, patrimônio e as
etnias brasileiras. Tais eventos aconteceram no Museu Histórico Pedagógico
Índia Vanuíre, fundado em 1966, possuidor de uma das maiores coleções
institucionalizadas de objetos indígenas no Brasil – 38 mil – sendo que a
maioria dos objetos expostos não remetem às etnias que vivem na região de
Tupã (Kaingang e Krenac), mas a grupos da Amazônia Brasileira (de Kaiapós
a Yanomamis) e aos imigrantes europeus que colonizaram a região. O museu
é gerido pelo poder estadual, juntamente com entidades governamentais que
fomentam ações culturais. A inquietação que surgiu durante o evento foi, quem
é o índio que o museu quer mostrar ao público? Que história sobre os índios

o museu quer nos contar? O objetivo do trabalho é promover uma reflexão
sobre o índio que está dentro do museu, pensando conjuntamente a questão
das identidades indígenas locais. E, dessa maneira, por meio de um relato de
experiência, pensar qual(is) história(as) o museu compõe para dizer que são
os índios e o papel que eles representam em face da identidade nacional e
regional.O referido museu – cujo nome é de uma índia que contribuiu para a
paz em conflitos locais – é um estabelecimento feito por não-índios. A narrativa
retrata um índio que não existe mais no Brasil, um índio romantizado, exótico.
Tal observação etnográfica, baseada na análise do acervo, aponta no sentido de
captar quem é o índio na região de Tupã/SP e qual é o índio que está dentro
do museu, detentor de um discurso que visa documentar quem são os índios
brasileiros.

Simpósio Internacional de História Pública

ST 05 – O estudante como público

Segunda-feira, 16 de julho, 18h30 às 20h30

Local: Sala Nelson Werneck Sodré

Mediação: Carlos Gregório dos Santos Gianelli (Udesc)

O USO DO MACHINIMA NA DIFUSÃO DO CONHECIMENTO HISTÓRICO
Tiago Faceroli Duque (UFJF)

O presente trabalho tem por intuito apresentar uma proposta de uso do
Machinima no aprendizado de História. O Machinima é um formato de mídia
que combina concepções artísticas, lúdicas e tecnológicas (Lowood, 2011) através
do uso de games como cenário e meio de criação de vídeos. Esta nova forma
de concepção de vídeos tem se tornado muito popular entre jovens de ambos
os sexos e sua difusão tem ocorrido principalmente através da internet. Tal
conteúdo é normalmente disponibilizado sem custo extra para o espectador,
não exigindo que ele possua a plataforma utilizada no processo de produção da
mídia. O Machinima tem se apresentado como uma forma barata e fácil, além
de efetiva, de se produzir vídeos complexos, pois se utilizando do conteúdo
disponibilizado pelo jogo utilizado, o criador pode não só criar demonstrações,
como também imergir ele mesmo e permitir que o espectador reproduza as
experiências em sua própria casa através das plataformas utilizadas. Um fator a
se destacar é a liberalidade dos desenvolvedores de games quanto à produção
de machinimas usando suas plataformas, que funcionam como uma forma de
propaganda gratuita a elas. Esta mídia surge então como um elo entre dois
temas já muito discutidos no âmbito educacional: o uso de mídias audiovisuais
tradicionais (TV, filmes, documentários, etc.), e do videogame, cuja discussão
do uso na educação tem crescido exponencialmente no Brasil, tendo já se
estabelecido no exterior. A proposta desta comunicação tem como justificativa
e suporte a ideia de que tanto professor quanto historiador são produtores de
narrativas, desta forma a produção e uso de narrativas com conteúdo histórico
em Machinima vem a ser um meio de auxílio à forma como o conhecimento
histórico é passado ao “público”, seja ele de crianças, adolescentes ou adultos.

OLIMPÍADA NACIONAL EM HISTÓRIA DO BRASIL

Marcelo Firer (Unicamp); Cristina Meneguello (Unicamp), Alessandra Pedro
(Unicamp)

Esta comunicação tem como objetivo apresentar a Olimpíada Nacional em
A história e seus públicos

História do Brasil (ONHB), um projeto realizado pelo Museu Exploratório
de Ciências da Unicamp, sob a Coordenação Geral da Profa. Dra. Cristina
Meneguello, que está em sua 4ª edição, com apoio do CNPq. A ONHB visa
propiciar a estudantes do Ensino Médio e Fundamental (8o e 9o anos) estudar
e refletir sobre a História do Brasil se aproximando do arcabouço metodológico
próprio do historiador: contato direto com documentos históricos variados, que
devem ser analisados e interpretados. A realização de um concurso com estes
objetivos, realizado principalmente através de provas online, demanda uma
série de inovações em termos de organização e avaliação, incluindo a realização
de provas em grupo, abertas por um período de uma semana, com questões
de múltipla escolha que possibilitam diversos níveis de acerto. O expressivo
crescimento da participação na ONHB, que passou de 16 mil pessoas na edição
de 2009 para 64 mil em sua terceira edição (2011) comprovam a existência
de demanda por este tipo de atividade na área de história. Já o alto nível de
engajamento dos participantes (uma média de 18 horas online por equipe, com
envolvimento médio de 11,5 horas por semana/equipe) demonstra a pertinência
dos desafios propostos aos estudantes. Após três edições com grande sucesso a
OHNB tem seu lugar solidificado entre as Olímpiadas Científicas do país e
desponta como um espaço extremamente rico para a difusão do conhecimento
histórico entre um público jovem e heterogêneo, que a cada ano se mostra mais
interessado.

“O CONTADOR DE CAUSOS” – UMA PROPOSTA
DE SUPORTE DIDÁTICO PARA A DIFUSÃO
DO CONHECIMENTO HISTÓRICO.

Carlos Gregório dos Santos Gianelli (Udesc)

Este trabalho tem como principal objetivo expor uma maneira diferente de
difundir o conhecimento histórico através da música. O gênero adotado
será a música caipira, mais especificamente a performance do “contador de
causos.”Nesse tipo de performance, determinada narrativa é contada pela
música entoada na viola caipira. O som brilhante das dez cordas atrai a atenção
do público aproximando contador e espectador, facilitando assim a narração e
compreensão da história proposta. Sendo professor de História e pesquisador
da musicalidade caipira e sertaneja, percebo que essa ferramenta didática
surge como uma excelente alternativa pedagógica para o enriquecimento das
aulas. Diversos episódios e processos históricos, seja da História do Brasil ou
de eventos de proporção mundial pertencentes ao currículo escolar podem ser
contados dessa maneira. O encadeamento existente entre música e fala cria
uma dinâmica muito interessante para quem assiste a performance. A história
contada através do “causo” não cai na possibilidade de se tornar cansativa como
pode acontecer em uma história narrada somente através da fala (com maior
Simpósio Internacional de História Pública

incidência em um público infanto-juvenil) e também foge da possibilidade
da história ficar abstrata demais dentro de uma canção enorme. Pretendo
apresentar esse modelo de trabalho em uma performance do “contador
de causos”. Serão escolhidos temas históricos pertinentes dentro da grade
curricular da disciplina de História.

BRINCANDO DE APRENDER: A UTILIZAÇÃO DE JOGOS
NO ENSINO DE HISTÓRIA INDÍGENA

Jeniffer Caroline da Silva (UFSC); Ana Lúcia Vulfe Nötzold (UFSC); Luana
Máyra da Silva (UFSC)

Por um longo período, a História e Cultura Indígena permaneceram
negligenciadas, com um espaço bastante limitado nas Escolas e Universidades
brasileiras. A aprovação da Lei 11.645/2008, que estabelece as diretrizes e bases
da educação nacional, visando incluir no currículo oficial da rede de ensino
a obrigatoriedade da temática “História e Cultura Afro-Brasileira” contribui
para modificar esse panorama, incluindo a temática indígena nos currículos
escolares. Visando auxiliar o atendimento da Lei, o Laboratório de História
Indígena da Universidade Federal de Santa Catarina – LABHIN / UFSC –
elaborou e desenvolveu atividades lúdicas que auxiliam na prática do ensino
de história indígena. Através do desenvolvimento do Projeto “Da Arapuca ao
Futebol: o lazer Kaingáng através dos tempos” (Financiamento Proext/MEC/
SESu-2009) foram produzidos dois jogos lúdicos afim de possibilitar e facilitar
as atividades didáticas do ensino de História Indígena. A partir da Constituição
Federal de 1988, os povos indígenas do Brasil têm a garantia de escolas
diferenciadas, bilíngues e multiculturais, que atendam às suas especificidades.
No entanto, os professores indígenas não encontram materiais didáticos
específicos à sua disposição. Nesse sentido, os jogos lúdicos, juntamente com
outros materiais também desenvolvidos pelo LABHIN, contribuem para
auxiliar os professores indígenas em sala de aula, bem como, podem ser um
suporte didático aos professores que não atuam em comunidades indígenas,
com o intuito de apresentar aos alunos um pouco da história e da cultura destas
populações.Os dois jogos elaborados foram: o jogo-trilha Caminhando com os
Kaingáng e o jogo bilíngue Dominó Kaingáng. O “Dominó Kaingáng” é uma
adaptação do jogo popular, de caráter bilíngue (Português – Kaingáng), com
artefatos indígenas substituindo os tradicionais números. Já “Caminhando com
os Kaingáng” consiste em um jogo no modelo trilha, onde o jogador passeia
pelo Estado de Santa Catarina, conhecendo um pouco da cultura indígena, em
especial a cultura do povo Kaingáng.
A história e seus públicos

PRÁTICAS EDUCACIONAIS, PATRIMÔNIO E ARQUEOLOGIA: A
ESCOLA PÚBLICA A PARTIR DE NOVAS METODOLOGIAS

Adriana Negreiros Campos (MAE/USP e Secretaria de Educação de Santos)

Esse trabalho é parte da minha dissertação de mestrado, em desenvolvimento
no Museu de Arqueologia e Etnologia/USP e visa a contribuir para as reflexões
teóricas sobre as práticas da chamada Educação Patrimonial, historicizando-a
como campo de conhecimento amplo e seu uso metodológico, além de
contextualizar sua prática em museus e analisar suas possibilidades no campo
da educação formal. O uso do conceito de patrimônio ampliou-se nas últimas
décadas, ações pedagógicas voltadas para o trabalho com o patrimônio têm
sido uma constante em escolas, museus e comunidades. Nesse sentido, faz-se
necessário analisar como as propostas educacionais na área de patrimônio têm
sido formuladas e pensadas. No Brasil, procurou-se estabelecer um marco, em
termos temporais, para a introdução de uma metodologia específica (1983), e
a publicação de um guia, pelo IPHAN, em 1999. Longe de ser uma publicação
definitiva, o guia é, antes de tudo, uma tentativa de organização e direcionamento
das ações que já estavam sendo feitas em escolas e museus. O estabelecimento
de um marco zero, um gesto inaugural, e a consagração nos últimos anos do
termo educação patrimonial não levaram em conta os trabalhos realizados
por Paulo Freire no campo educacional e a sua influência teórica na base da
Nova Museologia e de tantos outros antropólogos, museólogos e educadores
brasileiros. Como estudo de caso, analiso as experiências educacionais
realizadas durante todo o ano de 2011, com duas classes do 4º ano do ensino
fundamental, pertencentes à rede pública do município de Santos e as inúmeras
possibilidades educacionais que foram construídas e desconstruídas em torno
da cultura material a partir das temáticas: Patrimônio, Arqueologia e Ruínas
Engenho São Jorge dos Erasmos, sítio arqueológico quinhentista, marco do
processo de ocupação portuguesa em terras brasileiras.

ST 06 – Construções plurais da história

Segunda-feira, 16 de julho, 18h30 às 20h30

Local: Sala Ilana Blaj

Mediação: Orange Matos Feitosa (USP)
Simpósio Internacional de História Pública

A REPÚBLICA NO AMAZONAS: FACÇÕES E TRAIÇÕES
Orange Matos Feitosa (USP)

O estudo sobre o regime republicano que emergiu de um golpe desfechado por
uma parte dos militares do exército manteve-se, na historiografia tradicional
amazonense, intocado ou disseminado como um período turbulento, composto
por embates políticos e sociais violentos, desenvolvidos na capital da República,
restando às demais Províncias senão a paz reinante como resposta ao eco da
provável consolidação do recém-nascido regime, apenas conflitos de pequeno
porte, que não careciam de estudo ou, quando muito, valiam um breve registro
histórico. A Produção histórica amazonense que tratou do período apresentou
as disputas político-partidárias em Manaus nos anos iniciais da República,
que foram acirradas e mesmo violentas, com uma frase ali, um parágrafo aqui,
oscilando entre a mera seqüência de eventos desconexa da intricada rede da
história republicana no Brasil ou determinada por sua implantação, variando
na exposição de acordo com o ponto de vista que se queria defender, sem
desenvolver a formação, as articulações, as desarticulações e o acirramento das
tensões que foram formando-se de maneira a desembocarem em conspirações
e lutas armadas. As ações dos atores políticos envolvidos nas revoltas militares
no Amazonas foram reduzidas em parte desses trabalhos como atos de bravura
e de patriotismo e em outra parte sequer foram mencionados deixando de lado
os acontecimentos que antecederam esses conluios como quase irrelevantes ou
desconectados da História Republicana.

O CAMPO DO TRIGO DE PONTA GROSSA: NOVE DÉCADAS
DE UMA HISTÓRIA AINDA NÃO ESCRITA

Marco Antonio Stancik (UEPG)

O município de Ponta Grossa/PR abriga duas das mais antigas instituições de
pesquisa agropecuária criadas no país pelo Governo Federal, por intermédio
do Ministério da Agricultura. Ambas permanecem em atividade e, desde
1978, estão subordinadas ao Instituto Agronômico do Paraná. Uma delas,
a Fazenda-Modelo, completou 100 anos de atividades em 2012. A outra,
conhecida popularmente como Campo do Trigo de Ponta Grossa, foi criada
em 1921. Constatou-se que, embora tenham se constituído em espaços
conhecidos e reconhecidos pela população local, durante as primeiras décadas
de funcionamento, ambas as unidades perderam tais características ao final
do século XX, quando poucos habitantes se revelam capazes de indicar suas
funções e, menos ainda, o que ali já foi realizado. Um dos diagnósticos que
se pode fazer a respeito se refere ao descaso com a memória e a história
daquelas unidades, cujo foco esteve sempre dirigido exclusivamente à
pesquisa agropecuária. Diante de tal constatação, tendo por ponto de partida
A história e seus públicos

pesquisa e análise de documentos escritos e fotográficos associados ao Campo
do Trigo, foi produzido um painel permanente, cuja proposta é registrar e
divulgar momentos da trajetória da unidade e algumas de suas contribuições
à agropecuária. O painel, recentemente instalado na sua sede administrativa,
é composto por 23 imagens fotográficas, acompanhadas de legendas e breves
parágrafos, com design visual simples, porém atrativo. Sua proposta é colocar o
observador em contato com aspectos não apenas da história da unidade, mas
também da pesquisa agropecuária desenvolvida no país, a partir da década
de 1920, inicialmente por intermédio da atração exercida pelas imagens,
passando, em um segundo momento, à leitura. Diante da receptividade do
trabalho, estuda-se no momento a possibilidade de realização de painel similar
relativo à centenária Fazenda-Modelo, além de outras iniciativas destinadas ao
estudo e divulgação da história da pesquisa agropecuária realizada em ambas
as unidades.

PACO SANCHES: ARMAS, PODER E MEMÓRIA. A

CONSTRUÇÃO PÚBLICA DA MEMÓRIA DE UM ADEPTO DO PARTIDO
REPUBLICANO GAÚCHO ABANDONADO POR SEUS CORONÉIS

Itamar Ferretto Comarú (SMED, Caxias do Sul/RS)

O espaço social não é neutro, mas sim um território onde se manifestam/
representam zonas de conflitos, geralmente por poder ou pelas representações
desse poder, o que acaba por selecionar memórias, criar identidades, impetrar
costumes locais ou regionais. Paco Sanches é um personagem histórico, um
fato histórico, que representa o poder, os imaginários e a cultura de parte da
região nordeste do Rio Grande do Sul entre o fim do século XIX e início do
século XX, cuja violência não deve ser desconsiderada, por significativa dos
caminhos políticos e sociais de então. Esse artigo problematiza as questões de
história e memória tendo como objeto o indivíduo Paco Sanches. Analisa-se a
construção de sua imagem pública por meio de fontes orais e textuais, dando
destaque para os periódicos do período que lhe tornam conhecido em todo o
Estado do Rio Grande do Sul, por meio de acalorados debates ideológicos.
Destaca-se a censura pública lançada sobre sua história após ser assassinado
a mando de políticos da região em um potente contexto sociopolítico. Utiliza-
se a história cultural e a análise de conteúdo, destacando a complexidade
referente às construções de memória em torno de sua imagem. Os resultados
preliminares demonstram uma pluralidade de memórias fragmentadas,
mediadas culturalmente e ideologicamente.

A CIDADE (RE)INVENTADA: DISCURSOS SENSÍVEIS SOBRE
Simpósio Internacional de História Pública

A MODERNIZAÇÃO DE CUIABÁ NO PERÍODO PÓSDIVISÃO
DO ESTADO DE MATO GROSSO (1977-2009)
Nathália da Costa Amedi (SECUC-MT/PPGHIS-UFMT)

A presente pesquisa tem como tema os discursos sensíveis construídos sobre
a modernização da cidade de Cuiabá, capital de Mato Grosso, no contexto da
pós-divisão do Estado em 1977, pelos diferentes espaços de formação de opinião
pública: governo, imprensa, academia e associações representativas.Definimos
como recorte temporal o período que se estende entre 1977 e 2009. A análise é
balizada em três datas específicas: 1977 – com o anúncio da criação do Estado
de Mato Grosso do Sul a partir do desmembramento do Estado de Mato
Grosso, definida como capital a cidade de Campo Grande, por meio do decreto
de Lei Complementar nº 31, de 11 de outubro de 1977, assinado pelo Presidente
Ernesto Geisel; 1979 – com a instalação definitiva do Estado de Mato Grosso
do Sul, em 1º de janeiro de 1979 e; o ano de 2009 – com a cidade de Cuiabá
escolhida para sediar a Copa de 2014, representante do bioma do Pantanal,
depois de uma acirrada disputa com Campo Grande, capital do Mato Grosso
do Sul, traduzidas em articulações políticas na esfera federal, campanhas
publicitárias e ataques na imprensa e eventos de apoio às candidaturas. A
temática dos discursos sensíveis sobre a modernização da cidade de Cuiabá,
no período pós-divisão (1977-2009) será desenvolvida com base na análise das
seguintes fontes documentais: 1) jornais, informativos e revistas comemorativas;
2) relatórios de governo (Estado e município); 3) publicações oficiais (livros e
catálogos); 4) livros e memórias; e 5) documentários, entrevistas e depoimentos.
Neste sentido, esta pesquisa se propõe problematizar os significados da
ideia de modernização, progresso e desenvolvimento presente nos discursos
que produziram as narrativas da história de Cuiabá nos últimos trinta anos,
evidenciando como a cidade tem sido reinventada e vivida por seus habitantes.

PILHAGENS, ASSASSINATOS E ROUBOS AO LONGO DO RIO TOCANTINS
Melo, Rita Guimarães (UFTO)

A proposta deste projeto de pesquisa é analisar diferentes aspectos da violência
ao longo do rio Tocantins, utilizando como fontes processos criminais. A partir
dos autos crimes pretendemos distinguir os aspectos dos conflitos que resultaram
em morte; das motivações que levaram homens e mulheres de diferentes
condições sociais a cometer crimes, que resultaram em denúncia e julgamento
entre os anos de 1870 e 1930. O recorte temporal advém do interesse histórico
e da experiência de pesquisa adquirida ao longo da minha formação e, do fato
de a documentação encontrada, se referir exatamente ao mesmo período. A
historiografia sobre a região norte de Goyas construiu uma cronologia histórica
a partir da qual se estabeleceu marcos: o início e o fim do período aurífero. O
A história e seus públicos

apogeu aurífero se dá entre os anos de 1725-1753 quando a província alcançou
importância econômica para a metrópole, e a exploração do ouro fez crescer a
população, caracterizada por “aventureiros” vindos de vários lugares do país. O
período em que houve a diminuição repentina das jazidas é interpretado como
de “decadência”, pois a província e seus arraiais prósperos mergulharam num
longo período de isolamento e retrocesso econômico e cultural. A decadência
- os anos de 1753 a 1777 – teria provocado “uma defasagem sócio-cultual”,que
pesou sobre a província por mais de século e ainda hoje justifica o descompasso
entre o norte de Goiás e as demais regiões do país. Esta mesma historiografia
nos remete para a idéia de “transição”, de um período de “ouro” e de “alto teor
comercial” para “uma economia agrária, fechada, de subsistência, produzindo
apenas algum excedente para aquisição de gêneros essenciais, como sal
ferramentas. Assim, o esforço que temos despendido é no sentido de reunir
documentos espalhados pelo estado para constituir arquivos históricos.

MEMÓRIAS EM NARRATIVAS DESENHAM A AVENIDA
SENHOR DOS PASSOS EM FEIRA DE SANTANA, BAHIA

Livia Dias de Azevedo (UEFS); Sidney Oliveira (ENEB)

O presente texto pretende elaborar uma narrativa interdisciplinar entre a
história e o desenho sobre a Avenida Senhor do Passos, localizada no centro
da cidade de Feira de Santana no estado da Bahia. Assim, o desenho aparece
enquanto linguagem e, nesse sentido, comunica, esclarece, esconde, enfim
compartilha informações, sentimentos, provoca sensações perceptivas diversas.
Nos apropriamos como fundamentação teórico-metodológica das ideias de
pesquisadores como Aldo José Morais Silva (2000), Henri Bergson (2006),
Merleau-Ponty e memorialistas feirenses, tais quais: Oscra Damião Almeida
(2006), João Falcão (1993), Godofredo Filho (2004), Ana Angélica Vergne de
Morais (2004), dentre outros. Como métodos de procedimentos utilizou-se de
pesquisa documental, baseada principalmente, em jornais de época. Assim
como, entrevistas com ex-moradores/as da Avenida Senhor dos Passos e um
intenso trabalho de campo caminhando e registrando aspectos da paisagem
urbana. Imprescindível também foi o uso das fontes imagéticas, sobretudo as
fotografias e desenhos. É preciso informar ao leitor, ainda, que o desenvolvimento
da narrativa se realiza a partir de dois principais eixos: o desenho e a memória.
possível perceber que o desenho e a memória definem, localizam, (re)velam
tempo, espaço, histórias e uma multiplicidade de experiências perceptivas,
no caso em voga, da avenida Senhor dos Passos. É preciso considerar, ainda,
que as memórias se apresentaram dentro de um ponto de vista que implica
circunscrevê-las em contextos sócio-políticos-econômicos, ora locais, ora
estaduais, ou ainda, nacionais.
Simpósio Internacional de História Pública

ST 07 – Arquivos para o público

Terça-feira, 17 de julho, 14h às 16h

Local: Sala Caio Prado Jr.

Mediação: Lidiane Soares Rodrigues (Fecap)

ARQUIVOS PESSOAIS E HISTÓRIA: DIVULGAÇÃO E POSSIBILIDADES
José Francisco Guelfi Campos (USP)

O interesse dos historiadores por documentos de caráter privado, dentre os
quais se destacam os chamados arquivos pessoais, já não é novidade. Suas
características peculiares vêm também motivando intenso debate entre os
teóricos da Arquivologia, área com a qual os historiadores deveriam manter
contato mais estreito, de modo a melhor compreender, e de forma matizada, a
natureza das fontes que utilizam. Partindo de experiência concreta de pesquisa

– a organização e descrição do arquivo de uma professora de educação infantil
que está sob a custódia do Centro de Memória da Educação (USP) –, pretendo
compartilhar algumas considerações acerca das características da documentação
acumulada por pessoas e de seu potencial para a pesquisa em História, dando
especial atenção às formas como fontes congêneres vêm sendo divulgadas em
meios de ampla circulação, como a Internet, tornando pública a matéria-prima
do historiador. Das novas estratégias de divulgação e comunicação exercidas
pelas instituições arquivísticas, cada vez mais empenhadas em disponibilizar
bases de dados, instrumentos de pesquisa e seus próprios acervos digitalizados,
decorrem implicações teóricas e metodológicas que influem nas práticas
arquivística e historiográfica. Sem a pretensão de esgotá-lo, minha intenção
é contribuir para o debate acerca de tais impactos, trazendo à luz alguns
questionamentos a respeito das possibilidades de redefinição das relações
estabelecidas entre o grande público e os produtos do trabalho de arquivistas
e historiadores.
A DIMENSÃO PÚBLICA DE UM ARQUIVO PESSOAL:
EURÍPEDES SIMÕES DE PAULA

Lidiane Soares Rodrigues (Fecap)

Nesta apresentação, procura-se expor o rendimento substantivo do Arquivo
Eurípedes Simôes de Paula, localizado no Centro de Apoio à Pesquisa
em História – Sérgio Buarque de Holanda, para a pesquisa de doutorado
realizada. Trata-se de apreender a dimensão pública da documentação pessoal
A história e seus públicos

do professor Eurípedes Simões de Paula, reunida ao longo de décadas, na
qualidade de jurista, historiador, professor do Departamento de História, vice-
reitor da Universidade de São Paulo, diretor da Faculdade de Filosofia, Letras
e Ciências Humanas e da Revista de História.

A INTEGRAÇÃO DO ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO
POR MEIO DOS ARQUIVOS: A PARCERIA
UFRN – ARQUIDIOCESE DE NATAL

Margarida Maria Dias de Oliveira (PPGH-PUC-SP)

A Diocese de Natal completou em 2009, 100 anos. Em 2006, quando se
aproximava essa efeméride, o Departamento de História da UFRN foi
procurado por um representante da Arquidiocese para se iniciar um projeto
com fins a organização do acervo documental acumulado. Desde então, após
proceder o Diagnóstico do arquivo permanente, tem-se efetivado uma parceria
para organização do acervo e articulação dessa atividade com as atividades
fins da Universidade: ensino, pesquisa e extensão. Desta forma, os alunos da
disciplina Arquivística do Curso de História têm observado e experienciado
atividades de organização do acervo e refletido sobre as várias problemáticas
que envolvem essa execução; articulando assim teoria e prática, além disso,
projetos de pesquisa foram viabilizados a partir do conhecimento, catalogação
e acessibilidade desse conjunto documental. Por sua vez, a Arquidiocese tem

– junto com os professores e alunos – investido na discussão sobre gestão
documental, centros de documentação e formação em serviço dos seus
funcionários sobre essa temática. É sobre essa experiência que pretendemos
comunicar nesse evento.
CONSTRUÇÃO DE INSTRUMENTOS DE PESQUISA DO ARQUIVO
CENTRAL E HISTÓRICO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE
VIÇOSA: DIFUSÃO DA HISTÓRIA, SALVAGUARDA DA MEMÓRIA

Patrícia Vargas Lopes de Araujo (UFV); Eduardo Luiz dos Santos (UFV)

O objetivo dessa comunicação é apresentar o processo de construção de um
guia geral de pesquisa para o acervo documental do Arquivo Central e Histórico
da Universidade Federal de Viçosa (UFV), buscando-se não apenas descrever

o acervo documental desse Arquivo, mas discutir a metodologia usada na
construção de tais instrumentos a partir da teoria e da literatura arquivística,
sobretudo da Norma Brasileira de Descrição Arquivística – NOBRADE,
refletindo sobre a capacidade desses instrumentos de pesquisa potencializar,
através do acesso às informações, o desenvolvimento de pesquisas diversas e
a difusão da memória, por meio do conhecimento público da documentação

Simpósio Internacional de História Pública

sob guarda do Arquivo, não só para os pesquisadores especializados, mas para

o público em geral. O acervo documental do Arquivo Central e Histórico da
UFV é constituído de relatórios, atas, periódicos, jornais e revistas, fotografias,
cadernos de anotações de aula e variados procedimentos administrativos que
revelam o cotidiano dessa instituição no decorrer de 85 anos de história. O
Arquivo Central e Histórico da UFV, ligado ao Departamento de História, é
composto por três grandes fundos principais: o Fundo ESAV (Escola Superior
de Agricultura e Veterinária) que compreende o período de 1926 a 1948; o
fundo UREMG (Universidade Rural do Estado de Minas Gerais), de 1948 a
1969 e o fundo UFV (Universidade Federal de Viçosa), de 1969 até os dias atuais.
Tais fundos são determinados principalmente pelas mudanças cronológicas
e estruturais pelas quais passou a universidade ao longo de sua trajetória.
Além desses fundos, o acervo dispõe de mais dois fundos/coleção, que são a
coleção de jornais recebidos pela instituição a partir da década de 30 e o acervo
fotográfico com mais de 8.000 fotografias, que revelam a memória institucional
e sua relação com a comunidade local desde as primeiras décadas do século
XX, quando de sua fundação.
O IHGSE COMO MANTENEDOR DO PATRIMÔNIO DOCUMENTAL
E DA MEMÓRIA: 100 ANOS DE ATUAÇÃO

Lorena de Oliveira Souza Campello (USP)

Em 100 anos de existência, o Instituto Histórico e Geográfico de Sergipe
(IHGSE) buscou verificar, coligir, arquivar e publicar os documentos,
memórias e crônicas relativas às datas históricas, à distribuição geográfica e ao
folclore relativos ao Estado de Sergipe. Assim sendo, desde 1913, o IHGSE vem
prestando importantes serviços à sociedade e continua sendo uma das principais
instituições culturais e de pesquisa em Sergipe. Trata-se de uma associação civil
sem fins lucrativos que manteve estreita relação com a esfera pública desde a
sua criação. O trabalho proposto tem como objetivo traçar o caminhar dessa
instituição em busca da preservação e divulgação da documentação histórica
ligada ao Estado de Sergipe, bem como apontar as relações que manteve para
garantir sua sobrevivência e ampliar sua atuação na esfera cultural e intelectual
do Estado. Percorrendo os 41 números da Revista do IHGSE, tivemos acesso
a textos produzidos por seus sócios, discursos proferidos (em especial, os de
despedida e posse da presidência), Atas de sessões dos consórcios e relatórios
anuais de seus presidentes (as). Seus conteúdos nos deram notícia sobre o
caminhar administrativo da instituição, as dificuldades enfrentadas pelos que
fizeram a “Casa de Sergipe”, suas ações e sua sobrevivência. Através desses
conteúdos, pudemos percorrer as mudanças e permanências administrativas
do IHGSE.
A história e seus públicos

ST 08 – Reflexões sobre a história pública

Terça-feira, 17 de julho, 14h às 16h

Local: Sala Nelson Werneck Sodré

Mediação: Viviane Venancio Moreira (USP)

USANDO O CONHECIMENTO HISTÓRICO PARA ALÉM DA
ACADEMIA: ALGUMAS EXPERIÊNCIAS CARIOCAS

Monique Sochaczewski Goldfeld (CPDOC-FGV)

Muitas são as formas possíveis do trabalho em História Pública. Há a possibilidade
de atuação por parte do historiador em exposições em museus, documentários
para TV e afins, projetos de preservação histórica, “re-tradução” de conhecimento
histórico tradicional, projetos ligados à turismo e à área editorial, entre outros
tantos exemplos. O intuito desta comunicação é justamente compartilhar minha
experiência profissional no Rio de Janeiro ao longo da última década em especial
atuando com os últimos dois tipos de trabalho, bem como discutindo em sala de
aula esta possível – e válida – área de atuação para jovens formandos. Pretende-
se ainda compartilhar algumas técnicas e conhecimentos que julgo serem
específicos de projetos de História Pública no Brasil, como a necessidade de se
dominar leis de incentivo, a especificidade de questões de direitos autorais, etc.

DIMENSÕES PÚBLICAS DOS DIÁLOGOS ENTRE DIREITO
E HISTÓRIA: DIFICULDADES E POTENCIALIDADES

Mariana de Moraes Silveira (UFMG)

Apresentamos reflexões sobre as possíveis dimensões públicas dos contatos
entre juristas e historiadores. Buscaremos enfatizar as tensões, incompreensões
e dificuldades que marcam o diálogo entre essas duas disciplinas, para, a partir
desses problemas, vislumbrar algumas de suas potencialidades. Inicialmente,
procuraremos analisar o modo como a história é comumente enxergada entre
os juristas, em especial por aqueles que se propõem a elaborar trabalhos de
“história do direito” – que, não raro, adotam uma perspectiva próxima da tão
combatida “história dos grandes homens”. Em seguida, teceremos considerações
acerca da resistência dos “historiadores de ofício” em abordar temas ligados ao
universo jurídico. Não casualmente, esse desinteresse começa a se diluir, com
um volume crescente de estudos que ou se utilizam de fontes ligadas ao direito,
ou se dedicam a temáticas propriamente jurídicas, na década de 1980, momento
em que, na historiografia, debate-se o chamado “retorno do político” e em que,
no cenário brasileiro, a elaboração de uma nova Constituição traz o direito para

o centro dos embates públicos. Ao mesmo tempo, observou-se nos últimos anos

Simpósio Internacional de História Pública

o desenvolvimento de uma preocupação teórico-metodológica mais refinada
entre os juristas que se interessam pela história. Embora tensões permaneçam,
ambos os movimentos vêm contribuindo para um diálogo mais fecundo entre
os dois grupos profissionais. A partir dessa aproximação, procuraremos refletir
sobre algumas questões recentes em que a difícil tarefa de empreender um
trânsito entre direito e história se expressa em termos práticos e ultrapassa os
muros da academia, como as discussões em torno da preservação de documentos
processuais, a fundação de diversos centros de memória ligados ao Judiciário e,
de maneira mais premente, as disputas em torno da Lei de Anistia.
O PAPEL DO INTELECTUAL: DIÁLOGOS E DUELOS
Sharon Varjão Will (UFF)

Neste trabalho, buscamos analisar o papel do intelectual e seus diferentes sentidos,
a partir da reflexão deste conceito polissêmico no âmbito da filosofia política e
das ciências sociais. Para isso selecionamos três intelectuais que, em momentos
e contextos históricos diferentes, pensaram esta questão, a partir de seu lugar na
academia e de sua intervensão prática no cenário político da sociedade de sua
época: Jean Paul Sartre, Michel Foucault e Florestan Fernandes.

PENSAR E ESCREVER A HISTÓRIA PÚBLICA A PARTIR DE MICHEL DE CERTEAU
João Rodolfo Munhoz Ohara (UEL)

Para Michel de Certeau, escrever a história se trata, entre outras coisas, de
construir uma efígie: a narrativa seria uma presença que evoca a ausência,
neste caso, a ausência do passado. Compreendemos, aqui, que a partir dessa
perspectiva, toda história é, em última instância, história pública; trata-se sempre
de tornar legível para o presente aquilo que se foi, e que só podemos acessar
coletando, recortando e deslocando seus vestígios. Este trabalho busca explorar
essa hipótese a fim de refletir sobre as novas possibilidades de escrita da história
disponíveis em nosso tempo e do impacto da ampliação de suportes materiais
no processo de pesquisa e, finalmente, de redação da narrativa historiográfica.
Se a “Operação Historiográfica” analisada minuciosamente por Certeau lidava
com a atmosfera intelectual altamente institucionalizada e livresca da França
do século XX, é preciso hoje pensar (1) a produção sobre história realizada por
profissionais de outras áreas, (2) as novas maneiras de escrever a história, dos
textos digitais aos flertes com o cinema ou o teatro e, finalmente, (3) a recepção
e o impacto social do discurso historiográfico em nosso período midiático. Esses
três fatores devem ser levados em conta se se quer refletir epistemologicamente
e historicamente sobre o estatuto da história como discurso de saber. Assim, a
partir da leitura de Michel de Certeau, pretendemos tratar desses problemas
que se impõem ao historiador contemporâneo.
A história e seus públicos

LEOPOLD VON RANKE ALÉM DA UNIVERSIDADE: PESQUISA
ACADÊMICA E PÚBLICO LEITOR DE HISTÓRIA

Viviane Venancio Moreira (USP)

A comunicação explora um aspecto ainda pouco considerado na produção do
historiador prussiano oitocentista Leopold von Ranke (1795-1886): a conjugação do
desenvolvimento de pesquisa histórica sofisticada com sua divulgação para o público
mais amplo interessado em História. Na história da historiografia, o nome de Ranke
é comumente relacionado ao mundo acadêmico regido por parâmetros herméticos de
erudição e regras próprias de discurso. No entanto, fica cada vez mais evidente que sua
produção tinha pretensões mais amplas, o que era impulsionado pela compreensão
da historiografia como patrimônio cultural. Atenção especial será dada às traduções
inglesas da rankeana, onde o caráter mais público fica evidente. Como fundamentação,
devem ser consideradas as reflexões de Ranke dos modos de comunicar a pesquisa
de forma clara e compromissada, sem perder qualidade narrativa ou explicativa.
Isso resultou no desenvolvimento estilístico que uniu técnicas do romance histórico
com sólida pesquisa documental. Tais aspectos indicam que a preocupação com a
comunicabilidade da historiografia para além da universidade acompanhou o próprio
processo de formação da disciplina, ainda que seja preciso pensar qual era esse público
leitor de história no século XIX e quais suas expectativas em relação a tal conhecimento.
É também interessante pensar na críticas recebidas por Ranke ao adotar tal perspectiva
(e que parecem bastante contemporâneas), principalmente as que apontavam suposta
falta de seriedade acadêmica e oportunismo com olho no mercado editorial e na fama.

O PAPEL PÚBLICO DOS ESTUDOS HISTÓRICOS: UMA POLÊMICA
Ulisses do Valle (UFTO)

Desde que Nietzsche problematizou a utilidade da história para a vida, os
historiadores e a teoria da história têm que constantemente dar as razões de ser de
sua atividade. Nas últimas décadas, o clássico problema nietzschiano da utilidade
e da desvantagem da história para vida tomou uma forma mais particular: trata-se
agora de uma discussão sobre o papel público da história como disciplina. Este
tema se desenrola com especial proficuidade numa polêmica encerrada entre
Hayden White e Dirk Moses. A partir da polêmica considerada, quer se propor
uma direção a esse debate que não remete a nenhum desses autores diretamente,
mas a outro: Max Weber. A hipótese básica deste trabalho é que na obra de Weber
estão difusos alguns insights particularmente relevantes a uma justificação do
valor público dos estudos históricos. No momento crítico em que a história como
disciplina corre o risco de caracterizar-se tão somente como um meio intelectual
justificador de ideologias particulares, é urgente a discussão sobre o papel
público que os estudos históricos assumem, especialmente quando vinculados a
acontecimentos traumáticos. Em que medida poderia a história como disciplina
ultrapassar os paradigmas de uma história cientificista e anti-utópica por um
lado, de uma história antiquaria e factual, por outro, sem decair no paradigma da
história mestra da vida?
Simpósio Internacional de História Pública

ST 09 – A história pública e a política

Terça-feira, 17 de julho, 14h às 16h

Local: Sala Ilana Blaj

Mediação: Juniele Rabêlo de Almeida (UFF)

A HISTORIOGRAFIA CATALANISTA E SEUS REPASSES
INSTITUCIONAIS: UM ESTUDO DE CASO SOBRE
REVISIONISMO E MEMÓRIA HISTÓRICA

Rogerio Ribeiro Tostes (Universitat de Lleida)

Por mais destacável que tenha se tornado, a visibilidade que hoje é dada
aos discursos de construção de memória e identidade ainda não fez exaurir
seu potencial reflexivo. Os movimentos políticos e sociais que modulam as
preferências do estilo historiográfico de um determinado contexto especificam
as chaves de interpretação das tradições intelectuais, e traz aí o elemento crítico
do debate revisionista. Na leitura proposta por este título revisita-se a questão
–tão difundida quanto problemática– das linhagens historiográficas catalãs dos
últimos cinquenta anos. Desembaraçado-o de seu estandarte político, é possível
ver uma produção intelectual que fez de seus engajamentos ideológicos o material
de elaboração histórica. A predominância da historiografia institucional catalã,
aliada a amplitude que afeta o interlocutor não-especializado, demonstra as
chaves dessa memória social e seu poder de contágio público. Para tanto, possui
um repertório prolífico: cujo marco é dado pela idealização das próprias feridas
sociais, das derrotas e rupturas enraizadas na narrativa histórica; este mesmo
elemento move um sentimento comum, a lembrar a nostalgia da comunidade
imaginada, que foi compartilhado pelos historiadores catalães do período
franquista. Jaume Vicens Vives (1910-1960), um dos raros nomes poupados
do exílio desde o regime, foi influente entre as gerações que ajudou a formar,
instigando nelas a apologética de uma Catalunha livre¬– “el poble català” diz ele
“en general, era lliure i constituïa una característica organització democràtica”.
Por obra sua fundou-se o Centro de Estudios de Historia Internacional, além
de veículos editoriais como as revistas Índice Histórico Español e Estudios de
Historia Moderna. A herança de nomes como esse é sensível ainda hoje. A
partir dela as matrizes interpretativas buscam ajustar contas e fazer reparos
sobre uma perspectiva excessiva, ao mesmo tempo que lidar com os novos
acirramentos identitários impulsionados desde a redemocratização pós1970.
Entra em cena uma profunda rearticulação dos estilos historiográficos,
agindo num conjunto as premissas de validação heurística e a crítica acerca da
A história e seus públicos

construção do passado, sobejamente vívida para a memória institucional que
ajudou a forjar entre os catalães.

“MAJOR, VIEMOS PAGAR O ALUGUEL”: UM NÚCLEO HABITACIONAL
COMO CASO DE HOMENAGEM E AUTO-HOMENAGEM DO
REGIME MILITAR A PARTIR DE DIÁRIOS DE 1967 E DE 2010

-A OPINIÃO PÚBLICA DE 25 ANOS DE DEMOCRACIA
OLIVEIRA, Thiago Augusto Divardim de (UFPR); DEMENECK, Ben-Hur
(UFSC )

Esse trabalho analisa um caso de homenagem e auto-homenagem promovidas
pelo regime militar (1964/1985) a partir do que se publicou em dois diários
de circulação regional. Em observação, um núcleo habitacional de cerca de

1.000 casas inauguradas em 31 de Março de 1967, em cidade do interior do
Paraná (Ponta Grossa). A mídia impressa dessa época serviu desde para a a
fabricação de um “heroi local” quanto para criar espírito propício à apologia
do regime a ponto dele se auto-referenciar. Parte comunicação livre, parte
testemunho, este artigo reconstitui o período e o retoma 44 anos depois,
quando contesta a permanência de um símbolo autoritário durante vigência
democrática. O legado do regime de exceção transparece em narrativas e
informações evocadas para explicar o período, em 2010, um pedido para aceitar
a identidade e a memória como imutáveis porque não questionam abusos de
outros tempos. Embasando o texto, de um lado há referências sobre cultura
e consciência histórica e a temporalidade do presente (RÜSEN, 1992, 2001,
2007), de outro, a descrição de um quadro ilustrativo da opinião pública em
um país cuja política foi interrompida pela deflagração de golpes de estado.
ATORES DA CULTURA POLÍTICA DA
LATINOAMERICANIDAD – UM ESTUDO COMPARATIVO
ENTRE JOSÉ MARTÍ E OSWALD DE ANDRADE

Fernanda Oliveira Filgueiras Santos (Prolam-USP)

A presente pesquisa se propõe a interpretar os discursos de José Martí e Oswald
de Andrade enquanto propostas alternativas contra-hegemônicas. Não se trata
apenas de independência no caso da cultura, e sim de um fazer próprio, local,
com nova vertente autóctone, não copiativa. Ou seja, não mais para agradar
europeus, como também não mais colonizada, mas orgulhosa do fazer cultural
dos trópicos e dos Andes, dos maias, astecas e incas para Martí e dos tupis para
Oswald. Neste estudo é fundamental a análise dos manifestos Nuestra América
e Antropófago, nos quais se encontram as ideias principais do projeto de José
Simpósio Internacional de História Pública

Martí e Oswald de Andrade respectivamente. A pesquisa dará conta, também,
das insurgências que se dão no plano das guerras e movimentos de independência
e das que se dão nos planos da arte e cultura. Por exemplo, como os mexicanos
Frida Khalo (1907-1954) que procurou na sua arte afirmar a identidade
nacional mexicana e com Diego Rivera (1886-1957) que, junto com David
Siqueiros e Clemente Orozco, representou a vanguarda intelectual mexicana,
voltada para o nacionalismo. A partir desses movimentos por uma maturação
de culturas na América Latina, na busca de uma criatividade própria, podemos
destacar ainda Simón Bolivar, José Carlos Mariátegui e Fernando Ortiz.

ORALIDADE, MEMÓRIA E HISTÓRIA PÚBLICA: REFLEXÕES A PARTIR
DA AÇÃO COLETIVA DE POLICIAIS MILITARES GREVISTAS

Juniele Rabêlo de Almeida (UFF)

Esta apresentação propõe reflexões sobre “oralidade, memória e história
pública” a partir do estudo da ação coletiva de policiais militares grevistas
que participaram do ciclo de movimentos reivindicatórios ocorridos em
1997. Narrativas políticas, resultantes do trabalho de história oral com PMs
brasileiros, revelaram o diálogo entre as memórias regionais e uma cultura
policial militar nacionalmente constituída. Quatorze estados integraram o
ciclo nacional de protestos: Alagoas, Bahia, Ceará, Goiás, Mato Grosso, Mato
Grosso do Sul, Minas Gerais, Pará, Paraíba, Pernambuco, Piauí, Rio Grande
do Sul; e, sem movimento organizado, São Paulo e Rio de Janeiro. Questões
para o estudo da história dos movimentos sociais e da segurança pública foram
problematizadas na análise do repertório da ação coletiva policial militar: o
início do ciclo de protestos; conflitos armados e ameaças; acampamentos e
negociações; manifestações disciplinadas; articulações políticas à margem do
ciclo de protestos. A crise policial militar brasileira representou conjuntura em
que elementos próprios da corporação se desgastaram, mas não o suficiente
para minar as bases institucionais. O trabalho indica possíveis conexões entre
uma cultura policial militar, expressa pelos pilares militarizantes referentes
a valores e normas institucionais, e preceitos relacionados ao processo de
democratização que se passa nas sociedades contemporâneas. A pesquisa,
sobre a história da ação coletiva de policiais militares grevistas, encontrou o
seu lócus ‘público’ para além da divulgação de um conhecimento organizado
e sistematizado pela ciência. Buscou-se, por meio das discussões sobre história
pública, organizar e mediar conhecimentos locais: construção de acervos sobre
as greves de 1997 nas Associações de policiais militares dos quatorze estados
pesquisados.
A história e seus públicos

TRÂNSITOS INTELECTUAIS EM REVISTA: UMA LEITURA DOS PROJETOS
EDITORIAIS DE PUNTO DE VISTA E REVISTA DE CRITICA CULTURAL

Silvia Cáceres (UFRJ)

Os últimos trinta anos vividos pelos espaços públicos e políticos no cone sul
da América do Sul são um período marcado por largas transformações sociais
e históricas, que indicam a existência de uma profunda mudança epocal. Este
largo trânsito, que aqui chamaremos de transição pós-ditatorial já que marcado
fundamentalmente pelo desmonte das últimas ditadoras civil-militares da
região, é um trânsito que se organiza sob o signo do trauma ditatorial. Assim,
a mudança profunda da hegemonia social e politica vivida nos últimos trinta
anos coexiste com a dinâmica de eterno retorno de vivências e choques
reprimidos pelo trauma ditatorial. Pensemos no exemplo da intelectualidade
auto identificada como de esquerda. Se, no período anterior e durante
as ditaduras, a despeito de suas diferenças internas, tal intelectualidade
parecia ter para si um lugar social, um papel público a representar, hoje, tais
sinalizações desvanecem pelo sem sentido das tópicas da esquerda dos anos
setenta sobrepostas ao cotidiano de nossas sociedades de cultura midiática e
de consumo. Como reorganizar a pauta pública de tal intelectualidade sem
parodiar as posturas intelectuais vividas antes e durante as ditaduras, ou sem
rechaça-las como mero arcaísmo de um tempo sentido como o radicalmente
outro de nosso contemporâneo? Gostaríamos de encaminhar tais perguntas
através da análise de dois importantes periódicos editados no cone sul : Punto
de Vista, editado na Argentina por Beatriz Sarlo de 79 a 2008 e Revista de
Crítica Cultural, editado no Chile por Nelly Richard de 1990 a 2008. É nossa
tese de que tais periódicos tentaram organizar uma plataforma de debates
mobilizando intelectuais críticos com vistas à compreensão dos largos trânsitos
vividos e dos trânsitos necessários para que uma pauta de debates públicos
pudesse imprimir sentido a estas sociedades eclipsadas pelo trauma.

ST 10 – O turismo e os espaços da história

Terça-feira, 17 de julho, 18h30 às 20h30

Local: Sala Caio Prado Jr.

Mediação: Bruno Sanches Mariante da Silva (Unesp Assis)
Simpósio Internacional de História Pública

EXPERIÊNCIA URBANA, FOTOGRAFIA E TURISMO: AS POSSIBILIDADES DE
DESCOBERTA E INVENÇÃO NAS LENTES DO FOTÓGRAFO-VISITANTE

Amanda Danelli Costa (UERJ)

Nosso objetivo com a presente comunicação é refletir acerca das possibilidades
em torno da educação do olhar na relação com o desenvolvimento de uma
consciência histórica a partir das atividades relacionadas ao Turismo Cultural
e ao Turismo de Experiência. Para o visitante que chega à cidade do Rio de
Janeiro, por exemplo, a melhor forma de investir na cidade é flanar por ela,
como sugeriu João do Rio, um dos principais cronistas do início do século XX. A
polifonia cultural que se percebe, seja ela a expressão de conceitos ou produtos,
compõe a alma das ruas da cidade, compõe, portanto, a alma da própria cidade.
As diferentes sociabilidades e relações de negociação, que surgiram a partir
dessa heterogeneidade, expõem as tensões presentes na cidade, mas também
revelam os seus mistérios e “jeitinhos” específicos. Assim, aquele que buscar
uma experiência urbana autêntica na cidade do Rio de Janeiro a encontrará
nas suas ruas, entre a gente da cidade. A partir disso, pretendemos investigar
a possibilidade de sensibilizar o olhar daquele que descobre para que através
da fotografia ele possa se encontrar com a alma da cidade. O visitante, carioca
ou não, que se colocar na posição de observador e que buscar uma relação de
invenção e de descoberta do espaço que o circunda não se envolverá com a
fotografia exclusivamente como um espelho do real porque isso limita a tensão
entre a força da subjetividade do fotógrafo e a força da alma da cidade. Neste
caso nos parece que seria fundamental incentivar o uso da fotografia não como
um registro objetivo do que se viu, mas como a construção subjetiva daquilo
que o fotógrafo-visitante se permitiu descobrir ou até mesmo inventar na sua
relação com a cidade visitada.

O NOVO PANORAMA DA HISTÓRIA DE SALESÓPOLIS
(SP), ROTA DÓRIA E TURISMO

Alexandre da Silva (Comissão Histórico Cultural de Salesópolis)

A Rota Dória era uma antiga rota comercial, que funcionou durante o período
imperial (a partir de meados dos anos de 1850), e pela qual, entre outros
produtos, era comercializado o precioso sal e africanos escravizados, escassa
mão de obra na Capitania de São Paulo, que crescia com a produção do café
no Vale do Paraíba Paulista. A rota ligava a localidade de São Sebastião, litoral
norte de São Paulo, ao Planalto, à Salesópolis, então Capella de São Jozé do
Parahytinga, sobre uma antiga Estrada, construída pelo Padre Manoel de Faria
Dória em 1832. Ela era utilizada por tropeiros, que oriundos de diversas partes
de Serra Acima, chegavam à São Sebastião, que tinha em seu porto, importante
posto de troca de mercadorias. Hoje essa Rota configura-se num roteiro turístico
A história e seus públicos

que trabalha com o segmento étnico, além de um perfil histórico-cultural, num
processo de reflexão e identidade junto a um período da história que por muito
tempo se quis esquecido.

PATRIMÔNIO E ARTE
Hallan Lopes (ETEC São Sebastião)
O projeto é desenvolvido pelos alunos do 3º modulo do curso técnico em turismo
receptivo da ETC de São Sebastião e tem como objetivo divulgar os bens e
produções culturais do município através da pesquisa histórica, construção e
apresentação de maquetes em escalas exatas e padronizadas do centro histórico
de São Sebastião, maquete esta que os alunos utilizarão posteriormente para
desenvolver atividades de guiamento turístico, alem de uma exposição de
fotografias, contos e causos do município.

DO REMO À PESCA: O PRESCRITO E O IMPREVISTO NA CONSTITUIÇÃO
DA LAGOA DA PAMPULHA COMO UM ESPAÇO DE LAZER
MODERNO EM BELO HORIZONTE (1942 A 1968)

Juliana de Alencar Viana (CEMIE/SEEJ; ORICOLE/POLIS/CELAR/UFMG;
Prefeitura Municipal de Contagem)

Este trabalho tem como objetivo apontar vestígios para a compreensão da Lagoa
da Pampulha como um espaço de lazer moderno em Belo Horizonte (1942 a
1968). O período é marcado pela inauguração do complexo arquitetônico da
Pampulha (Cassino, Casa do Baile, Iate Golfe, Capela de São Francisco de Assis)
considerado símbolo de progresso e modernidade na capital. Garimpando entre
legislações, relatórios de prefeitos, a literatura de Pedro Nava e dialogando com
estudos históricos e de memória da cidade, encontramos práticas culturais em
torno da lagoa que estavam entre o prescrito e o imprevisto, que deixaram rastros
de uma pedagogia do corpo na constituição desse espaço de lazer moderno na
capital mineira. Da pesca ao remo, a Lagoa foi palco de apropriações culturais
por parte de diferentes grupos sociais, mesmo que planejada como bairro mais
encantador da capital, provido de uma série de atrações turísticas (Cassino,
Casa do Baile) e de aperfeiçoamento do físico (Yatch Clube de Minas Gerais)
como os exercícios ao ar livre, de remo e vela para a mocidade, cuja finalidade
era o aperfeiçoamento da raça e a cultura física. A educação integral do homem
pelo físico perfeito era reflexo do espírito bem ajustado, afastando a mocidade
dos desvios (botequins e casas de jogo) e contribuindo ao trabalho patriótico.
A Pampulha também serviria ao recreio e ao descanso, para recompor as
energias do trabalhador, com a consequente liberação de pesca aos domingos.
Embora a construção da Lagoa tenha se originado pela solução do problema
Simpósio Internacional de História Pública

de infraestrutura de escassez da água, sua instalação serviu para trazer novos
ares urbanos às antigas fazendas e arraiais – mesmo com tensões – que logo
cederam lugar às ruas pavimentadas, construção de largas avenidas, linhas
de bondes, projeto de iluminação pública e, de forma mais específica, ao
surgimento dos esportes náuticos e a exploração de embarcações, até quando
fica expressamente proibido o uso de suas águas, em 1968. É esta a história que
queremos contar.

A HISTÓRIA NA RUA: UMA ANÁLISE DA NOMENCLATURA DOS
LOGRADOUROS PÚBLICOS EM LONDRINA –PR

Bruno Sanches Mariante da Silva (Unesp Assis)

A nossa comunicação centra-se na análise da nomenclatura de logradouros
públicos em Londrina, cidade jovem do setentrião paranaense. A cidade conta
atualmente com mais de 4.000 ruas, praças e avenidas e para cada logradouro
é escolhido um nome. Por meio de tais escolhas são rendidas homenagens
à natureza, aos países, estados e cidades. Mas há aquelas ruas, praças e
avenidas que são dotadas de nomes que evocam personagens da história
local, nacional ou mundial, homenageando suas vidas e obras. Desse modo
partimos do pressuposto que ao se nomear ruas e praças de uma cidade está
se dotando de significação aquele elemento urbano, ao passo que, celebra-se,
concomitantemente, o acontecimento ou personagem ali representado. São
manifestações da história levada a um grande público, pois os logradouros
são ambientes de passagem, mas são também, lugares de passeio, morada ou
trabalho. A história e a memória estão gravadas nesses elementos, lembrando
que o que sobrevive de nossas sociedades ao teste do tempo é sempre fruto
de escolhas e que os monumentos são construídos para legarem alguma
imagem da sociedade para as gerações futuras, são imbuídos da missão de
transmitir um discurso. Desse modo a celebração da memória passa, então, a
ser alvo de disputas simbólicas, pois, assenhorear-se da memória é tomar para
si um poder simbólico, por tal razão, a nomenclatura das ruas está sujeita a
dinâmica da memória e sendo passível a mudanças conforme o imaginário
e as transformações ocorridas na sociedade, como o exemplo da França pós-
revolução. O discurso histórico seja pela historiografia, seja pela narrativa da
memória ou pela nomenclatura das ruas está sujeito às condições de produção
(lugar, prática e narrativa).
A história e seus públicos

ST 11 – História e linguagens

Terça-feira, 17 de julho, 18h30 às 20h30

Local: Sala Nelson Werneck Sodré

Mediação: Tercia de Tasso Moreira Pitta (UNIP)

DEBRETIANDO HÉLIO SANTOS: UM DIÁLOGO COM IMAGENS
Tercia de Tasso Moreira Pitta (UNIP)

O trabalho tem como objetivo dialogar com o texto de Hélio Santos, do livro: “
A BUSCA DE UM CAMINHO PARA O BRASIL: A trilha do círculo vicioso”,
em 2001 e as imagens de Debret e seus contemporâneos da Missão Artística
Francesa, cem anos antes. Aproximação das duas áreas de pesquisas – obra
escrita e obra ilustrada realizadas em cem anos de diferença contam a história
da escravidão e ambos relatam a história não contada na escola de Ensino
Básico. Portanto, a fundamentação teórica gira em torno do autor Hélio Santos,
Debret e o contexto histórico da Missão Artística Francesa.

LÉVI-STRAUSS: A RELAÇÃO ENTRE MITO E MUSICA NAS MITOLÓGICAS

Betania Maria Franklin de Melo (UFRN) ; Alexsandro Galeno de Araujo
Dantas (UFRN)

Este estudo é baseado na obra, Mitológicas de Claude Lévi-Strauss, que é uma
gigantesca obra em tetralogia repleta de narrativas míticas dos ameríndios, do
sul e do norte. As linguagens, mito e música aparecem relacionadas segundo

o autor e a compreensão dos mitos ocorre de maneira similar com a partitura
orquestral. Formas de composição como Tema e variações, sonata, fuga,
sinfonia, cantata e outras estruturas demarcam os capítulos. Assim, o trabalho
procura investigar na grandeza do estudo antropológico realizado no decorrer
de vinte anos, a análise mito e música diante dos termos em oposição, em
contrastes ou em simetria, presentes na escrita. Na imensidão dos temas se
encontra a família, o casamento, a iniciação dos rapazes e das moças, os rituais,
a caça, a agricultura, as origens e tantos outros, como assassinato, incesto,
cura. Temas não tão distantes dos fatos reais da sociedade. As formas: tema e
variações, sonata e fuga, e os compositores indicados como: Bach, no código,
Beethoven, na mensagem e Wagner nos mitos, são destacados. A ópera, O anel
dos Nibelungos, de Wagner, dialoga com as temáticas das narrativas dos mitos.
Como uma linguagem da cultura de tradição temas como: incesto, violência,

Simpósio Internacional de História Pública

assassinato, regras de condutas sociais podem fazer dialogar com a música?
Este desafio foi deixado por Lévi-Strauss.

CRIMES, CELAS E ELAS: QUANDO A PESQUISA HISTÓRICA VAI AO TEATRO
Camila Diane Silva (UFSC)

Esta comunicação tem o propósito de apresentar resultados alcançados em
pesquisas na área da história que serviram de fontes para a elaboração de uma
peça teatral na cidade de Joinville/SC. Durante minha graduação em História
na Universidade da Região de Joinville – Univille, desenvolvi dois projetos de
Iniciação Científica intitulados: “Crimes, celas e elas: memórias de mulheres
sobre a condição de cárcere” (2008) e “Narrativas de Mulheres Egressas do
sistema carcerário na cidade de Joinville” (2009). Estes que serviram de
embasamento para minha atual pesquisa de Mestrado em História Cultural na
Universidade Federal de Santa Catarina. Os resultados alcançados na pesquisa
possibilitaram a divulgação em eventos científicos e a publicação de artigos,
porém algo disponível e que gerava interesse apenas aos pares participantes
dos eventos. Neste momento, houve o contato com um grupo de teatro da
cidade, a “CiA VAI!”, que se interessou em utilizar as fontes da pesquisa –
como as entrevistas orais, as anotações de campo e análises realizadas – afim
de propor uma dramaturgia que pudesse levar os resultados a outros públicos.
Desta forma, constituiu-se uma parceria que resultou na peça de teatro “©elas”,
aprovada pelo Sistema Municipal de Desenvolvimento pela Cultura – Simdec
da Fundação Cultural de Joinville, possibilitando apresentações para o público
da cidade, bem como a apresentação na “Ala” feminina do “Presídio Regional
de Joinville”. Portanto, esta comunicação tem a finalidade de expor alguns
resultados de quando a pesquisa histórica vai ao teatro.

OS INTELECTUAIS E A NOVA ATENAS: UM

ESTUDO DAS REPRESENTAÇÕES NAS OBRAS DOS LITERATOS
MARANHENSES NO INÍCIO DA PRIMEIRA REPÚBLICA
Patricia Raquel Lobato Durans (UFMA)

Analisa-se as representações formuladas pela literatura neo-ateniense acerca de
sua condição intelectual por meio da obra Vencidos e Degenerados (1915), de
Nascimento Moraes. Promove-se um debate com a historiografia tradicional
acerca dos discursos cristalizados em relação à literatura neo-ateniense e a
literatura maranhense em geral, discutindo acerca dos conceitos de geração,
ciclo, grupo, que categorizam a literatura produzida durante este período,
levando em consideração o relacionamento obra, autor, contexto de produção,
intencionalidade, efeitos, temáticas e aspectos estético-literários, a fim de
A história e seus públicos

confrontar as visões de mundo sugeridas pela obra elencada e refletir sobre
os sentimentos, impressões e angústias desses literatos em relação à sociedade
que representam e que fazem parte. Sendo assim, estudar o discurso construído
por meio de obras literárias por um conjunto de intelectuais maranhenses que
estabeleceram na época da Primeira República, chamados de novos atenienses,
torna-se objeto possível a ser estudado por meio da História Cultural, uma vez
que esta nos permite pensar o pensado, o experimentado, o vívido, o imaginado,
por meio da noção de representação. Trata-se de uma pesquisa histórica de
cunho bibliográfico. A pesquisa desenvolvida em dois momentos básicos: a
primeira etapa consiste em mapear os estudos a respeito do período em questão,
assim como da obra a ser analisada, tentando mostrar as interpretações feitas
acerca dos assim chamados ciclos literários maranhenses, sendo destacado

o ciclo dos novos atenienses.Em seguida, parte-se para o levantamento da
trajetória intelectual do autor citado, atrelado a leitura da obra, procedendo-se
a sua análise literária e histórica e crítica. Nessa fase, será investigado contexto
político-cultural da obra, assim como do seu autor, tentando pensar o contexto
de produção, as ideologias, temáticas, orientações filosóficas e políticas
presentes nessa produção intelectual, influências, intencionalidade e imagens
criadas por esta, para isso, a análise do discurso será usada.
EURÍCO, O PRESBÍTERO E O HISTORICISMO ROMÂNTICO
Leonardo de Atayde Pereira (USP)

Alexandre Herculano foi um intelectual de interesses variados e que soube
captar toda a efervescência histórica européia do século XIX, como a expansão
do movimento liberal e do pensamento romântico. Sua produção, formada
por trabalhos de cunho jornalístico, literário e historiográfico, revela uma
intensa preocupação com os rumos políticos e culturais de Portugal e traça
uma unidade temática que tem o “historicismo romântico” como eixo principal
e revelador do ecletismo de idéias presentes no pensamento de Herculano.
Tanto o “historicismo romântico”, quanto a constatação de um vasto cabedal
de vertentes teóricas, advindas do diálogo com o trabalho e as idéias dos mais
diversos autores liberais e românticos da Europa, ajudaram a moldar a visão
de mundo de Herculano. Com base nesse inegável conhecimento de Herculano
acerca da experiência liberal e romântica européia, representada na sua forma
mais direta através de citações de nomes significativos da intelectualidade da
época, como Guizot, Thierry, Herder,Vico, Victor Cousin e Ranke, na sua
obra, podemos afirmar que a reflexão histórica assumiu um papel de destaque
frente a uma maior compreensão dos problemas políticos, econômicos, sociais
e culturais de Portugal. Para Herculano, a pesquisa historiográfica e a leitura
de trabalhos de autores europeus que se debruçavam sobre a temática histórica
tornou-se uma inesgotável fonte de informações e modelo de várias produções
Simpósio Internacional de História Pública

literárias e historiográficas, em destaque para a obra História de Portugal.
Pensando nessa unidade temática, no ecletismo de ideias e na presença
condicionante do “historicismo romântico” da obra de Herculano, há como
situar o autor dentro de um contexto intelectual liberal e romântico, e identificar,
dentro das possibilidades de um artigo, as possíveis linhas teóricas, filosóficas e
historiográficas, presentes no romance histórico Eurico, o presbítero, de 1843,
tomando como referências o seu famoso escrito “Cartas sobre a História de
Portugal”, de 1842, e a introdução da História de Portugal, de 1846.

ST 12 – Processos educativos e história

Terça-feira, 17 de julho, 18h30 às 20h30

Local: Sala Ilana Blaj

Mediação: Eduardo Fiorussi (UFSCar)

MEMORIAL DO PNLD: PARA QUE(M) SE AVALIA?
Almir Félix Batista de Oliveira (UFRN)

O presente trabalho tem por objetivo apresentar o processo de constituição
do Memorial do Programa Nacional do Livro Didático – PNLD, sediado na
Universidade Federal do Rio Grande do Norte. O Memorial do PNLD tem
como acervo os livros didáticos (de Ciências, Geografia, História, Língua
Portuguesa e Matemática) avaliados pelo Programa desde o ano de 1997 até

o presente momento. Além dos livros, o acervo é constituído pelos editais
que iniciam o processo de avaliação, fichas de avaliação, pareceres e guias.
Com esse acervo estamos desenvolvendo pesquisas sobre livros didáticos de
História e induzindo pesquisas interdisciplinares, bem como ações que buscam
problematizar as relações do profissional docente com esse objeto cultural e dos
vários sujeitos que lidam com ele. Essas ações buscam, principalmente, refletir
sobre formas de divulgação do conhecimento produzido na academia e analisar
as funções que a sociedade tem lhe atribuído.
QUE HISTÓRIAS CONTAM OS OBJETOS QUE
HABITAM AS CASAS DE PROFESSORES

Henrique Lima Assis (Unicamp)

Este artigo apresenta reflexões iniciais do projeto de pesquisa vinculado ao
Programa de Pós-Graduação em Educação, da Faculdade de Educação da
A história e seus públicos

Universidade Estadual de Campinas/Unicamp, sob a orientação da Profa.
Dra. Ana Angélica Albano, junto ao LABORARTE – Laboratório de Estudos
sobre Arte, Corpo e Educação, cujo foco consiste em conhecer que histórias
contam os objetos que habitam as casas de professores. Assim, caminhar
tranquilamente pelas casas dos professores de artes visuais, atento aos objetos e,
sobretudo às histórias que eles narram, não será uma tarefa simples, pois exige
permissão, necessita que portas, janelas e caixas sejam abertas. Aconselha,
ainda, muita delicadeza de nossa parte, sendo que “a casa abriga o devaneio,
a casa protege o sonhador, a casa permite sonhar em paz ” e, se cada história
“é um ensejo de uma nova história, que desencadeia uma outra, que traz uma
quarta ”, quiçá, nessa teia de sentidos e significados, eu não encontre a minha.
Desse modo, o ponto de partida será o registro fotográfico de interiores das
casas, especialmente dos objetos de adorno e/ou de estima, seguido de uma
seleção daqueles que nos chamam mais a atenção, ou que foram apresentados
pelos professores com uma ênfase particular. Estes objetos selecionados serão o
foco de entrevistas não diretivas, com o objetivo de pesquisar as memórias que
suscitam. Serão histórias relacionadas a experiências afetivas, aos processos de
formação identitárias, de formação estética? Habitam a casa por necessidade ou
estão ali por acaso?

INDÍCIOS DE EDUCAÇÃO DO CORPO NOS ESPAÇOS DE DIVERTIMENTO DE
BELO HORIZONTE: NOTAS A PARTIR DA IMPRENSA (1900 – 1930)

Cristiane Oliveira Pisani Martini (Centro Universitário de Sete Lagoas)

Este texto busca identificar e compreender a constituição dos espaços urbanos
de divertimento na cidade de Belo Horizonte a partir dos impressos circulantes
na cidade, no período entre 1900 e 1930. Tendo como fonte de pesquisa as
revistas e os jornais do período, propusemo-nos a investigar os espaços
reservados às práticas de divertimento na capital mineira, além das prescrições
e subversões constantemente publicadas nos impressos. Com o propósito de
identificar os indícios de educação do corpo e do comportamento em Belo
Horizonte, uma cidade planejada para representar a moderna República,
buscamos entender as redes de sociabilidade estabelecidas entre os envolvidos
com as diferentes práticas de divertimento. Procuramos, ainda, identificar o
surgimento e a permanência desses espaços públicos e privados reconhecendo
suas contribuições para a constituição de uma cultura urbana moderna desejada.
Partimos da investigação do cenário cultural, político, econômico e social do
local escolhido para a instalação da nova capital de Minas Gerais – Curral
Del’Rei – a fim de identificar permanências e mudanças no planejamento,
organização e na edificação dos novos espaços que se constituíam. Propomos
trabalhar no âmbito da História Cultural, ampliando as noções de tempo,
Simpósio Internacional de História Pública

espaço e de compreensão do objeto, estabelecendo um diálogo com as fontes
que se articule com os conceitos de representação, imaginário e sensibilidade.

RODA DE CHORO: PROCESSOS EDUCATIVOS NA CONVIVÊNCIA ENTRE MÚSICOS
Eduardo Fiorussi (UFSCar)

Este trabalho apresenta parte da pesquisa de mestrado, cujos objetivos são
descrever e compreender processos educativos decorrentes da interação entre
músicos de duas rodas de choro. Baseado nas experiências do pesquisador,
oriundos da convivência com músicos e outros amigos em práticas sociais/
musicais e ambientes de educação musical, e nos estudos realizados na linha de
pesquisa Práticas Sociais e Processos Educativos (PPGE-UFSCar), é apresentada
discussão apoiada em referencial teórico que envolve, principalmente, Paulo
Freire (1992, 2005, 2007), Enrique Dussel (1991, 2001, 2005), Ernani Maria
Fiori (1986) e Jorge Larosa Bondía (2002). Realizada com dois grupos que
fazem rodas de choro, um de São Paulo e outro de Campinas, tem-se como
inspiração a pesquisa etnográfica, utilizando de procedimentos metodológicos
da observação participante, uma vez que o pesquisador é músico e participa
das práticas sociais referidas. Roda de choro é uma manifestação musical,
coletiva, onde as pessoas se encontram para tocar músicas do repertório
popular brasileiro. Nela ocorrem dialogicamente trocas de experiências, de
olhares, de gestos, enfim de aprendizagens. Considerando a roda de choro
como uma prática social, o olhar na pesquisa está voltado para os processos
educativos que nela ocorrem, e em como eles contribuem para a formação dos
indivíduos enquanto seres no mundo com os outros. Sendo o choro uma das
culturas populares brasileiras, originada em práticas musicais realizada por
negros entre o fim do século XIX e início do século XX, compreendo a roda de
choro como um espaço de lazer, de vivências culturais/musicais, de resistência,
de conscientização e libertação cultural, conceitos estes apoiados em algumas
idéias centrais dos autores citados acima.

A IDADE MÉDIA EM SALA DE AULA
Edlene Oliveira Silva (UnB)

A utilização de sites voltados para formação de professores da educação básica
vem ganhando espaço na academia. Num mundo da tecnologia, a internet é
uma forma de comunicação e divulgação democrática e que atinge um número
enorme de pessoas. Além de se constituir numa maneira eficaz de divulgar
projetos, possibilitando a interatividade e a troca de experiências entre a escola
e a universidade, permitindo a construção de novos saberes. Em busca de
contribuir para o ensino de História e especificamente o ensino de Idade Média
A história e seus públicos

na escola, o site “A Idade Média em Sala de Aula” é um projeto amplo que
reúne publicações (artigos, livros, teses, etc), documentos escritos e imagéticos,
entrevistas, roteiros de estudo e de aulas, e ainda um canal no youtube com vídeos
produzidos pelos bolsistas do projeto sobre linguagem do cinema, História do
cinema e análises de filmes objetivando para auxiliar o professor a trabalhar
com cinema em sala de aula. Dessa forma, o site constitui-se num instrumento
de formação docente, bem como num repositório de pesquisa, informação e
divulgação do ensino de História. Hoje, o uso da internet na Educação deve
ser capaz de gerar reflexão, análise, depuração dos procedimentos utilizados
pelo professor, inclusive e, principalmente, para o desenvolvimento da novas
práticas pedagógicas.

ST 13 – História em movimento

Quarta-feira, 18 de julho, 14h às 16h

Local: Sala Caio Prado Jr.

Mediação: Clarissa Kogik Gottfried (UFPR)

A REPRESENTAÇÃO DE HENRIQUE VIII NA SÉRIE “THE TUDORS”
Clarissa Kogik Gottfried (UFPR)

A vida de Henrique VIII, rei da Inglaterra, foi de fato muito polêmica. Em se
tratando de fatos políticos, podemos observar as várias intrigas com a França
em busca por hegemonia mundial, por exemplo. Porém, o que muitas vezes se
chama atenção no governo dele é o fato do rei, em busca de herdeiros legítimos,
ter derrubado os princípios católicos daquele país e instaurado o anglicanismo,
para poder se casar com mais de uma esposa na tentativa de ser gerado um
herdeiro ao seu trono. Assim, muitos filmes, livros e seriados foram elaborados
com base nestes aspectos pessoais do rei, como o filme “A outra” (The other
Boleyn Girl – 2008, Justin Chadwick) e a série “The Tudors”, sem que fossem
levados em consideração os aspectos sociais e políticos que estas ações da
vida privada do rei influenciavam politicamente a Inglaterra como um todo.
Nesta apresentação, abordarei apenas a série televisa citada, analisando suas
principais características, em especial da primeira temporada, realizada no
ano de 2007 pela Showtime, bem como, realizarei uma breve análise crítica,
observando o seriado em seu tempo e em seu espaço, e as relações que ele
estabelece ou não com o período histórico citado, tentando realizar abordar a
publicidade que se dá à vida deste rei nesta série.
Simpósio Internacional de História Pública

UM FILME FALADO, UMA JORNADA PELA HISTÓRIA DO MEDITERRÂNEO

Ximena Isabel León Contrera (USP)

Abordo aqui aspectos da dissertação de mestrado em história social que analisa
a película Um Filme Falado (2003), de Manoel de Oliveira, que narra e
discute uma história do Mediterrâneo, de forma eurocêntrica, orientalista.
Discute o papel de Portugal na construção da Europa. Incorpora
elementos historiográficos como os lugares de memória, mitos, escatologia,
decadência.Uma aula de história fortemente marcada pelo positivismo e
historicismo.

PESQUISA HISTÓRICA PARA CINEMA: POSSIBILIDADES
Vitória Azevedo da Fonseca (Secretaria de Estado de Educação)
Os filmes com temáticas históricas são meios que contribuem para a construção
da “cultura histórica” de um povo. No Brasil esses filmes ocupam um espaço
significativo na filmografia de vários cineastas. Alguns deles dedicaram grande
parte dos seus filmes refletindo sobre o passado brasileiro, como é o caso de
Silvio Tendler, Sylvio Back, Sérgio Rezende, dentre muitos outros. Os filmes
com temáticas históricas são ficções com características diferenciadas que, no
seu processo de produção, contam com uma etapa bastante relevante que é
a da pesquisa histórica. A partir de uma pesquisa de doutorado foi possível
analisar o papel ocupado por essa pesquisa em três produções cinematográficas
brasileiras e demonstrar a estreita relação entre os procedimentos de pesquisa
empreendidos e a abordagem histórica construída no filme. Além disso, foi
possível refletir sobre como essas abordagens podem ser analisadas como
construções historiográficas cujo diferencial em relação às pesquisas acadêmicas
é o suporte ou o resultado final. Nessa comunicação pretendo apresentar o
resultado dessa pesquisa de doutorado, defendida na Universidade Federal
Fluminense, em 2008, e refletir sobre a importância dos procedimentos
da pesquisa histórica na elaboração das abordagens cinematográficas.

O CINEMA COMO UM OPERADOR COGNITIVO
Bruno Sérgio Franklin de Farias Gomes (UFRN)

“O cinema como um operador cognitivo” expõe em forma de ensaio a
Comunicação como área de conhecimento e discute bases fenomenológicas
da produção de significado utilitário sobre o mundo. Desta perspectiva,
apresentamos uma reflexão tendo como referência o filme Quem quer ser um
milionário? (Slumdog Millionaire?) do diretor Danny Boyle como um acionador
para produção de conhecimento. A experiência vivida pelo personagem
A história e seus públicos

principal do longo Jamal Malik serve de apoio para seu sucesso num programa
televisivo cujos desafios consegue vencer um a um e tornar-se um milionário.
O filme e por consequência a trajetória do personagem central é o operador
capaz de demonstrar a estratégia de que o conhecimento experimental pode
ser transformado em conhecimento pertinente. A partir e várias observações,
demonstrarmos uma cartografia das respostas de Jamal no programa televisivo
como mecanismos chave de sua racionalidade, astúcia, aposta, sensibilidade
e jogo. Tal aposta serve de base para oferecer o argumento central de que só
existe conhecimento por meio da experiência vivida. Desta perspectiva o uso
do cinema nas Ciências Humanas é na Educação em particular, é mais que
um artifício ilustrativo. O cinema passa a ser defendido do ponto de vista das
ciências da complexidade. O texto é parte de uma dissertação de mestrado
defendida no Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais da Universidade
Federal do Rio Grande do Norte.

O INDECENTE ESPELHO: O CINEMA PORNOGRÁFICO
COMO FONTE DE CONTRA-ANÁLISES SOCIAIS

Ébano Nunes de Góis Vieira Santana (UESC)

O presente trabalho apresenta o cinema pornográfico como plausível fonte de
análise sobre diversos aspectos da sociedade. Para tal hipótese, foi estudada
a produção da década de 1970, apogeu do pornô e princípio de inúmeras
discussões relevantes sobre o gênero. Inicialmente, surge a problemática da
realização de uma análise social a partir do cinema como um todo. Tendo como
referência o historiador francês Marc Ferro (1924), é justificada a pertinência
das obras cinematográficas para o ofício do historiador. Em seguida, a
discussão acerca dessa capacidade de refletir aspectos humanos que tem o
cinema é levada para o específico gênero do pornô. Para melhor explanar as
dificuldades do cinema pornográfico em ser considerado como fonte plausível,
são apontados diversos fatores sociais e culturais que criam obstáculos para essa
categoria cinematográfica. Em seguida, é apresentada, de maneira sintética, a
trajetória do cinema do obsceno na década de 1970. Visto que o cinema pornô
(e a pornografia de uma maneira geral) ainda existe à margem do cinema dito
convencional, pode-se deduzir que raros são aqueles que conhecem, mesmo
que minimamente, seu percurso na História. Pontuando o caminho traçado
pelo pornô no período proposto no presente trabalho, é intencionada uma
compreensão acerca de seu potencial analítico.
Simpósio Internacional de História Pública

ST 14 – História nas fronteiras

Quarta-feira, 18 de julho, 14h às 16h

Local: Sala Nelson Werneck Sodré

Mediação: Lilian Starobinas (Escola Vera Cruz)

EXPERIMENTANDO A HISTÓRIA PÚBLICA
Marilene Rosa Nogueira da Silva (UERJ); Ana Lúcia Vieira (UERJ)
O Laboratório de Estudos das Diferenças e Desigualdades Sociais criado em
abril de 2001, está vinculado ao Curso de História da UERJ. Possui caráter
interinstitucional e interdisciplinar, voltado para a pesquisa das diferenciações
sociais. Exercitamos o diálogo constante entre vários especialistas na construção
dos objetos e no trato conceitual, ao longo dos tempos históricos e das
hierarquias sociais temporal e espacialmente diferenciadas.Problematizarmos
as características individuais utilizadas para a construção das diferenciações
sociais , destamos os traços diacríticos das hierarquizações sociais tais como:
classe e status, de ocupação no mercado de trabalho, de gênero, de geração,
as étnicas e a raciais, assim como as lingüísticas, as regionais e nacionais,
entre outras, que não apenas distinguem, mas hierarquizam, subordinam,
opõem e excluem pessoas, conformando suas atitudes e direcionando suas
vidas. Entendemos que as taxonomias não são neutras, encontrando-se na
relação saber poder em suas decorrentes construções de subjetividades.Um
experimento, eticamente voltado ao respeito às diferenças, contanto que isso
não implique a eliminação do direito à igualdade, ou seja, a prerrogativa das
pessoas serem tratadas como iguais em todas as esferas institucionais que afetam
suas oportunidades de vida, influindo no acesso aos bens e aos serviços sociais.
O LEDDES possui uma preocupação axiológica com a justiça social quando
a questão da igualdade, mais que uma constatação de sua possibilidade na
realidade vivida e estudada por nós, constitui um princípio pelo qual lutamos.
Portanto, a plataforma ética sobre a qual nossas pesquisas e a nossa intervenção
social assenta-se é a da luta pelos direitos humanos. Assim, propomos um
trabalho historiográfico em constante diálogo com a diversificada agenda de
movimentos e grupos que compõem a sociedade, estabelecendo um diálogo
com outros saberes, acadêmicos ou não. Esta inquietação nos aproxima da
noção de História Pública.

PARA ALÉM DA MEDIAÇÃO: INTERFACES ENTRE
EDUCAÇÃO E CURADORIA EM MUSEUS DE HISTÓRIA
A história e seus públicos

Denise Cristina Carminatti Peixoto Abeleira (MP-USP); Ludmila Dias de Paula
Lemos (MP-USP); Carolina Gomes Meneses Sevilha Castro (MP-USP)

Integrado à Universidade de São Paulo desde 1963, o Museu Paulista está
intimamente comprometido com as três diretrizes universitárias – pesquisa,
ensino e extensão – atuando na produção e difusão de conhecimento histórico,
do qual suas exposições são a principal via de divulgação.Nesse sentido, a ação
educativa do Museu estabelece um canal de comunicação direta com o público,
através de estratégias de mediação que fornecem chaves de acesso à apropriação
física e conceitual do acervo, catalisando sua percepção.Em posição privilegiada
no processo de apreensão das propostas curatoriais pelo público, e sensibilizado
quanto aos caminhos que a perpassam, o educador se torna um valioso aliado
na montagem de exposições. Sua participação traz à luz anseios e dificuldades
experimentados pelo visitante, contribuindo para que o novo módulo expositivo
atenda ao máximo suas necessidades – aliadas às dos curadores -, e aproxime-o
do conhecimento histórico produzido pela pesquisa acadêmica e veiculado pelo
Museu.Transitando entre essas duas frações do eixo curatorial, o educador
pode atuar como ponte entre elas, conciliando-as.Como estudo de caso, será
discutido o envolvimento do Serviço Educativo na montagem da exposição
“O Morar Paulistano”, com inauguração prevista para 2013; e as atividades
por ele desenvolvidas em articulação à curadoria e à museografia. Dentre elas,
citamos: a elaboração e aplicação de diversas pesquisas avaliativas, dando voz
ao visitante sobre suas expectativas, mapeando a recepção e a assimilação
da nova proposta; e a produção de núcleos de diálogo multissensoriais que
potencializem a experiência museal, compartilhada por diversos públicos.

NOVOS APONTAMENTOS PARA O FINGIR HISTORIOGRÁFICO:
OS ATOS DE FINGIR NO TEXTO HISTÓRICO

Warley Alves Gomes (UFMG)

Nesta apresentação procuro continuar uma discussão que venho fazendo sobre
a relação entre a ficção e a história. Trata-se de uma análise que se inclui dentro
das novas tendências téoricas de pensar os pontos em comum e as divergências
entre estes dois tipos de discurso. Particularmente neste trabalho, procuro
pensar a presença dos “atos de fingir”, anteriormente trabalhados por Wolfgang
Iser e Luiz Costa Lima na teoria do ficcional, no texto historiográfico.

O ESTUDO DE HISTÓRIA EM TEMPOS DE ABUNDÂNCIA DE
FONTES DIGITAIS: ALGUMAS CONSIDERAÇÕES

Lilian Starobinas (Escola Vera Cruz)
Simpósio Internacional de História Pública

O crescimento da disponibilidade, em meio digital, de acervos documentais
variados, coloca a nós, educadores, diante de questões importantes no que diz
respeito à metodologia de trabalho com o uso dessas fontes. Desde o surgimento
da internet, era grande a expectativa de facilitar o acesso a documentos, jornais,
imagens e áudios pertencentes aos acervos de instituições públicas, garantindo
a oportunidade de contato com esses recursos a um público muito mais
amplo que aquele que poderia dirigir-se pessoalmente às instalações de cada
instituição. À medida que amplia-se a quantidade de documentos disponíveis
para acesso via internet, o foco de atenção dos professores deve voltar-se para
a reflexão sobre as estratégias de inserção desses materiais em atividades que
promovam o estudo de diferentes situações históricas. O exercício de pesquisa,
seleção, leitura e reinserção desses materiais em novos produtos culturais, frutos
do processo de aprendizagem vivenciado por professores e alunos, entretanto,
demanda um fazer profissional apurado. A proposta desse artigo é discutir
questões conceituais que devem estar na base da orientação dessas práticas
educacionais, visando favorecer um contato reflexivo e aprofundado com o
conhecimento da História. Pretende-se igualmente discutir as perspectivas
de estratégias dialógicas de participação do leitor, buscando consolidar, nos
marcos educacionais, uma cultura da participação, dando sentido ao potencial
tecnológico oferecido pelos recursos digitais. Autores como Carlos Ginzburg,
Henry Jenkins, Kazumi Munakata , Rachel Goulart Barreto, Pierre Levy e
Roger Chartier são alguns dos nomes de referência para essas reflexões.

TEOLOGIA E HISTÓRIA: ATUAÇÃO DOS
TEÓLOGOS DA LIBERTAÇÃO NA DIVULGAÇÃO
DA HISTÓRIA PARA OS EXCLUÍDOS

ALFREDO CÉSAR DA VEIGA (USP)

Destaca a reconstituição histórica e estética do processo da arte político-religiosa
no Brasil de 1970 aos dias atuais. O período marca o nascimento, expansão,
recuo e sobrevivência da Teologia da Libertação, e junto com o discurso que
brota dessa reflexão, nasceu uma produção iconográfica própria e que escapa
daqueles modelos consagrados pela teologia tradicional. O negro, o índio, o
retirante nordestino, a mulher marginalizada, emprestam seus rostos à Virgem
Maria e a Jesus Cristo, a fim de reafirmar o nascimento de um homem novo que
surge dos escombros da colonização e da dependência política e econômica que
marcaram a América Latina. As figuras, os desenhos, os cartazes, as expressões
corporais, se transformaram em documentos que essa teologia produziu ao
longo das décadas e que aqui serão abordados.
A história e seus públicos

ST 15 – A história visitada

Quarta-feira, 18 de julho, 14h às 16h

Local: Sala Ilana Blaj

Mediação: Rosana Leite (Pinacoteca do Estado de São Paulo)

EXPOSIÇÃO, MUSEUS E SEU PÚBLICO: MODOS DE
REPRESENTAR A HISTÓRIA DA ARTE

Emerson Dionisio Gomes de Oliveira (UnB)

O presente trabalho problematiza o modo como exposições de arte difundem
valores de um dado senso comum da História da Arte para um público
“ideal”. Para tanto trabalhamos com mostras coletivas realizadas nos últimos
doze anos e que objetivaram um discurso expositivo voltada à sínteses da
História da Arte, tanto no âmbito das matrizes europeias, quanto no âmbito
brasileiro, com ambições nacionais ou regionais. Como elemento adicional à
escolha metodológica, adotamos mostras preocupadas com ações de mediação,
publicações de divulgação e projetos curatoriais e expográficos autorais
desenvolvidos em museus públicos. Neste tocante, problematizamos como
toda uma prática expológica representa diferentes versões da História da Arte.
Versões amparadas em noções aparentemente contrapontísticas como ruptura
e conservação. Noções que funcionam como operadores curatorais que muitas
vezes amparam-se em questões políticas extra-artísticas e projetos identitários
específicos. Do mesmo modo, ao questionar a Exposição como processos de
difusão da Historia da Arte, nos empenhamos em compreender projeções
discursivas do que venha ser o “público” da arte e os modelos de interação com

o mesmo. A exposição, nas últimas décadas, tem operado majoritariamente no
sentido de apresentar a um dado público ideias e artistas, por meio de mostras
individuais ou coletivas motivadas por afinidade entre aqueles que apresentam
suas obras ou patrocinadas pela cunha conceitual de curadores, de educadores
ou de gestores. Antes de provocar uma especulação generalista, o presente
trabalho procurou indicar, por meio de mostras específicas, como projetos
expositivos podem sustentar um convencional estatuto do artístico, que já é
questionado há décadas pelas pesquisas especializadas da História da Arte.
ARQUIVOS EM MUSEUS DE ARTE: DESAFIOS PARA A
IMPLEMENTAÇÃO DE UM MODELO DE TRABALHO
Simpósio Internacional de História Pública

Gustavo Aquino dos Reis (Pinacoteca do Estado de São Paulo); Rosana Leite
(Pinacoteca do Estado de São Paulo)

Arquivos, bibliotecas e instituições museológicas, independentemente de
suas normas metodológicas, são locais de guarda de uma determinada
documentação. Ou seja, eles são, a rigor, responsáveis pela preservação e
disseminação das informações contidas nos diferentes conjuntos documentais
existentes em seus acervos. Com base nas experiências desses espaços, o Centro
de Documentação da Pinacoteca do Estado de São Paulo – local de guarda
permanente dos documentos da instituição e de outras coleções e fundos
representativos da história das artes visuais brasileiras -, pretende apresentar
um estudo específico de caso. Tendo ciência de alguns problemas enfrentados
nos processos de descrição de seus arquivos pessoais, o Cedoc, com a ajuda
da consultoria prestada pela Profª. Dra. Ana Maria Camargo, iniciou um
projeto no intuito de estabelecer uma metodologia que pudesse promover o
preenchimento mais adequado das fichas cadastrais no banco de dados, visando
criar ferramentas que propiciassem aos pesquisadores melhores resultados das
informações busca. O universo de aplicação da metodologia foi direcionado,
a priori, para fundo documental da artista Niobe Xandó – doado ao Cedoc
recentemente -, por conta da variedade dos tipos documentais que o integram
e o seu tamanho (relativamente pequeno se comparado com os outros fundos
do acervo). A partir desses documentos, criou-se um vocabulário controlado
que, em vista do acréscimo contínuo de novos termos, fosse capaz de atender
grande parte das especificidades dos gêneros, suportes, formatos e espécies
documentais presentes no arquivo da artista. Embora em estágio inicial, alguns
resultados já foram alcançados. Por conta disso, esse trabalho visa à troca de
experiências com entidades congêneres; propondo discussões de teor prático
e teórico acerca da implementação de uma maneira alternativa e viável de
descrição e guarda de arquivos pessoais.

A FORMAÇÃO DA COLEÇÃO DE FOTOGRAFIAS OITOCENTISTAS
NO ACERVO DO MUSEU MARIANO PROCÓPIO

Rosane Carmanini Ferraz (UFJF/MAPRO)

A pesquisa tem como foco a identificação e análise das redes de sociabilidade
construídas pela Família Ferreira Lage – fundadora do Museu Mariano
Procópio (MMP)- Juiz de Fora (MG), na figura de Alfredo Ferreira Lage, que
contribuíram na formação da coleção de fotografias oitocentistas no acervo
deste museu. É fundamental, nesse sentido, compreender como seu deu a
formação desta coleção, sua trajetória, apontando os principais doadores,
possíveis critérios de organização das imagens em álbuns, os interesses e gostos
no que se refere ao colecionismo de fotografias no contexto do século XIX.
A história e seus públicos

Em outras coleções do MMP, a procedência através de aquisição em leilões
é bastante comum. Através da análise da documentação iconográfica e da
documentação escrita relativa à procedência do acervo, pode-se observar
que, na coleção de fotografias oitocentistas, a formação da coleção pode ter
acontecido de outras formas: a doação e especialmente o uso das imagens como
forma de estreitamento dos laços sociais entre as famílias abastadas no Brasil
da segunda metade do século XIX, além da atuação pública dos membros da
Família Ferreira Lage. As imagens da Coleção da Família Imperial Brasileira,
da Família Ferreira Lage e do Fundo da Viscondessa de Cavalcanti – prima do
fundador do MMP, são exemplos das características de formação deste acervo.
A pesquisa se insere na perspectiva da história social da fotografia, que tem
como principais autores de referência Boris Kossoy, Pedro Vasquez, Ana Maria
Mauad e Mariana Muaze. O estudo sobre a coleção de fotografias oitocentistas
no acervo do MMP busca contribuir para a compreensão da fotografia
oitocentista, do gosto e das características do colecionismo das famílias da
elite brasileira do século XIX.Pretende ainda contribuir com os estudos sobre
documentação iconográfica no Brasil, além de possibilitar a difusão deste
acervo e suscitar novos estudos contemplando essa documentação.

A IMAGEM COMO ESTÍMULO À LEITURA: EXPONDO MACHADO
DE ASSIS E CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE

Silvana Jeha

Esta apresentaçao pretende demonstrar a minha atuação como historiadora
em exposições sobre Machado de Assis e Carlos Drummond de Andrade
visando o interesse do grande público através de farta iconografia e objetos
emblemáticos.A intenção foi contextualizar as obras em seu tempo e estimular
a reflexão no espectador sobre a atualidade do que escreveram. Fotos das
exposições e reproduções dos documentos e objetos serão apresentadas.

MUSEU EFÊMERO
Lilian Amaral (Unesp)

Museu Efémero: narrativas artísticas contemporânea e património.Mobilização
de relações entre pessoas e bens culturais.Lilian Amaral. Instituto de Artes
/ Unesp [Brasil]. lilianamaral@uol.com.brResumoA presente investigação
opera com os conceitos de cartografias culturais – sensibilidade e tecnicidade
e complementada-se com noções de cartografia social. Propomo-nos a pensar

o mundo como um “museu” articulador do passado e do futuro, isto é, da
articulação entre memória a experimentação por meio da criatividade social,
ação coletiva e práticas artísticas; um museu “explorador” do que no passadohá

Simpósio Internacional de História Pública

de vozes excluídas, de alteridade e “resíduos”, de memórias esquecidas. Ao
estabelecermos uma aproximação entre museu e cidade, a cartografia social
e cultural pode se converter em lugar onde se encontrem e dialoguem as
múltiplas narrativas e diversas temporalidades do mundo. Museu Efémero
pretende investigar as memórias e conectar cidades em rede desenvolvendo
experimentação em contextos iberoamericanos.

ST 16 – Memória e instituições

Quarta-feira, 18 de julho, 18h30 às 20h30

Local: Sala Caio Prado Jr.

Mediação: Sérgio Ricardo Retroz (Memória Petrobras)

ACERVO AO ALCANCE DAS MÃOS: DIFUNDIR PARA RECONSTRUIR
Sérgio Ricardo Retroz (Memória Petrobras)

O Memória Petrobras foi criado em 2004, dando continuidade ao Projeto
Memória dos Trabalhadores Petrobras, criado em 2002. Nascido da parceria
com o Sindicato dos Petroleiros Unificado de São Paulo, tinha como premissa
contar a história da empresa e do país através da narrativa de seus trabalhadores
e parceiros, utilizando o apoio da pesquisa documental. Pretendemos colocar
em debate os conceitos que nortearam a construção do novo site do Memória
Petrobras. O espaço virtual visa reunir e difundir documentos importantes
para a história da companhia e do país, além dos registros de história oral
produzidos pelo programa. Embora seja um recorte institucional da história, o
site garante a pluralidade de leituras por utilizar depoimentos orais e permitir
a interatividade com o usuário.

CHÁS DA MEMÓRIA: REFLEXÕES SOBRE O FAZER
HISTÓRICO A PARTIR DE UMA EXPERIÊNCIA
DO ARQUIVO PÚBLICO DO DF

Cristiane de Assis Portela (Arquivo Público do DF)

O Arquivo Público do Distrito Federal – ArPDF possui um acervo composto
por documentos que retratam minuciosamente – por meio de fotografias,
filmes e diversificado material textual – a construção de Brasília e as ações
administrativas posteriores. Tendo como atribuições recolher, preservar,
A história e seus públicos

pesquisar e dar publicidade a tal documentação, este arquivo público produziu
durante grande parte de sua história uma narrativa que enfatizou a história
da nova capital a partir da identificação de marcos fundantes e personagens
a eles associados. Essa atuação foi relevante para a produção de uma história
institucional no DF, entretanto, compreendemos que o momento histórico que
hoje vivenciamos – demarcado pela passagem de mais de meio século da capital
e de tantas transformações no fazer histórico – exige que novas perspectivas se
apresentem. Nesse contexto, a realização de Chás da Memória nas cidades do
DF tem conferido uma nova dinâmica à atuação do ArPDF, descentralizando
informações históricas e compartilhando acervos públicos e pessoais de
forma a visibilizar atores históricos que protagonizaram o surgimento e
desenvolvimento dessas comunidades. Realizados em novo formato desde
junho de 2011, a experiência dos Chás da Memória demonstrou para nós a
possibilidade de desvelar aspectos negligenciados numa narrativa tornada
hegemônica. Essas atividades têm o propósito de divulgar o acervo do ArPDF
e estabelecer um primeiro contato formal com as comunidades, identificando
imagens do arquivo e verificando a existência de acervos pessoais de interesse
público. Destacamos como decorrência dos Chás da Memória um evidente
estímulo ao sentimento de pertencimento e à apropriação de elementos que
evidenciam a atuação dos moradores como sujeitos da história, apresentando
novas demandas ao trabalho do ArPDF. O relato de experiência aqui proposto,
busca compartilhar os desdobramentos dessa nova perspectiva assumida por
esta instituição, sinalizando a necessidade de trazer novas significações à
produção de uma história considerada oficial na contemporaneidade.

CENTRO HISTÓRICO DA SOCIEDADE BENEFICENTE
ISRAELITA BRASILEIRA ALBERT EINSTEIN

Naige Naara dos Reis Goncalves (SBIBAE)

O Centro Histórico da Sociedade Beneficente Israelita Brasileira Albert
Einstein foi criado em 2002, por iniciativa do presidente, Dr. Claudio Luiz
Lottenberg. Naquela ocasião, a Comissão Diretiva do Centro foi formada e é
presidida pelo Prof. Dr. Victor Schubsky e integrada pelos membros Prof. Dr.
Abraham Pfeferman, Prof. Dr. Eliova Zukerman, Prof. Dr. José Pinus, Prof. Dr.
Moris Chansky, Dr. Eduardo Zlotnik, Dr. Guido Faiwichow, Dr. Milton Glezer,
Dr. Sidney Klajner, Sra. Paulina R. Lerner e Sr. Paulo Kövesi.Responsável pela
análise, classificação e guarda dos documentos de valor histórico da SBIBAE,

o Centro Histórico possui acervo formado por mais de 80 mil documentos,
entre textos, fotos, filmes e depoimentos e está disponível para pesquisas através
do Sistema Acervo, com acesso local. Documentos relacionados à fundação
da SBIBAE, em 1955, à construção do Hospital Israelita Albert Einstein,
inaugurado em 1971, e seu desenvolvimento e consolidação no decorrer das

Simpósio Internacional de História Pública

décadas de 1980 a 2010, estão acondicionados em ambiente climatizado.
Periodicamente, são organizadas exposições históricas abertas ao público nas
quais é possível conferir parte desta valiosa documentação que, preservada,
serve de matéria-prima a pesquisadores de diversas áreas do conhecimento.
Para atendimento, a pesquisa e visita técnica, é necessário agendamento por
e-mail ou telefone.

REPENSANDO AS MEMÓRIAS COMO FONTES DE UMA
HISTÓRIA PÚBLICA – UMA VISÃO SOBRE MEMÓRIAS DO
MINISTÉRIO PÚBLICO DO RIO GRANDE DO SUL

Marcelo Vianna (PUC-RS)

Muitas instituições de caráter público apresentam – sob forma de uma
publicação ou até mesmo projetos e memoriais – a preocupação de contar
aos seus pares e ao grande público, sua história institucional. Trata-se de
uma forma particular de constituir uma História Pública, produzida para
constituir uma identidade de grupo e/ou reafirmar o papel institucional frente
à sociedade, mas que (voluntariamente ou não) serve como uma fonte aos
historiadores e pesquisadores interessados em constituir uma visão mais crítica
sobre a formação desses órgãos. Uma das formas escolhidas pelas instituições
está no uso de memórias de seus antigos membros, que corroboram para
construir uma visão homogênea e por isso mesmo, um tanto contraditória por
obscurecer eventuais conflitos nesses espaços. Intencionamos nos deter no caso
das memórias de antigos integrantes do Ministério Público do Rio Grande
do Sul dos anos 1940 a 1970 e as primeiras publicações da série “Histórias
de Vida do Ministério Público”. Pretendemos discutir as implicações dessas
fontes através de exemplos presentes nas memórias: desde aqueles escolhidos
para rememorar suas experiências até as formas de como rememoraram suas
experiências, pontuando assim um forte embate entre o discurso de unidade do
Ministério Público e as ausências e silêncios que o contradizem.

OS MUSEUS DA REGIÃO ADMINISTRATIVA DE RIBEIRÃO
PRETO: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA

Michelle Cartolano de Castro Silva (Museu da Imagem e do Som “José da Silva
Bueno”)

A presente comunicação tem como objetivo relatar a experiência como
Representante Regional dos Museus da Região Administrativa de Ribeirão
Preto pelo Sistema Estadual de Museus-SP. Num primeiro momento será
abordado os objetivos do SISEM e os trabalhos já realizados, para depois ser
apresentado um panorama dos museus dessa região, suas potencialidades e
A história e seus públicos

possíveis parcerias entre eles. O modelo de instituir representantes para cada
região do Estado de São Paulo foi feito pelo SISEM para auxiliar e dinamizar

o diálogo entre os museus e o Sistema Estadual de Museus. Essa otimização
acabou gerando mais interatividade entre os museus, democratização das
informações e maior participação nos cursos.
ST 17 – Olhares para o público

Quarta-feira, 18 de julho, 18h30 às 20h30

Local: Sala Nelson Werneck Sodré

Mediação: José Miguel Árias Neto (UEL)

CULTURA HISTÓRICA E EDUCAÇÃO PATRIMONIAL – MEMÓRIAS DO
NAZISMO: 70 ANOS DA EXPOSIÇÃO ENTARTETE KUNST

José Miguel Árias Neto (UEL); Regina Flora Egger Pazzanese (UEL); Gabriela
Canale Miola (UEL); Guilherme Baracat (UEL)

Abordar as relações entre cultura histórica e educação patrimonial é um
desafio, pois envolve uma gama complexa de questões. Estas dizem respeito à
definição de cultura histórica, patrimônio, educação patrimonial. Buscar-se-á
aqui, na medida do possível, articular algumas meditações sobre estes temas
a partir de experiência realizada no âmbito do Centro de Documentação e
Pesquisa Histórica da Universidade Estadual de Londrina, no ano de 2007,
intitulada: Memórias do Nazismo: 70 anos da Exposição Entartete Kunst (Arte
Degenerada).

CONSTRUINDO DIÁLOGOS: EM BUSCA DE CAMINHOS ALTERNATIVOS
PARA A HISTÓRIA NA NARRATIVA TELEVISIVA

Priscila de Oliveira Vaz (UFJF)

A pesquisa que se iniciou e que no presente momento engatinha nos trilhos da
História tem por objetivo investigar a influência da televisão para a disseminação
da História no meio público, o que engloba enquadrar a História para seus
diferentes públicos, estejam estes onde estiverem – na academia, nas escolas
primárias ou imersos na sociedade. O que se pretende investigar é como a
televisão tem sido uma ferramenta importante para a disseminação da História,
levando-se em conta também suas potencialidades positivas e negativas para
Simpósio Internacional de História Pública

tal perspectiva. Mas só a narrativa televisiva em si não torna o tema especial,
porém a apropriação da mesma e a criação de novas mentalidades a partir dela
sim. O que aqui se propõe é avaliar o grau de absorção dessa narrativa no meio
social, buscando averiguar o caráter da suposta manipulação contida nessa
mídia, como também os discursos trazidos a partir dessa para o meio social. O
estudo engajado das dimensões da narrativa televisiva pode corroborar para a
formação de novas visões do panorama dessa mídia para a História Pública nos
dias de hoje, levando talvez a uma demonstração de uma sociedade mais ativa
e dinâmica em suas relações com o conhecimento histórico. Além do mais, a
trajetória deste estudo pode ainda contribuir para uma melhor compreensão da
História e de seus objetivos em diferentes espaços sociais.

EDITORA UNIVERSITÁRIA: PARA QUAL PÚBLICO?
Jadir Peçanha Rostoldo (Cead/Ifes – ES)

As editoras universitárias estão vinculadas e instaladas no interior das
instituições de ensino superior, o que faz com que estejam impregnadas de
suas concepções, cultura e opções. A análise dessas editoras indica uma clara
opção pela divulgação das produções acadêmicas para o meio acadêmico, sob

o manto de “obras relevantes para os estudos universitários” e “trabalhos (…) a
contribuir para o enriquecimento do saber humano”, como divulgam a editora
da Unicamp e da USP, respectivamente, entre outras. A reflexão proposta
objetiva incentivar a discussão sobre o público dessas editoras, ou seja, ele pode
ser ampliado? A estrutura e a expertise dessas instituições podem representar
um importante aliado na divulgação e propagação da produção histórica
nacional, hoje com tão poucas opções. A comunidade externa as instituições de
ensino poderia fazer parte do nicho de mercado que pretendem atingir, onde
a publicação de textos de considerável consistência histórica teriam uma forma
leve, agradável, e em linguagem acessível ao grande público.
HISTÓRIA ORAL E CULTURA EDITORIAL
Ricardo Santhiago (USP/Fapesp)

A face essencialmente acadêmica da história oral feita no Brasil não impediu que
os intelectuais que utilizam tal método, ou que inserem nesse campo, ficassem
fora do mercado editorial brasileiro. Porém, historiadores orais poderiam
ocupar melhor o espaço editorial, em duas direções: tanto como uma forma de
escoar a produção acadêmica quanto como um âmbito de trabalho específico.
Nesta comunicação, integrada a um estudo maior sobre o desenvolvimento da
história oral no Brasil, discuto a trajetória e as potencialidades da relação entre
história oral e cultura editorial.
A história e seus públicos

O PÚBLICO DE SUA PRÓPRIA HISTÓRIA

Clarice Trindade Laender (Biografa – O livro da sua vida); Renato Pinto
Ribeiro (Biografa – O livro da sua vida)

A Biografa é uma empresa mineira que atua na difusão da história pessoal e
familiar como meio de preservação e ampliação da memória. O projeto, que
recebeu surpreendente acolhida do mercado e da sociedade, foi idealizado por
Renato Ribeiro: “Eu queria transformar a história no que ela sempre foi, mas
que estava oculto pela inconsciência, falta de tempo ou de recursos técnicos
para lhe render um olhar mais dedicado e afetuoso.” A Biografa conta em seus
títulos com histórias de famílias, patriarcas/matriarcas, casais, empresários,
instituições, cidades. São projetos sob demanda, em que a pesquisa e o
desenvolvimento dos livros têm público definido, determinando uma relação
absolutamente subjetiva do leitor com o conteúdo, uma vez que geralmente
existe vínculo afetivo com o personagem. Nossa experiência suscita questões
instigantes para uma discussão multidisciplinar: O caráter de homenagem do
livro histórico e o critério afetivo por trás da seleção do objeto historiado. (seja
este uma cidade, uma pessoa, um período histórico, sua escolha demonstra um
valor para o autor ou pesquisador); O cultivo dos sentimentos e da penetração
psicológica do historiador como elemento de competência de pesquisa; O que
é relevante para o público leitor e o que é relevante para o autor num livro
autobiográfico? Como ajustar o projeto editorial ao público definido?; Como o
relato de fatos revela o teor moral e a atmosfera de uma época; Qual fidelidade
deve ser dada ao texto biográfico, uma vez que a história está sendo contada
pelo viés de um ser individual e emocional?; O ghost writer nas autobiografias:
Como administrar sua identidade? (o fantasma pode aparecer?); “O livro
bonito” – a estética como fator de sobrevivência do conteúdo histórico.; O
objeto livro e seu a institucionalização da história no seio da humanidade -
Quem tem coragem de rasgar um livro? Ninguém.

ST 18 – A educação, sua história e seus agentes

Quarta-feira, 18 de julho, 18h30 às 20h30

Local: Sala Ilana Blaj

Mediação: Tamires Farias de Paiva (UERJ)
Simpósio Internacional de História Pública

HISTÓRIAS E MEMÓRIAS DA EDUCAÇÃO NA AMAZÔNIA ATRAVÉS
DE FOTOGRAFIAS: ENTRE O PÚBLICO E O PRIVADO

Leticia Souto Pantoja (UFPA); Rosana Daher dos Reis Daher (UFPA); Marielza
Ferreira Gonçalves (UFPA)

Como parte das ações do projeto extensionista “Histórias e memórias de
escolarização na região dos Caetés-Pará-Brasil”, desenvolvido com alunos
do curso de graduação em Pedagogia, no âmbito da disciplina curricular
História da Educação no Brasil e na Amazônia; este trabalho se dispôs
investigar novas possibilidades de pesquisa acerca da História da Educação
Paraense durante o século XX, com fulcro na análise de fontes não utilizadas
comumente nos estudos regionais desse campo do conhecimento. Através do
inventário, coleta, recuperação técnica, registro e análise do conteúdo de um
vasto acervo de fotografias públicas e privadas que albergavam memórias de
vida escolar, se procurou identificar alguns aspectos norteadores das práticas
educacionais predominantes na sociedade paraense de outrora. Isto porque,
tais manifestações subsidiaram a construção de experiências peculiares de
escolarização e o entretecimento de certas representações a respeito do lugar
social da educação escolar na região. Nesse sentido, três critérios orientaram
a busca e a coleta das imagens, a saber: fotografias contidas em documentos
oficiais produzidos pelos poderes públicos locais –estaduais e municipais
durante a primeira metade do século XX; fotografias produzidas por alunos
e seus conhecidos como parte de coleções privadas de álbuns de família;
imagens registradas por professores e outros profissionais envolvidos com

o sistema escolar regional. O acervo originado do montante de fotografias
coletadas foi organizado por eixos temáticos através dos quais foi possível
percorrer algumas questões políticas, culturais e simbólicas que perpassaram
a educação escolar paraense ao longo do século XX. Finalmente, a partir
desse material foi organizada uma exposição fotográfica itinerante intitulada
“Histórias e memórias da educação paraense através de imagens”, cuja
finalidade é percorrer diversas instituições de pesquisa de âmbito local, dentre
as quais se destacam universidades e escolas do sistema público paraense.
ENTRE MEMÓRIAS E ESQUECIMENTOS: HISTÓRIA DAS
INSTITUIÇÕES ESCOLARES DE JUIZ DE FORA

Paloma Rezende de Oliveira (PUC Rio)

Este projeto pretende voltar o olhar para a escola como um lugar de memória e
de pesquisa, ressaltando a importância da preservação do patrimônio histórico
e cultural, por meio da elaboração de um vídeo sobre as escolas centenárias de
Juiz de Fora, que servirá como recurso didático e de pesquisa para educandos
das escolas da rede pública de ensino do município.A partir de uma investigação
A história e seus públicos

documental iniciada em dissertação de mestrado em educação, defendida em
2009, pela Universidade Federal de Juiz de Fora, objetiva localizar e mapear
os diferentes documentos que apresentam sujeitos, memórias e objetos destas
antigas escolas, num movimento que busca dar visibilidade a estas instituições
educativas, muitas vezes esquecidas.A produção de um vídeo possibilita
tanto uma reflexão nos modos de seu fazer pelos educandos e educadores da
rede pública de ensino, na medida em que se tornou um rico veículo para a
ampliação das pesquisas arquivísticas. Daremos ênfase, sobretudo, aos usos
pelas escolas públicas, além da divulgação das pesquisas para um público mais
amplo, respeitando o princípio da universalidade do conhecimento e do direito
ao acesso aos bens culturais. Para a realização do vídeo, será de grande valor
a diversidade de fontes coletadas, dentre as quais, as coleções de fotografias
sobre as escolas em seus múltiplos aspectos: institucionalidade, cotidiano,
público antendido, arquitetura, dentre outros, e os documentos escritos sobre
a fundação das escolas, disponibilizados nos Arquivos da Biblioteca Murilo
Mendes, Arquivo Público de Juiz de Fora e Arquivo da Igreja de Nossa Senhora
da Glória.

CONSTRUINDO A EDUCAÇÃO DE SEROPÉDICA A
PARTIR DA MEMÓRIA DAS PROFESSORAS

Maria Angélica da Gama Cabral Coutinho (UFFRJ), Kátia Strottmann Stanieski
Graebin (UFFRJ), Camila Pugialli (UFFRJ)

O presente trabalho pretende compreender o perfil do docente da rede
pública de ensino do município de Seropédica, em seus diferentes aspectos, e
está inserido em um projeto de pesquisa mais amplo que investiga a História
da Educação dessa cidade e sua relação com a Universidade Federal Rural
do Rio de Janeiro. O estudo sobre a professora municipal abrange desde a
sua formação inicial, até as instituições em que a titulação ocorreu – pública
ou privada. Foi examinado, ainda, o papel das escolas no incentivo ao
aperfeiçoamento docente, favorecendo a formação continuada; a memória dos
professores acerca de sua infância escolar, as condições de trabalho, nas escolas
e nas salas de aula, elementos fundamentais para o pleno exercício da docência.
Para a caracterização docente fez-se necessário a apresentação da região na
atualidade, incluindo um breve histórico desse território, desde os primeiros
primórdios de sua ocupação. A História Oral foi a metodologia utilizada
para o exame do trabalho docente. A História Oral permite ao pesquisador a
construção de documentos. Estes documentos funcionam como fonte para a
pesquisa daquelas vivências do cotidiano que não são retratadas em documentos
escritos. Através dos testemunhos de professores, sob a forma de entrevistas,
pode-se compreender a realidade educacional do município em questão.
Simpósio Internacional de História Pública

OFÍCIO DE MESTRES, LENTE DE MÉDICOS: MAGISTÉRIO, PEDAGOGIA
E HIGIENE ESCOLAR EM INÍCIO DO SÉCULO XX

Tamires Farias de Paiva (UERJ)

Inserido no campo de estudos da história da educação, este trabalho se trata
de um dos resultados da pesquisa em desenvolvimento no mestrado, cuja
problemática está centrada na interferência dos discursos médico-higiênicos na
formação do professor das classes primárias e na conformação de representações
da prática docente na cidade do Rio de Janeiro, em início do século XX.
Para darmos tratamento a esta problemática, em uma perspectiva histórica,
investimos nas possibilidades investigativas do impresso escolar e elencamos,
neste grupo, os compêndios escolares de higiene que foram endereçados aos
professores primários em formação. Em um período em que a ordem era
civilizar e aperfeiçoar a raça brasileira (D’AVILA, 2005), os compêndios de
higiene se constituíram como dispositivos – ao lado de cartazes e outros tipos
de impresso – que visavam à conformação, por um lado, de um fazer docente
harmonizado com as exigências sanitárias daquele momento e, por outro, de
uma escola primária que resguardava “vidas em botão”, cuja saúde necessitava
ser enrijecida, pois dela acreditava-se promanar uma mocidade vigorosa.
Notáveis dispositivos escolares, estes compêndios deveriam cumprir a função de
difusores dos ideais higienistas entre a população em processo de escolarização.
Dessa forma, o exame destes objetos dá à vista não somente um corpo de
doutrinas que tem a higiene como seu referencial, mas oferecem elementos para
tornar pensáveis a pedagogia, a escola e os modos como dispositivos próprios
a esta última – como os compêndios escolares– serviram para a conformação
de modelos de práticas educativas, ainda que se tenha de levar em conta os
limites entre usos prescritos e usos efetivos destes artefatos escolares, como nos
lembram Marta Carvalho e Maria Rita Toledo (2007).

HISTÓRIA ORAL, A ESCRITA E A LEITURA DE SI COMO INSTRUMENTOS
DE SUBJETIVAÇÃO DE EDUCADORES E ARTISTAS

Renata Sieiro Fernandes (Unisal)

Este relato oral origina-se de uma pesquisa que baseia-se no pensamento
de Larossa e de Foucault e nos conceitos de dispositivos de subjetivação
denominados “tecnologias” do eu e de “estética de si”. O foco é conhecer pela
metodologia da História Oral e por meio da coleta de depoimentos orais e dos
registros do cotidiano, de fazeres e de saberes de educadores que atuam no
campo da educação não formal e de artistas em seus registros (do tipo livros,
anotações, portfólios, cadernos de artista etc), lugares de memória – se e como
ocorrem os processos de subjetivação, pois que trabalho e vida se entrecruzam
nesses dois casos. O trabalho sobre si constitui-se como instrumento de
A história e seus públicos

pensamento sobre si para que os sujeitos se apropriem de suas experiências
e construam “estéticas de si”. Ao se escreverem e se inscreverem em suas
narrativas por meio de palavras ou grafismos ou imagens, se dão a ler a si
mesmos e aos outros sujeitos.

ST 19 – O passado (re)visitado

Quinta-feira, 19 de julho, 14h às 16h

Local: Sala Caio Prado Jr.

Mediação: Marlene Almeida de Ataide (Unisa)

O PASSADO (RE)VISITADO: MEMÓRIAS DE
MORADORES DO BAIRRO DO CAMBUCI – SP

Marlene Almeida de Ataide (Unisa)

O presente trabalho tem como objetivo apresentar os resultados parciais de
uma pesquisa que tem como sujeitos sociais moradores do bairro do Cambuci,
São Paulo – Capital. A pesquisa de natureza qualitativa pressupõe que por
intermédio das memórias os sujeitos reconstroem as lembranças marcantes
de uma determinada época: a organização e luta política nos movimentos
sociais que foram se engendrando para as melhorias do bairro; as relações
sociais e interpessoais estabelecidas num bairro tão antigo que se confunde
com a cidade de São Paulo, e ainda, o que significa a Igreja de Nossa
Senhora da Glória e a Capela de Nossa Senhora de Lourdes, patrimônios
históricos do bairro e que foram tombadas em 2006. Nesta perspectiva se fez
premente discutir alguns conceitos/definições de história oral e da memória
a partir de autores consagrados que se detêm a esse tipo de estudo e uso de
metodologia para compreender como estes autores vão tecendo as suas teorias.
A história oral na contemporaneidade vem assumindo um lugar de destaque
e se legitimando no âmbito das ciências humanas e sociais enquanto campo
fértil que tem se utiliza das pesquisas de abordagem qualitativa. Enquanto
uma metodologia ou técnica de pesquisa atinge os mais variados sujeitos ou,
instituições sociais na busca do resgates das memórias individuais ou coletivas.
Simpósio Internacional de História Pública

O DESENRAIZAMENTO E A MEMÓRIA NAS PRÁTICAS,
AÇÕES E REPRESENTAÇÕES DO MOVIMENTO DOS
TRABALHADORES RURAIS SEM TERRA – MST

Ana Maria Augusta da Silva (UERJ)

Pretendemos refletir acerca da cultura política que o Movimento dos
Trabalhadores Rurais Sem Terra – MST tentam efetivar a partir da construção
de sua memória social e de seus enfrentamentos políticos que podem ou não ser
geradores de um enraizamento social, político e cultural na implementação de
sentidos compartilhados. Observamos a forma pela qual as vivências dos sem-
terra são interpretadas e traduzidas numa cultura comum que busca a efetivação
de um espaço público democrático. Estas categorias pensadas na sua dimensão
de imbricação e de análise estabelecem uma urdidura cujos fios de reflexão
são tecidos com a contribuição de autores como Walter Benjamin, Castoriadis
e Hannah Arendt que se debruçam sobre a memória e suas representações.
Por outro lado, Florestan Fernandes, José de Souza Martins e Otávio Ianni
apontam na luta pela terra a sua dimensão política e social. Essa disputa pela
memória aponta para a necessidade de uma revisão do passado, uma autocrítica
pretérita que permita um mudança política de inserção de cidadãos
marginais ou subcidadãos até então e de suas memórias. Porém, essa revisão
guarda uma acomodação estrutural entre a memória oficial e as memórias
subterrâneas. A conclusão que chegamos parece apontar para a construção de
uma cultura comum contraditória que se por um lado, gera o enraizamento
social, por outro, desenraiza seja pelas relações sociais e estruturais neoliberais,
seja pelas condições em que se efetiva essa cultura política não livre de disputas
e interesses outros internos e ou externos.

ANDANDO NOS TRILHOS “RESISTÊNCIA OPERÁRIA
E A FORMAÇÃO DOS TRABALHADORES NA COMPANHIA
PAULISTA DE TRENS EM JUNDIAÍ (1931 – 1942)”

Jean Marcel Caum Camoleze (PUC-SP)

Ao estudar A Formação da Classe Operária Inglesa do historiador Thompson,

E.P. aprendi sobre a diversidade da formação operária e sua concretização
ativa para o desenvolvimento da Sociedade. Como aluno do Serviço Nacional
de Aprendizagem (SENAI) da cidade de Jundiaí, reconheci que também
participei da formação operária da minha região, sendo fato que me trouxe
grande interesse pelo assunto. Com graduação em História e grande empenho
na pesquisa de História do Trabalho comecei a aprofundar-me no assunto.
Fator que me levou aos estudos no Museu Ferroviário de Jundiaí, onde descobri
uma importante resistência dos trabalhadores na Companhia Paulista de Trens

A história e seus públicos

(CP) e o surgimento dos Centros Ferroviários de Ensino e Seleção Profissional
(CFESP), que serviu com um contra ponta a luta dos trabalhadores e um
“modelo” para a fundação do SENAI, colaborando para a formação da classe
operária ferroviária de Jundiaí.Visando à importância da constituição operária
nas ferrovias e sua contribuição para a história do operariado brasileira, a
pesquisa se desenvolve sobre a formação e a consolidação do operariado
nas ferrovias, analisando ações dos trabalhadores, dos patrões e membro
governamentais do Brasil de 1931, ano da criação da Lei de Sindicalização a
1942, ano que se encerram as atividades dos CFESP. Neste âmbito, busco um
grande aperfeiçoamento, por meio da pesquisa e dos estudos, sobre a formação
da classe operária e sua especificação, por meio da relação entre educação e
trabalho e suas manifestações.

MAQUINARIA DE GUERRA
Priscila de Oliveira Xavier Scudder (UFMT); Silas Borges Monteiro (UFMT)
A partir da convivência com prisioneiros confinados na Penitenciária Central do
Estado de Mato Grosso, de suas narrativas, de meu ofício como agente prisional
e como pesquisadora, das obras de Friedrich W. Nietzsche, tencionamos
(eu, os prisioneiros e Nietzsche), levar a público a história do Sistema
Prisional de Mato Grosso a partir de uma perspectiva há muito silenciada:
a dos encarcerados. O funcionamento desta maquinaria degenerescente e de
adoecimento da vida, pode ser percebido, entre outras coisas, nas inscrições
nos corpos destes homens apressadamente nomeados como monstruosos. É

o direito, a medicina, a psiquiatria, os dispositivos punitivos que se inscrevem
nestes corpos e compõem sobre ele um poder-saber, que ao arrogar-se do status
de ciência proferem uma verdade, uma sentença, dizem quem é o homem
que constrói sua existência no território do isolamento, sem contudo ouví-lo.
Lançando mão das obras do filósofo alemão como ferramenta para pensar a
prisão, invadindo alas, celas e pavilhões, apurando os ouvidos para a algazarra
da vida dos prisioneiros, procuramos problematizar a vida que se expande e
afirma sua vontade de potência entre muros, que entende a morte como espaço
de descanso e reposição da força, que é sempre reativa e resistente ao poder
da maquinaria de guerra, que desvenda labirintos, abre frestas, escava linhas
de fuga na incansável luta para fazer a guerra. Tornar pública esta perspectiva
sobre a prisão e sua gente, permite que os discursos unilaterais comecem a ser
postos sob suspeita, que não incorramos no erro já apontado por Nietzsche,
qual seja, o de tratarmos os criminosos como patifes e não o percebermos
como alguém de quem se pode extrair um ensinamento, com quem é possível
construir um objeto de experiência, e a quem devemos dar a possibilidade de
lutar.

Simpósio Internacional de História Pública

MULHERES PÚBLICAS LEVADAS Á PÚBLICO: PANELEIRAS DE GOIABEIRAS
Xenia Salvetti (USP)

O artigo analisa a história cotidiana das mulheres Paneleiras de Goiabeiras em
Vitória contata por elas por meio de pesquisa em forma de vídeo documentário,
contribuindo no estudo de novos caminhos do fazer e apresentar pesquisas
sobre mulheres públicas.Para tanto a pesquisa tomou como eixo de referência
dentre a historiografia feminista os estudos de Michele Pierrot sobre o lugar das
mulheres no espaço público Segundo a historiadora, volume e a natureza das
fontes das mulheres e sobre as mulheres variam consequentemente ao longo
do tempo. Por isso longe de ser fruto do acaso, a constituição do Arquivo, da
mesma forma que a constituição ainda mais sutil da memória, é o resultado de
uma sedimentação seletiva produzida pelas relações de força e pelos sistemas
de valor e o mesmo ocorre no que concerne à narrativa histórica. A partir das
considerações de Michele Pierrot sobre a importância que deve ser dada as
variações das fontes das mulheres e sobre as mulheres, artigo analisa o percurso
metodológico adotado para o registro da história das mulheres Paneleiras de
Goiabeiras e seus resultados por meio da gravação em vídeo e produção de vídeo
documentário. Neste percurso foram analisadas as metodologias quantitativas
e qualitativas utilizadas. Considerando a problemática do testemunho oral,
a pesquisadora foi inquirindo por novos fatos, esclarecendo alguns episódios
e passagens obscuras, estimulando as narradoras a seguir seus relatos,
respeitando os sentimentos aflorados com a memória.Através de suas memórias
estas mulheres relataram suas iniciações ao ofício, momentos de interrupção
para outras formas de ganho, como merendeiras, aulixiares em creches escolas,
relações amorosas, construção emanutenção de redes informações de apoio,
retornando ao ofício das panelas após obtenção da aposentadoria, revelando-se
sábias habilidosas as oportunidades, brechas de trabalho nos vários ciclos de
suas vidas.

ST 20 – Canais digitais da história

Quinta-feira, 19 de julho, 14h às 16h

Local: Sala Nelson Werneck Sodré

Mediação: Pedro Eurico Rodrigues (Colégio da Lagoa)
A história e seus públicos

A AVENTURA DO DOCUMENTO: A HISTÓRIA EM BLOG,
OFICINAS, JOGOS E ROTEIROS DE CAMINHADAS

Janice Gonçalves (UESC)

Desenvolvido desde 2004, o projeto de extensão “A Aventura do Documento”
objetiva propor formas e procedimentos de utilização de documentos no
ensino de História, valorizando acervos custodiados por instituições públicas
(arquivos, museus, centros de documentação) e discutindo seu papel na
preservação do patrimônio cultural. As propostas de utilização dos documentos
são traduzidas em caixas pedagógicas contendo reproduções e transcrições de
documentos ou “originais” (no caso de documentos que nascem múltiplos,
como cartazes, folhetos de divulgação etc.). Acompanhando os documentos das
caixas, há textos que informam sobre seu contexto e sugerem atividades em
sala de aula. Os materiais das caixas pedagógicas são disponibilizados: a) em
forma impressa, através de empréstimo; b) em arquivos eletrônicos gravados em
CDs (se fornecidos pelos interessados); c) em arquivos eletrônicos disponíveis
no sítio eletrônico do Laboratório de Patrimônio Cultural. Os professores das
escolas da rede pública que utilizam o material posteriormente informam sobre
os aspectos positivos e negativos observados em sua utilização, oferecendo
sugestões de aperfeiçoamento. Em 2008, também passaram a ser produzidos
jogos; partir de 2009, roteiros para caminhadas de registro fotográfico em
espaços urbanos; em 2010, textos de discussão das relações entre História e
Cinema. Em 2011, foi elaborado o blog do projeto (aventuradodocumento.
blogspot.com). A apresentação pretende destacar não só as atividades
desenvolvidas como problemas e desafios vividos em sua realização.

“CADA MERGULHO É UM FLASH”: MEMÓRIA DO EU
ATRAVÉS DE ÁLBUNS DO ORKUT (2004-2010)

Pedro Eurico Rodrigues (Colégio da Lagoa)

Retirado da Dissertação de Mestrado “Do On-line para Off-line:Sociabilidade
e Cultura Escrita proporcionadas pela Internet no Brasil do Século XXI (20012010)
defendida no programa de Pós-Graduação em História da Universidade
do Estado de Santa Catarina (PPGH-Udesc) a presente comunicação aborda
as construções de si na Internet através dos álbuns da Rede Social Orkut
(2004-2010). De modo que a popularização das Redes sociais na Internet veio
ao encontro com o acesso as câmeras fotográficas digitais resultando em um
“boom de fotográfico” um “boom da memória” (NORA, 1993) nunca antes
experimentado. Tal procedimento forneceu elementos para abordar aspectos
da amizade no século XXI que caracterizam outras formas de sociabilidade
no Tempo Presente. Nesta rede social – Orkut – foi possível trabalhar as formas
de construção de si e formas de musealização (HUYSSEN, 2000) do passado
Simpósio Internacional de História Pública

a partir da escrita de algumas mulheres participantes e que foram dadas a ler
por meio dos seus álbuns e seus depoimentos disponíveis em forma digital.
A interpretação desse material escrito e fotografado, disponível no Orkut,
permitiu aproximações para pensar sobre o ato e as motivações para se
relacionar entre si e para guardar/salvaguardar os materiais produzidos, nessa
forma de suporte digital. Nesta perspectiva são analisados dois perfis de duas
mulheres com mais de 50 anos de idade que possuem cada uma mais de 3 mil
fotos, e através das fotos, narram cenas dos seus cotidianos, tais como festas,
encontros e trajetórias, assim fazem com que suas vidas tornem-se públicas
(Super Exposta como aborda Paul Virilio 1993), permitindo que todos os seus
contatos vejam parte da sua construção de si na contemporaneidade.

O HÉLIO
Pedro Paulo Rosa (Unirio)
Este canal virtual, com mais de 15 mil visitantes cativos, pretende ser um ponto
de encontro, mobilização e debate no sentido de ampliar os avanços na área
da promoção da cultura e conhecimento brasileiro. O Blog recebe pessoas
iniciantes ou já consagradas no meio em que atuam. Os posts são atualizados
de 15 em 15 dias.

CARTOGRAFIA DIGITAL

Júlia Faria (UFMG), Luiz Guimarães Souza (UFMG) e Regina Helena Alves
da Silva (UFMG)

O programa “Cartografia Digital” explora o mapeamento do espaço
urbano tomando-o como lugar de convergência de sentidos, e gerando novas
perspectivas sobre o espaço, práticas sociais, território, sociabilidade, circuitos
comunicativos e patrimônio cultural. Enxergando o educando como cidadão,
“ser ativo” no processo de pensar e (re)construir a história, o objetivo é trabalhar
em conjunto a percepção – tanto dos licenciandos quando dos próprios
educandos – de tal espaço, assim como a utilização crítica de documentos e
fontes históricas, re-significando as noções de “Patrimônio”, “Sujeito Histórico”
e “Fonte Histórica” no processo de formação do historiador, e do ensino de
história. Como propõe o Simpósio, ressaltamos os aspectos da “ampliação dos
horizontes de atuação para o historiador” e da “exploração de novos modos
de fazer história”, concretizadas durante o projeto principalmente a partir das
tecnologias de informação e comunicação utilizadas no processo de ensino/
aprendizagem, e da aproximação da realidade palpável do ensino público

- entre possibilidades e limitações. Deste modo, a partir da articulação entre
um centro de documentação pública (Arquivo Público da Cidade de BH -

A história e seus públicos

APCBH), a Fundação Municipal de Cultura, os Centros Culturais (integrantes
do poder público, mas fortemente relacionados com iniciativas comunitárias
voltadas para memória, cultura e patrimônio locais) e a extensão universitária,
privilegiou-se a formação de historiadores cada vez mais preparados para lidar
com (e problematizar) o dinamismo da profissão e do próprio conhecimento
histórico.O Projeto Cartografia Digital foi uma parceria entre o Centro de
Convergencia de Novas Midias da UFMG, a Fundação Municipal de Cultura de
BH, os Centros Culturais e Escolas Municipais, e foi aprovado pelo Programa
de Extensão Universitária do Ministério da Educação 2011.

TROMBAS E FORMOSO: MEMÓRIAS DE UMA LUTA

Maiara Dourado (UFGO), Gabriela Marques (UFGO), Ana Lúcia Nunes
(UFGO), Tatiane de Assis (UFGO), Ícaro Batista (UFGO)

O “Memorial da Revolta de Trombas e Formoso” apresenta uma tentativa
de reconstrução e valorização da memória coletiva da Revolta de Trombas e
Formoso. A movimento camponês ocorreu em meados dos anos 50 na região
norte de Goiás e foi cenário de uma das maiores disputas por terra do Estado.
O Memorial se configura em uma plataforma multimeios, disponibilizando,
fotos, documentos, um filme-documentário, artigos e links referentes a questão
camponesa e ainda uma linha do tempo e pequenas biografias dos principais
personagens/participantes da Revolta. A proposta da plataforma é tornar
acessível todo o material encontrado e produzido de forma que a história do
povo da região de Trombas e Formoso seja lembrada como a história de um
povo vitorioso e que desenvolveu uma das mais importantes lutas camponesas
do Brasil.Memorial: http://www.trombaseformoso.org/

ST 21 – Acervos e centros de memória

Quinta-feira, 19 de julho, 14h às 16h

Local: Sala Ilana Blaj

Mediação: Cibele Barbosa (Fundação Joaquim Nabuco)

ARQUIVO E MEMÓRIA NO CENTRO-SUL DO PARANÁ: A
EXPERIÊNCIA DO CEDOC/UNICENTRO/CAMPUS DE IRATI

Hélio Sochodolak (UFPR); Neli Maria Teleginski (UFPR)

Em 2004 foi criado na Universidade Estadual do Centro-Oeste (UNICENTRO/I)
Simpósio Internacional de História Pública

o Centro de Memória e Apoio à Pesquisa – CEMODAP, a partir de iniciativas
do “Programa de Intercâmbio Internacional Brasil/Ucrânia” com o objetivo de
preservar documentos relacionados à imigração ucraniana na região centro-
sul do Paraná. Em 2007 o centro foi incorporado à estrutura da universidade
passando a ser denominado CEDOC – Centro de Documentação e Memória.
A partir de então, ganhou maior abrangência, voltando-se à preservação de
documentação relacionada à memória e história regional, tendo como meta de
longo prazo alcançar os 9 municípios que compõem a região centro-sul, área
de atuação do Campus de Irati. Em 2011 o CEDOC ganhou novas instalações
passando a se estruturar para atender a comunidade universitária e demais
interessados de maneira adequada. Entre as ações desenvolvidas pelo centro
atualmente estão a construção de um site para divulgação do acervo sob sua
guarda, a atuação como espaço de formação dos graduandos em História
através da realização de estágios e oficinas e o desenvolvimento de projetos de
extensão, como o Projeto Mnemosine. Esse projeto, criado em 2012 em caráter
permanente, tem como objetivo complementar a formação de historiadores e
profissionais que atuam em instituições voltadas à organização e conservação
de documentos de valor histórico, contribuindo também para a atualização
técnica e para a própria gestão do acervo do CEDOC. Dessa forma, além de
captar, tratar, organizar, preservar, gerenciar e tornar acessíveis os fundos
documentais, o CEDOC busca desenvolver habilidades no tratamento
adequado dos documentos através do conhecimento e utilização das normas
técnicas vigentes, estimulando também o interesse sobre a importância dos
documentos e a necessidade de sua preservação, especialmente em arquivos
históricos universitários como o CEDOC. O objetivo dessa comunicação é
compartilhar a atuação de historiadores que compõem a estrutura do CEDOC/
UNICENTRO, Campus de Irati/PR e discutir as relações da História com a
preservação da memória, cultura e patrimônios regionais.
MEMÓRIA PRESERVADA: O CENTRO DE MEMÓRIA E DE
PESQUISA HISTÓRICA DA PUC MINAS -CONSERVAÇÃO,
PRESERVAÇÃO E DISSEMINAÇÃO DA INFORMAÇÃO

Leandro Pereira de Abreu (PUC Minas) e Rafael Pacheco Mourão (PUC
Minas)

A questão da memória é hoje percebida nos meios acadêmicos e universitários
como indispensável para construção de identidades e conquista da cidadania.
Conhecer o passado e recuperar trajetórias, de grupos, sociedades e instituições,
das origens até o tempo presente é um compromisso social das instituições.
Seguindo estes preceitos o Centro de Memória de Pesquisa Histórica da
PUC Minas, criado em 1989, abriga os acervos composto por documentos
institucionais gerados a partir de 1942, relativos às faculdades que deram
A história e seus públicos

origem à Universidade Católica de Minas Gerais e por fundos privados, tais
como: do Diretório Central dos Estudantes e de três renomados professores,
Prof. Arduíno Bolívar, Prof. João Camillo de Oliveira Torres e Pe Alberto
Antoniazzi. O CMPH tem como objetivo organizar e implementar ações de
fomento à pesquisa histórica contribuindo para a divulgação e a socialização
do conhecimento adquirido enfatizando a importância da preservação
documental, conservação e acesso à informação. Hoje, o CMPH ocupa um papel
de destaque na gestão documental da PUC Minas, contribuindo, nesse sentido,
para a formação da identidade universitária. Além disso, promove parcerias de
cooperações técnicas com Tribunal Regional do Trabalho, Instituto Inhotim,
Rede Memória das Instituições de Minas Gerais (REMIG) O CMPH atua
como consultor do programa Sistema Eletrônico de Editoração de Revistas
(SEER) na região sudeste em conjunto com Universidade de São Paulo. O
SEER integra o Projeto de Cooperação Técnica entre o Governo Brasileiro
e a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura
(UNESCO), sendo responsabilidade do Instituto Brasileiro de Informação em
Ciência e Tecnologia (IBICT). Em junho de 2009, recebeu justo reconhecimento
da sua atuação, pelo MEC, na avaliação institucional sobre a Universidade.
Assim sendo, pretendemos divulgar o trabalho de organização arquivística, os
projetos desenvolvidos e a produção do conhecimento realizados pelo CMPH.

O PERCURSO INICIAL DO CENTRO DE MEMÓRIA DA EDUCAÇÃO FÍSICA,
ESPORTE E LAZER DO IFSULDEMINAS – CAMPUS MUZAMBINHO

Mateus Camargo Pereira (IFSULDEMINAS); Lena Pacheco dos Santos
(IFSULDEMINAS); Susany Cristiny Hipólito da Silva (IFSULDEMINAS);
Amanda Souza de Oliveira Gonçalves (IFSULDEMINAS)

Este resumo objetiva apresentar o percurso inicial do Centro de Memória da
Educação Física, Esporte e Lazer do IFSULDEMINAS – campus Muzambinho
(CEMEFEL/IFSULDEMINAS – campus Muzambinho), fundado em 2010. O
espaço propõe-se a preservar, organizar e divulgar os documentos diversos (livros
de ata, de ponto, documentos administrativos, contábeis, fotografias, slides,
vídeos, livros, avaliações, diários de classe etc) acerca do mundo da educação
física em Muzambinho e região do Sul de Minas Gerais, especialmente a partir
da década de 1970 em diante. A documentação no arquivo tem como marco
inicial a fundação da Escola Superior de Educação Física de Muzambinho
(ESEFM), criada em 1971 a partir da Fundação Educacional de Muzambinho
(FEM) e federalizada em 2010, quando passa a compôr o Instituto Federal do
Sul de Minas – campus Muzambinho. Desde então, temos envidado esforços
no sentido de estabelecer uma metodologia de organização documental
baseado nas Normas Brasileiras de Documentação (NOBRADE), bem como
na divulgação dos documentos existentes e fontes orais, por meio de link na
Simpósio Internacional de História Pública

internet (www.ifsuldeminas.edu.br/centrodememoria). Primeira instituição
do gênero em Institutos Federais, o CEMEFEL/IFSULDEMINAS busca
contribuir para a construção de conhecimento histórico acerca das práticas
associadas à educação física, compondo o quadro explicativo do percurso da
educação física no Sul de Minas Gerais. Além disso, dá voz a diversos sujeitos
históricos que ajudaram a construir a instituição que durante 40 anos formou
cerca de 2000 professores. Foi a 2ª faculdade de Minas Gerais e a 8ª do Brasil
numa cidade que sempre contou com aproximadamente 20 mil habitantes.

A FUNDAÇÃO JOAQUIM NABUCO E OS ACERVOS HISTÓRICOS:
UMA CONTRIBUIÇÃO PARA A EDUCAÇÃO

Cibele Barbosa (Fundação Joaquim Nabuco)

O Centro de Documentação e Estudos da História Brasileira Rodrigo Mello
Franco de Andrade-Cehibra apresenta em sua história uma contribuição
significativa para a memória Nacional,e em especial do Nordeste, ao conservar
em seus acervos mais de quinhentos mil documentos de tipologias diversas. A
presente comunicação pretende analisar a história desse centro e o seu papel
para a educação a cidadania na contemporaneidade.

O DESENVOLVIMENTO DO “MERCADO DA MEMÓRIA” ATRAVÉS DO
CASO DO INSTITUTO FERNANDO HENRIQUE CARDOSO

Raphael de Souza Novaes (USP/Grifo)

Esta pesquisa deslindará alguns aspectos do trabalho no iFHC, como: fontes
de financiamento; áreas de formação dos funcionários; forma de organização
da documentação; diretrizes de divulgação do acervo; desenvolvimento
de atividades paralelas ao processamento da documentação. Através da
descrição das atividades levadas a cabo no iFHC, pretendemos ancorar uma
problematização que inclua, entre outras questões que se mostrarem pertinentes,
um debate sobre: a legislação que determina as ações para com os arquivos
de ex-presidentes da República; as dificuldades de sustentação de instituições
privadas que atuam no campo da memória; as vantagens e desvantagens de
uma desvinculação do poder público e da academia; o perfil do profissional
atuante nesses espaços; os riscos de monumentalização da imagem do titular de
acervo e os usos políticos da memória de maneira geral. Pretendemos apresentar
pontos pertinentes à discussão sobre a atividade do historiador nos dias atuais e
pontuar o debate sobre o desenvolvimento e alargamento do campo de trabalho
deste profissional através da expansão daquilo que chamaremos “mercado
da memória”. São hipóteses deste trabalho: a)Há, na intersecção entre as
iniciativas de interesse público de patrimonialização da cultura e as iniciativas
A história e seus públicos

do setor privado de mercantilização da cultura, um nicho de especialização –

o “mercado da memória” – no qual a história/memória tem ocupado espaço
de principal produto e, portanto, fomentado interesses econômicos de diversas
origens; b)O nicho de atividade a que nos referimos serve-se de serviços e
profissionais de diversas áreas, os quais têm atuado crescentemente como
mediadores do conhecimento histórico e da construção da memória coletiva; c)
Há um processo de retroalimentação entre a academia e esse nicho de atividade
extra-acadêmico, na medida em que pesquisadores universitários fazem uso dos
acervos detidos por essas instituições e também atuam em favor das mesmas
oferecendo sua força de trabalho intelectual como funcionários ou prestadores
de serviços.
ST 22 – A história e seus acervos digitais

Quinta-feira, 19 de julho, 18h30 às 20h30

Local: Sala Caio Prado Jr.

Mediação: Simone Silva Fernandes (CEDIC-PUC-SP)

A HISTÓRIA E SEUS PÚBLICOS: SOBRE AS FORMAS DA
HISTÓRIA NA SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO

Gilberto Cézar de Noronha (UFG); Rita Maria Arruda Ferreira (SEE-MG)

O objetivo da comunicação é discutir as possibilidades de estudo/ensino,
pesquisa e divulgação do conhecimento histórico através das novas tecnologias
da informação. Para tanto, pretende-se tomar como ponto de partida a
experiência de constituição de um weblog com temática regional colocado no
ar em 2010, como uma iniciativa de professores da Educação Básica da rede
estadual de Minas Gerais. A ideia do projeto surgiu como parte das discussões
de um Grupo de Desenvolvimento Profissional criado na E.E. “Dr. Edgardo da
Cunha Pereira”, em Abaeté-MG que discutia e investigava novas estratégias de
ensino para o letramento cujos resultados ultrapassaram os limites da educação
básica. O Blog iniciou-se como um projeto pouco ambicioso que, ao longo de
seus 30 meses foi cada vez mais seduzindo leitores, seguidores, comentadores
e colaboradores que, de vários lugares do Brasil e do mundo, passaram não
apenas a comentar e sugerir, mas também enviar fontes primárias e obras
historiográficas sobre a cidade-tema. A experiência trouxe à tona discussões
que interessam a todos os historiadores e ao futuro de nossa disciplina: as
potencialidades das novas linguagens e novas formas de organização das
Simpósio Internacional de História Pública

narrativas historiográficas, os desafios e possibilidades da utilização das TI’s
como forma de arquivamento, organização, acesso e divulgação de fontes
históricas e como espaço de interpretação colaborativa dos processos históricos.
Aponta, ainda, para a necessidade de aprofundamento das reflexões sobre

o lugar da história na sociedade contemporânea em que se multiplicam as
potencialidades de arquivamento e suscitam discussões sobre as funções sociais
da memória e da educação histórica.
MOSTRAS VIRTUAIS: NOVA FERRAMENTA PARA
DIFUSÃO DE ACERVOS ARQUIVÍSTICOS

Simone Silva Fernandes (CEDIC-PUC-SP)

Notamos cada vez mais que os arquivos e centros de documentação vêm
utilizando como estratégia de difusão de seus acervos as diferentes possibilidades
que o ambiente web oferece. Tem sido recorrente a discussão a respeito das
novas tendências das redes sociais virtuais que solicitam o acesso irrestrito
à informação e à íntegra de documentos e a digitalização de totalidades de
acervos arquivísticos. Diante dessa realidade, no sentido de colaborar com a
discussão, propomo-nos a apresentar as estratégias utilizadas pelo Centro de
Documentação e Informação Científica, CEDIC, da Pontifícia Universidade
Católica de São Paulo, na concepção de mostras virtuais de fundos e coleções
e seu diálogo com as demais políticas de preservação e acesso ao acervo da
instituição, procurando analisar as relações estabelecidas entre as práticas
arquivísticas e as novas tecnologias de informação e comunicação. Para além
de um serviço de difusão cultural, que lança luz para dentro do arquivo de
maneira a dar-lhe projeção e consequentemente conquistar novos públicos,
procuraremos pensar a respeito da informação transmitida pelas mostras
virtuais e o papel dos centros de documentação na construção do conhecimento.

PARA O PÚBLICO, PARA OS PROFESSORES:
BRASIL REPUBLICANO NA WEB

Marcela Fogagnoli (Fiocruz)

O site Brasil Republicano (www.brasilrepublicano.com.br) é resultado do
trabalho do Grupo de Pesquisa Brasil Republicano – Pesquisadores em História
Cultural e Política (BR-PEHCP), registrado no Diretório dos Grupos de Pesquisa
do CNPq. O grupo constituiu-se no em torno das pesquisas desenvolvidas no
Programa Cientistas do Nosso Estado, patrocinado pela FAPERJ, e coordenado
pelo Professor Doutor Jorge Ferreira, da Universidade Federal Fluminense. O
site é um dos produtos resultantes das atividades dos pesquisadores.O objetivo
do site é proporcionar aos professores de História de nível médio e fundamental
A história e seus públicos

das redes pública e privada de ensino ferramentas teóricas e metodológicas
para desenvolverem suas atividades em sala de aula. Atualmente, o período de
estudo é dedicado ao Brasil republicano e está delimitado na temporalidade
1930-1964.Atualizado periodicamente, o site disponibiliza aos professores os
seguintes produtos: resultados das pesquisas produzidas pelos historiados
envolvidos no projeto; documentos históricos em arquivos PDF que se tornaram
referências para o estudo do período; fontes iconográficas relativas ao mesmo
período; links de artigos publicados em revistas científicas na área de História
e disponíveis na internet, possibilitando o site lincar os artigos e disponibilizá-
los aos professores; artigos publicados em revistas científicas tratando sobre
História Cultural e a História Política; artigos publicados em revistas científicas
referentes a temáticas sobre o Ensino da História. bibliografias sobre diversos
temas relativos ao período; filmografia sobre o mesmo período; vídeos com
imagens de época; teses de doutorado e dissertações de mestrado produzidas
nos Programas de Pós-Graduação em História do país. Avisos sobre congressos,
seminários e cursos na área de História na cidade do Rio de Janeiro.

MEMÓRIA ESTATÍSTICA DO BRASIL NA BMFRJ:
ACERVO DIGITAL E COLABORAÇÃO DO PÚBLICO

Eustáquio José Reis (IPEA); Lucas Ferreira Mation (IPEA); Ana Cecília Kreter
(IPEA); Gabriela Carvalho (IPEA)

O projeto Memória Estatística do Brasil visa a recuperação, preservação e
digitalização de obras sobre economia, finanças, política, administração,
demografia, condições sociais e sanitárias do Brasil no Século XIX e na
primeira metade do Século XX. O projeto é fruto de parceria entre o Instituto de
Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA) e a Biblioteca do Ministério da Fazenda
no Rio de Janeiro (BMF/RJ). A Biblioteca é depositária, desde o século XIX,
das publicações do próprio Ministério da Fazenda e de outros ministérios e
herdeira dos acervos bibliográficos da Alfândega do Rio de Janeiro, do Instituto
Brasileiro do Café (IBC) e do Instituto do Açúcar e do Álcool (IAA), contando
com um rico acervo de obras contendo estatísticas históricas brasileiras. A
fim de garantir a preservação e amplo acesso às obras, o projeto digitaliza e
publica no sitio http://memoria.nemesis.org.br/ obras relevantes contendo
dados e estatísticas que permitam melhor entendimento da história do Brasil.
Desde 2004 já foram disponibilizados mais de 800 obras contendo 250 mil
páginas. A partir de 2012, em parceria com o Internet Archive, a digitalização
é feita por meio de scanners de alta resolução e produtividade. Estas obras
estão disponíveis em formatos eletrônicos no sitio: http://archive.org/details/
memoriaestatisticadobrasil. Por fim o projeto busca desenvolver alguns projetos
piloto com novas tecnologias para para facilitar os trabalhos dos historiadores e
permitir que o público em geral tenha acesso a conteúdos históricos, como uma
Simpósio Internacional de História Pública

plataforma de transcrição de dados por voluntário na internet e um repositório
onde historiadores possam registrar e tronar públicas as bases bases de dados
dos seus projetos.

MEMÓRIA, PESQUISA E PATRIMÔNIO HISTÓRICO DE QUEIMADOS

Claudia Patrícia de Oliveira Costa (UERJ); Nilson Henrique de Araujo Filho
(UERJ)

Segundo o historiador Paolo Rossi, “entre as razões que explicam as paixões
atuais pelo tema da memória há, sem dúvida, uma grande ‘demanda de
passado’ e uma renovação do interesse pelos argumentos e temas que pareciam
superados ou marginais…” (ROSSI, 1991 [2010]: 25) Refletindo sobre essa
perspectiva, buscamos analisar o processo de formação do Município de
Queimados – RJ, registrando, por meio da coleta de depoimentos orais iniciada
há cerca de três anos, as histórias de vida dos moradores, em seus variados
graus de participação política. A partir de então, uma gama considerável de
possibilidades de pesquisa e divulgação da história dessa cidade se impôs.
Assim, foi criado o blog Memória e Patrimônio Histórico de Queimados, como
proposta de divulgação parcial dos resultados dessas entrevistas, bem como
de iniciativas ligadas às pesquisas e preservação do patrimônio histórico dessa
região. Paralelamente, o espaço virtual criado também tem contribuído para
uma maior participação política da população da cidade, na medida em que
suscita o debate e a interação daqueles que, ao acessar a página, se identificam
com as narrativas ali expostas e se propõe a compartilhar suas próprias
memórias.Consideramos que tais resultados têm contribuído significativamente
para a valorização da História da Baixada Fluminense, região que ao longo
do século passado, teve sua imagem atrelada a estigmas de violência e atraso.
Verticalizando nossa análise, propomos o enfoque das interações entre a cidade
de Queimados e a Baixada Fluminense, bem como com as regiões vizinhas.
Dessa forma, visamos constituir uma perspectiva historiográfica articulada à
História Regional e à própria História do Brasil.

ST 23 – Ensino e cultura histórica

Quinta-feira, 19 de julho, 18h30 às 20h30

Local: Sala Nelson Werneck Sodré

Mediação: Erica Dal Poz Ezequiel (FEUSP)
A história e seus públicos

FORMAÇÃO E DEFORMAÇÃO: IRRECONHECIMENTO
SOCIAL E HISTORIADOR COM “I”

Bruno Flávio Lontra Fagundes (UFMG)

A comunicação tratará da relação entre objetivos assumidos de boa parte dos
cursos de graduação de História brasileiros, que institutem uma formação
profissional que treina estritamente para habilidades de pesquisa acadêmica
e evitam – por indiferença ou insegurança – a interação e/ou interlocução com
as histórias/memórias legítimas que existem socialmente. Tal situação parece
rebaixar historiadores como amantes de coisas velhas e empoeiradas, sisudas
e pretensiosas, preocupadas mais com a morte do que com a vida, alheio aos
problemas dos homens comuns e mortais. Situação cujo emblema pode ser

o modo com que muitas pessoas escrevem a palavra “historiador”, com “i”:
istoriador. A comunicação fará considerações sobre possíveis fundamentos
dessas percepções construídas.
CULTURA HISTÓRICA, MÍDIA E ENSINO DE HISTÓRIA:
PROBLEMAS POLÍTICOS DE ENSINAR E APRENDER

Sonia Wanderley (UERJ)

O presente trabalho visa realizar uma reflexão acerca da cultura histórica
produzida/permeada pela mídia e sua influência na produção do saber histórico
escolar. Considerando a crescente valorização da história e da memória nos
espaços da comunicação midiática e a grande circulação dos significados
produzidos por esses agentes na sociedade torna-se fundamental a reflexão dos
profissionais da história (professores/pesquisadores) acerca de sua influência
no ambiente escolar.

ESBOÇO PARA UM CONCERTO: MÚSICA, EDUCAÇÃO
E LIVRO DIDÁTICO DE HISTÓRIA

Erica Dal Poz Ezequiel (FEUSP)

O livro didático tende a ser o primeiro contato sistemático de crianças e jovens
com o conhecimento histórico. Nele, o autor se propõe a realizar uma tarefa nada
fácil: dizer, de modo simples, o essencial, e, com isso, tornar o conhecimento
acadêmico acessível e também conhecido para um público amplo. Se observarmos
atentamente os conteúdos desses livros, encontraremos diversos documentos
neles reproduzidos: cartas, decretos, imagens, músicas, dentre outros, que foram
utilizados pelos autores para comprovar ou ilustrar determinada ideia. Ao se
valerem de tais recursos, além de divulgarem uma fonte histórica e extraírem
informações delas, os autores também estão, aos poucos, sensibilizando seus
Simpósio Internacional de História Pública

leitores a notar na cultura comum (livros, filmes, músicas) em lugares (museus,
monumentos, memoriais) e situações (greves, revoltas, guerras), o conhecimento
histórico. O pesquisador que se debruçar sobre o estudo sistemático desses livros
didáticos poderá observar que os autores, ao inserirem e examinarem documentos
históricos para ilustrar ou debater determinado conteúdo teórico com seus leitores,
também constroem um modelo de análise documental. Com isso, dão certa
autonomia aos seus leitores/estudantes para que, fora da instituição escolar, e, a
partir de suas próprias experiências com objetos, situações e lugares semelhantes
ao dos documentos analisados em livros, consigam ampliar sua visão do passado.
Neste estudo pretendemos explorar a música como registro de história pública
e sua utilização em livros didáticos, a partir da análise dos manuais de História
do Brasil dirigidos para o Ensino Básico, editados na década de 1990. Portanto,
não é nosso objetivo investigar os usos de músicas como documento em sala de
aula, criticar ou propor novas metodologias, mas localizar, a partir do conjunto
de citações musicais encontradas, quais ferramentas de História da Música estão
sendo disponibilizadas pelos autores e demais agentes envolvidos com a criação
de livros didáticos, aos estudantes do país.

APLICABILIDADE DA LEI N.10.639/03 – SUCESSOS E OBSTÁCULOS – A
EXPERIÊNCIA NA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE SANTOS/SP

Sandra Regina Pereira Ramos (Secretaria Municipal de Educação de Santos)

Com a promulgação da Lei 10639/03, que tornou obrigatória a inclusão do
ensino da História da África e da Cultura Afro-brasileira no currículo das
escolas brasileiras, fez-se necessário promover ações afirmativas voltadas à esfera
educacional que sistematizassem na comunidade escolar a igualdade racial a
partir de uma nova visão da história local e mundial. Neste sentido, a Secretaria
de Educação de Santos, reconheceu como demanda imediata, a necessidade de
desenvolver junto ao corpo docente e discente das unidades municipais de educação
projetos que promovessem a discussão sobre a diversidade étnico-cultural do
nosso povo bem como a valorização da história e cultura africana e afro-brasileira,
visando a conscientização da sociedade quanto à igualdade étnica e racial. Esta
atuação deve-se ao fato de que, ao omitir conteúdos em relação à história do país,
relacionados à população negra, ao omitir contribuições do continente africano
para o desenvolvimento da humanidade e ao reforçar determinados estereótipos,
a escola tem contribuído fortemente para a constituição de uma ideologia de
dominação étnico-racial. Neste contexto, a escola reproduz o racismo presente
na sociedade brasileira, como todas as demais contradições oriundas de nossa
história, e a aplicação da Lei 10.639/03 emerge como um dos principais avanços em
direção a uma compreensão mais verdadeira da História do Brasil e da sociedade
brasileira. Assim, para a mudança de paradigmas no que tange ao conhecimento
da história e, principalmente, sobre questões raciais, faz-se necessária uma
A história e seus públicos

atuação em nível institucional voltada ao reconhecimento de uma história diversa
daquela postada nos bancos escolares e universitários, perpassando, também, pela
revisão bibliográfica e a adoção práticas pedagógicas adequadas à nova demanda
educacional. Esta jornada está sendo construída a partir dos desafios que ora se
apresentam e que, muitas vezes, extrapolam as demandas educacionais, mas que
não podem deixar de ser combatidos e ultrapassados.

ENTRE O TERREIRO E A ACADEMIA: A EXPERIÊNCIA DE EKEDES,
MOKATAS E EBOMES NA PERTENÇA E NA VIVÊNCIA PEDAGÓGICA

Maria Durvalina Cerqueira Santos (UNEB)

O Terreiro de Candomblé é espaço eminentemente educativo, a pertença a
Comunidade Terreiro estabelece aprendizagem, conhecimento, Educação de
Vida, Educação de Axé, e consequentemente pressupõe situações e pessoas que
educam e que são educadas, e as pessoas que ocupam as funções de Ekedes,
Makotas, Ebomes são fundamentais no processo educativo dentro do Terreiro,
processo que reflete a cultura originária africana, e as reelaborações afro-
brasileira, na medida em que as ações afirmativas é a tentativa de devolver
as populações afro-brasileiras sua dignidade humana, a partir do resgate de
seus valores ancestrais, sua historia e cultura, reconhecendo-se o Terreiro de
Candomblé como importante espaço de preservação das culturas de matriz
africana, um nicho que resguarda e mantém não apenas as tradições religiosas
do Candomblé como resguarda e preserva o modo de agir, de viver, de ser
e de estar no mundo numa perspectiva africanobrasileira, as Comunidades
Terreiro são eminentemente espaços afirmativos, nesse sentido esse estudo
analisa se ações pedagógicas de Ekedes, Makotas e Ebomes na academia
evidenciam sua pertença ao candomblé, e contribuiu para a construção da
concepção pedagógica que caracteriza o que denominamos de Ação Afirmativa
em educação, a partir da caracterização das atividades da Ekede, Mokota e
Ebome nos Terreiros de Candomblé, identificando as que se constitui em
ação pedagógica como estão articuladas com as ações pedagógicas que são
denominadas de ações afirmativas em Educação.

ST 24 – Sonoridades da história

Quinta-feira, 19 de julho, 18h30 às 20h30

Local: Sala Ilana Blaj

Mediação: Martha Bento Lima (UERJ)
Simpósio Internacional de História Pública

CANÇÕES SENSÍVEIS: TRANSFORMAÇÕES/HISTÓRIAS
DE JOVENS DE FAVELAS CARIOCAS

Martha Bento Lima (UERJ)

Este projeto de doutorado tem a intenção de pesquisar as práticas artísticas e
terapêuticas que trabalham com a criatividade, facilitando a expressão de um
contexto sensível, podendo se constituir em dispositivo de singularização social.
O projeto faz parte do Programa de Pós-Graduação em Psicologia Social da
Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) e trabalha com dispositivos
artísticos e criativos para intervir.Através de uma Oficina de Composição
Musical criamos um dispositivo de comunicação/singularização entre os
jovens de duas favelas cariocas: a favela do morro da Mangueira e a favela do
morro dos Macacos em Vila Isabel. A primeira oficina se realizou em meados
do ano 2007 no morro da Mangueira, em um projeto de mestrado na mesma
instituição referida, compreendendo realidade e contexto diferentes do que
assistimos atualmente no cenário das favelas cariocas. O morro dos Macacos,
nosso atual projeto, se insere nesse novo contexto da instalação das UPPS nas
favelas do Rio de Janeiro e da corrente aproximação da Copa do Mundo e das
Olimpíadas nos próximos anos. As canções produzidas pelos jovens da favela
tornam-se sensíveis a essas mudanças e tensões ocorridas no cenário social.
Suas vozes validam a polifonia de histórias silenciadas, que através das canções
ganham corpo e presença na comunidade, criando sonoridades/narrativas
reveladoras da memória coletiva de um grupo, suas lutas e suas marcas.

REPRESENTAÇÕES DA JOVEM GUARDA NA MÍDIA DOS ANOS 60
Eleonora Zicari Costa de Brito (UnB)

Procura-se refletir sobre o alcance da mídia na produção de representações
sobre a Jovem Guarda, grupo musical que alcançou enorme sucesso nos anos

60. A problemática central volta-se à seguinte indagação: em que medida as
imagens públicas de seus principais representantes(Roberto Carlos, Wanderléa
e Erasmo Carlos), foram sendo moldadas pela indústria das revistas de fofocas
(neste caso a revista Intervalo) e mesmo por aquelas que propunham uma visão
mais analítica e “séria” sobre os comportamentos juvenis (como dizia fazer a
revista Realidade)?
HISTÓRIA EM IMAGEM E SOM: PENSANDO A CULTURA
HISTÓRICA DA SOCIEDADE CONTEMPORÂNEA

Silene Ferreira Claro (Faculdades Integradas Campos Salles)

Vivemos em uma sociedade em que as facilidades de acesso à informação e
A história e seus públicos

às mídias são cada vez maiores. Cada vez mais os alunos e o público em geral
aprendem sobre os mais variados assuntos fora da educação formal. No caso
do conhecimento da História, o contato com a herança cultural se dá o tempo
todo e de diferentes maneiras. Das várias formas possíveis, o cinema é uma
que se destaca, pois, a linguagem fílmica permite a construção de narrativas
ou enredos históricos que constroem, veiculam e até mesmo ratificam imagens
que podem ser entendidas como representantes da cultura histórica de uma
sociedade. A construção de uma narrativa ficcional ou documentária através
da conjugação de imagens e trilha sonora pode ter forte apelo na sociedade,
contribuindo para a construção ou manutenção de estereótipos que marcam o
pensamento histórico da sociedade contemporânea. Pensando desta forma, ao
ser utilizado como material didático, cinema e vídeo permitem a construção
do conhecimento histórico. Ao assistir a um filme, habilidades e competências
são estimuladas e contribuem para a construção de conceitos que permitem
a compreensão da relação presente-passado. Além dessas questões, o uso do
cinema como ferramenta didática flexibiliza o processo da educação formal,
tornando-a mais atraente. Analisar possibilidades de interdisciplinaridade e
projetos transversais através do uso do cinema.

HISTÓRIA E FILME DOCUMENTÁRIO
Áurea Pinheiro (UFPI), Cássia Moura (UFPI)
A comunicação que apresentamos tem por objetivo discutir os resultados
de investigações com linguagens audiovisuais com a pretensão de decifrar
composições de palavras, imagens e sons. Consideramos essas linguagens
expressões de discursos histórico, artístico e cultural, marcados por elementos
éticos, ficcionais e de realidade; palavras e imagens, memórias em construção,
informes e registros do passado e do presente. O centro de nossas reflexões é

o filme documentário e a escrita etnográfica. Destacamos a investigação e a
criação de narrativas fílmicas e etnográficas, imersas em um jogo dinâmico e
complexo que implica técnicas de montagem e liberdade poética. A intenção é
elaborar outras narrativas que nos permitam interpretar e avaliar experiências
do trabalho de campo e realização de documentários; apresentar, de forma
elaborada, conceitos e metodologias de investigação etnográfica e oral,
que resultaram nos documentários etnográficos “Passos de Oeiras” [2008],
“Congo: ritmo e devoção” [2009] e “As Escravas da Mãe de Deus” [2010].
QUALQUER BOBAGEM: UMA HISTÓRIA DOS MUTANTES
Eduardo Kolody Bay (UnB)

Os Mutantes – grupo protagonizado por Arnaldo Baptista, Rita Lee e Sérgio
Simpósio Internacional de História Pública

Dias, cuja importância foi fundamental na composição da música rock no
Brasil. Reflexões acerca da construção de uma identidade musical e cultural
brasileira e participação dos Mutantes junto ao movimento conhecido como
tropicalismo. Na apresentação desta pesquisa, procura-se desvelar a participação
do grupo no movimento tropicalista – percebendo sua importância estética e
comportamental – bem como sua inserção junto às novas práticas e fazeres
musicais relacionados à indústria cultural desenvolvidos durante os anos
60,período de desenvolvimento da contracultura e da música psicodélica.

ST 25 – Múltiplos temas, novos debates

Sexta-feira, 20 de julho, 14h às 16h

Local: Sala Caio Prado Jr.

Mediação: Fernanda Ozório da Conceição (Udesc)

NILO PREVIDI: O ARTISTA CURITIBANO E O AMBIENTE
CULTURAL DA CIDADE NA DÉCADA DE 1960

Carla Emilia Nascimento (UFPR)

O presente artigo pretende expor o ambiente cultural da cidade de Curitiba
na década de 1960, a partir de uma discussão que é pautada por reflexões
das teorias da cultura, especificamente o enfoque da História Cultural. Em
um segundo momento, a partir do ambiente artístico, as ações do artista Nilo
Previdi (1913-1982), incluindo sua produção no Centro de Gravura do Paraná
(1950-1970) são confrontadas com o ambiente cultural exposto. O texto explora a
posição de artista engajado assumida por Nilo Previdi, em um contexto cultural
local, onde há a crescente valorização da arte abstrata, financiada por uma elite
dominante na política cultural. A discussão se pauta pelo estudo do contexto
histórico da cidade e das imagens da cidade publicadas na Revista Panorama
durante a década de 1960 – com ênfase ao discurso da modernidade – somado
aos relatos dos agentes culturais contemporâneos ao artista e a uma análise do
debate artístico pautado pelos principais jornais locais. Para se pensar a cidade,
trabalha-se com Roger Chartier e seu conceito de representações e para discutir
as ações do artista Previdi, Michel de Certeau a partir da noção de táticas e
estratégias. O conceito de engajamento social é discutido a partir de Jean-Paul
Sartre e Benoît Denis.
A história e seus públicos

“PRIMAVERA ÁRABE” NO CIBERSPAÇO: O EGITO EM 18 DIAS
Fernanda Ozório da Conceição (Udesc)

Este paper procura discutir a expansão dos lugares de interatividade a partir
das representações e difusão de imagens do Levante Árabe, ou como se
convencionou chamar “Primavera Árabe”. Manifestantes mulheres e homens
do Egito, inseridos no contexto das revoltas no mundo árabe, fabricaram
novas paisagens virtuais que denunciaram o regime autocrático de trinta
anos de Hosni Mubaraki. A utilização de diversas imagens das manifestações
no ciberespaço promoveu o trânsito de informações mais autônomas. Nesse
sentido, a relação da percepção de tempo e sociabilidades que perpassam as
mídias sociais mobilizam novas linguagens e funções para se transitar entre

o local e o global. As mídias, aliadas à diversidade de recursos audiovisuais e
informáticos, fomentam a construção de sistemas comunicativos, sedimentados
em regimes de descentralização e desterritorialização cultural. O material
multimídia analisado foi veiculado nos 18 dias até a queda do ditador em fevereiro
de 2011, como vídeos postados no youtube por manifestantes, fotografias,
reportagens e posts em blogs pessoais. Esta estrutura em transformação sugere
a complexidade das sociedades contemporâneas, principalmente no fluxo
via web, onde manifestantes egípcios promoveram esses cenários pelas redes
sociais. Por fim, salienta-se que essas investigações são parciais e se inserem
nos domínios da pesquisa de mestrado desenvolvida junto ao Programa de Pós-
Graduação em História da Universidade do Estado de Santa Catarina.
HISTÓRIAS INVISÍVEIS DO TEATRO DA PAZ:
DA CONSTRUÇÃO À PRIMEIRA REFORMA

- BELÉM DO GRÃO-PARÁ (1869-1890)
Roseane Silveira de Souza (Rose Silveira) (PUC-SP)
O Teatro da Paz, em Belém do Pará, é um dos teatros de ópera em estilo
neoclássico erguidos no Brasil no século 19. É considerado um teatro-
monumento tal como o Arthur Azevedo (MA), o Santa Isabel (PE), o São Pedro
(RS) e o Amazonas (AM), seus contemporâneos. Sua construção (1869-1874)
ocorreu na chamada Era da Borracha na Amazônia em meio a denúncias
de fraudes e conflitos entre as autoridades locais. Da inauguração, em 15 de
fevereiro de 1878, até sua primeira grande reforma (1887-1890), muitas histórias
caíram na invisibilidade em um processo político de apagamento do passado e
agora são desvendadas pela autora deste livro, a jornalista e historiadora Rose
Silveira, paraense residente em São Paulo. A pesquisa foi realizada em centenas
de documentos administrativos, relatórios de governo, matérias de jornais, letras
de música, fotografias e outras fontes pertencentes a arquivos e bibliotecas do
Pará e aos arquivos eletrônicos do Center for Research Libraries. A obra resulta
Simpósio Internacional de História Pública

da dissertação de mestrado homônima defendida no Programa de Estudos Pós-
Graduados de História da PUC-SP, em 2009, sob a orientação de Estefânia
Knotz Canguçu Fraga, que assina a apresentação do livro. O historiador Paulo
César Garcez Marins (FAUUSP e Museu Paulista) assina o prefácio. Para
ele, a pesquisa, ao não se restringir ao aspecto arquitetônico, apresenta uma
abordagem original no modo de se investigar os teatros no Brasil. “Tomando
como recorte temporal os anos entre o início de sua construção e a conclusão
de sua primeira reforma, Rose Silveira levanta camadas de ocultamento –
impostas pela memória social ou pela historiografia, e mesmo pelas formas
imediatas com que a evocação da memória de um teatro nos vem à mente”. O
livro foi publicado em 2010 pela Editora Paka-Tatu, com patrocínio do Banco
da Amazônia (Edital de Patrocínios).

COSMOPAULISTANOS: OS CAMINHOS, AS PESSOAS, A CIDADE -
EXPOSIÇÃO VIRTUAL INTERATIVA E HISTÓRIA PÚBLICA

Marcela Boni Evangelista (USP); Suzana Lopes Salgado Ribeiro (USP)

A apresentação proposta tem como base a exposição virtual interativa
“Cosmopaulistanos: os caminhos, as pessoas, a cidade” promovida pelo Museu
da Imigração em parceria com a Fala Escrita, empresa responsável pelo registro
das narrativas que colorem a exposição através do relato de experiências
sobre os bairros da cidade de São Paulo.Trata-se de uma forma inovadora e
democrática de produzir documentos acerca da história dos lugares contando
com a participação daqueles que vivenciam esses espaços. Uma forma de tornar
mais públicas a produção de conhecimentos e sua divulgação, sem contar com
facilitadores relacionados à acessibilidade.

HISTÓRIA, ARTE, FOTOGRAFIA, O TEMPO
PRESENTE E O TERRENO DA FICÇÃO: UMA
REFLEXÃO SOBRE AS PRODUÇÕES DE REGINA
SILVEIRA E CARLOS FADON VICENTE

Daniela Maura Ribeiro (USP)

Qual o público, na História Social, para uma reflexão sobre História, Arte,
Fotografia, o Tempo Presente e o terreno da ficção pautada na produção de
artistas? Essa pergunta motiva a apresentação desta comunicação. O velho
debate sobre a Fotografia é ou não uma Arte (que, em certa medida, perdura
até hoje) leva-me a pensá-las dentro do terreno da ficção (o debate em torno da
representação) o qual as une em um mesmo campo. No século XIX a Fotografia
era, principalmente, símbolo da indústria e da ciência, de modo que era vista
como duplo do real. Ao longo do século XX e nesta primeira década do século
A história e seus públicos

XXI, percebe-se o contrário: o potencial para a criação de realidades (construção
na fotografia), que traz à tona o seu caráter ficcional. Nas Artes Visuais
Contemporâneas, observa-se fenômeno semelhante. A mudança de enfoque
com relação à representação que dá lugar à ideia de virtual, simulação do real
e gera uma realidade em si mesma (ficção). Reflete-se sobre esse panorama
por meio dos universos dos artistas Regina Silveira (Porto Alegre, RS, 1939) -
uma das pioneiras no uso da imagem fotográfica em obras artísticas, cuja obra
tem forte questionamento sobre a representação -, e Carlos Fadon Vicente (São
Paulo, SP, 1945) – fotógrafo, cuja obra, desenvolvida como fotografia em si ou
inserida em obras audiovisuais e de hipermídia, se conecta à ideia de ficção,
entendida no sentido de criação de realidades, nos termos de Boris Kossoy.
Ambos iniciam suas carreiras nos anos 1970 e produzem até hoje (ano de 2012).
Por conseguinte, a reflexão traz à tona a problematização sobre o estudo do
Tempo Presente.

ST 26 – Patrimônio e políticas públicas

Sexta-feira, 20 de julho, 14h às 16h

Local: Sala Nelson Werneck Sodré

Mediação: Raul Amaro de Oliveira Lanari (UFMG)

O HISTORIADOR E O PROCESSO DE IDENTIFICAÇÃO E
PROTEÇÃO DO PATRIMÔNIO CULTURAL EM MINAS GERAIS:
REFLEXÕES SOBRE O PROGRAMA ICMS CULTURAL

Raul Amaro de Oliveira Lanari (UFMG)

Criado e desenvolvido pelo Instituto Estadual do Patrimônio Histórico e
Artístico de Minas Gerais (IEPHA/MG) a partir do início da década de 2000,

o Programa ICMS Cultural foi responsável pela proliferação das atividades
preservacionistas no estado. De acordo com a legislação que normatiza o
Programa, os investimentos em identificação e preservação do patrimônio
cultural são analisados, dando origem a uma pontuação que serve de base
para a concessão de recursos oriundos da arrecadação de ICMS pelo estado
de Minas Gerais. Voltado para a identificação e proteção do patrimônio local,
o programa gerou uma grande demanda por profissionais de diversas áreas,
voltada para a realização dos levantamentos e estudos técnicos necessários para
processos de inventário, tombamento e registro de bens materiais e imateriais.

Simpósio Internacional de História Pública

Observou-se, então, o surgimento de diversas empresas privadas dedicadas
à assessoria aos municípios nas atividades de preservação. Para se ter uma
noção exata do alcance do programa, no ano de 2011 656 dos 853 municípios
mineiros (aproximadamente 76%) enviaram documentação visando a obtenção
de recursos via Programa ICMS Cultural. Dentro desse panorama o mercado
de trabalho para o historiador em Minas Gerais observou o aumento da
importância das atividades voltadas à preservação do patrimônio cultural. Uma
série de desafios se impuseram, então, aos pesquisadores que enveredaram por
tais atividades. O presente trabalho tem por objetivo discutir algumas nuances
desse ramo de atuação do historiador, notadamente a relação dos mesmos com
os poderes políticos e econômicos, além do estatuto concedido a tal atividade
dentro das universidades e instituições de pesquisa.

UMA POLÍTICA PÚBLICA VOLTADA AO PATRIMÔNIO
DOCUMENTAL: CONCEPÇÕES HISTÓRICAS DO SISTEMA
NACIONAL DE ARQUIVOS – SINAR

MOLINA, Talita dos Santos (PUC-SP/CNPq)

Em 25 de setembro de 1978, o Decreto nº 82.308, instituiu o Sistema Nacional
de Arquivos – SINAR. No entanto, esse sistema estava voltado somente aos
arquivos intermediários e permanentes, tendo em vista os limites impostos na
criação, pelo Governo Federal, em 1975, do Sistema de Serviços Gerais – SISG,
ao qual se vinculariam os arquivos correntes da Administração Pública Federal.
Embora formalmente criado, o Sistema nunca chegou a ser implantado uma
vez que trazia em seu bojo dispositivos conflitantes e que não atendiam às
necessidades e à realidade de nossos arquivos. Por essa razão, outros sistemas,
estaduais e municipais, foram criados ou se encontram em estudos. Somente
com a lei nº 8.159/91 é que foi instituído o Sistema Nacional de Arquivos que
é utilizado atualmente. Compete ao SINAR promover a gestão, a preservação
e o acesso às informações e aos documentos na sua esfera de competência, em
conformidade com as diretrizes e normas emanadas do órgão central. Portanto,
nesta comunicação pretendo fazer uma discussão historiográfica sobre a criação
do SINAR, tendo como representante e orientador dessa política atualmente,

o Conselho Nacional de Arquivos – Conarq. Também, a partir de estudos
e análises feitas das Atas de Reuniões e Boletins do Conarq e da Legislação
Arquivística federal, buscarei levantar questões sobre as normatizações recentes
proposta pelos órgãos federais para os arquivos públicos e privados do país.

A história e seus públicos

INVENTÁRIO NACIONAL DE REFERÊNCIAS CULTURAIS:
REFERÊNCIAS CULTURAIS DO CAFÉ EM RIBEIRÃO PRETO

Lilian Rodrigues de Oliveira Rosa (Rede de Cooperação Identidades Culturais
e Secretaria Municipal da Cultura), Adriana Silva (Rede de Cooperação
Identidades Culturais e Secretaria Municipal da Cultura)

Esta comunicação oral apresenta as reflexões sobre os resultados do INRC
(Inventário Nacional de Referências Culturais) aplicado em Ribeirão Preto, SP.
O projeto foi implementado por um grupo multidisciplinar de pesquisadores
reunidos na Rede de Cooperação Identidades Culturais, entre os anos de 2009
e 2011. Teve como objetivo mapear e identificar as referências culturais ligadas
direta ou indiretamente ao período entre 1870 e 1950, quando o município
teve papel de relevância econômica na produção cafeeira nacional. A questão
que norteou a pesquisa era se Ribeirão Preto possuía uma paisagem cultural
do café, no sentido de conservar bens culturais materiais e imateriais que
mantivessem relações simbólicas com a população ribeirãopretana. O texto
divide-se em duas partes. Na primeira são expostas reflexões que surgiram ao
longo da atividade de pesquisa. Representam fundamentalmente o fruto dos
debates entre a equipe multidisciplinar de pesquisadores. Em seguida, o texto
apresenta a metodologia do INRC e relata os resultados quantitativos.

UTILIZANDO A METODOLOGIA DO IPHAN: A CAPELINHA
DOS NOIVOS COMO REFERÊNCIA CULTURAL

Luis Moretti (Secretaria de Cultura); Mônica de Oliveira (Secretaria de Cultura)

A presente comunicação oral tem por objetivo apresentar a pesquisa
desenvolvida no final de 2011 e começo de 2012 pela Rede de Cooperação
Identidades Culturais em Bonfim Paulista, SP. A pesquisa foi realizada por
um grupo multidisciplinar de pesquisadores que dentro da metodologia do
INRC (Inventário Nacional de Referências Culturais), utilizada pelo IPHANSP,
identificou-se bens de natureza material e imaterial que possuíam valores
simbólicos para a população. Dentro dessa perspectiva, foi levantado pelos
pesquisadores, um local onde seus significados mantiveram-se presentes.
Conhecida como a Capelinha dos Noivos, este bem guarda consigo importantes
referenciais para os moradores do Distrito que fortaleceram ao longo do
tempo seus laços afetivos e de pertencimento com o mesmo. A demolição da
edificação original e a construção de uma réplica em local próximo provocaram
reflexões ao grupo de pesquisa, que atualmente procura medir o impacto desse
acontecimento para a população local.
Simpósio Internacional de História Pública

A CONSTRUÇÃO DA MEMÓRIA DO PROGRAMA
NACIONAL DE INCENTIVO À LEITURA

Ana Cristina Campos Rodrigues (FBN/PROLER)

O Programa Nacional de Incentivo à Leitura (PROLER) foi fundado em 1992
com o objetivo de promover, integrar e incentivar iniciativas de formação de
práticas leitoras. Com sede no Rio de Janeiro, desde o começo se espalhou pelo
país, organizado em comitês locais que agem de acordo com as necessidades
de cada região. Essa atuação fez com que acumulasse na Casa da Leitura um
acervo de memória variado, composto de documentos, fotos, livros, material
de divulgação e audiovisual, como cds, dvds e fitas k7. O Programa atravessou
sucessivas mudanças governamentais e de direção, fazendo com que esse
material não tenha sido armazenado ou catalogado adequadamente, sofrendo
deterioração e perda substancial de informações. Com as comemorações dos
vintes anos do Programa, procurou-se uma reflexão sobre sua memória, na
forma de uma exposição baseada no acervo da Casa da Leitura. Esse movimento
também foi na direção de uma reorganização do arquivo, buscando formar
um instrumento de pesquisa para os interessados nas políticas governamentais
de incentivo à leitura nos últimos vinte anos. A comunicação é um relato da
experiência da autora, que trabalha desde 2010 organizando o acervo da Casa
da Leitura, construindo um arquivo e começando um movimento de resgate da
memória do Programa.

ST 27 – Imagens do passado e do presente

Sexta-feira, 20 de julho, 14h às 16h

Local: Sala Ilana Blaj

Mediação: Rafael Rosa Hagemeyer (Udesc)

CULTURA E POLÍTICA ENTRE FRADINS,
ZEFERINOS, GRAUNAS E ORELANAS

Maria da Conceição Francisca Pires (UFV)

O livro analisa a produção do humor nos tempos da ditadura militar no Brasil.
Especificamente a produção humorística do cartunista mineiro Henfil publicada
no jornal O Pasquim e na Revista Fradim. O objetivo central é colocar em relevo
A história e seus públicos

o modo como atraves do humor Henfil desenvolveu e propagou sua crítica à
ditadura militar, ao mesmo tempo em que intentava apresentar uma proposta
alternativa aquilo a que parecia sentenciada a sociedade brasileira. Com tal
analise busca-se assinalar o desenvolvimento de uma produção cultural híbrida,
contestadora, irreverente e antiautoritária que soube manejar com especial
habilidade a sua condição de marginalidade, fazendo desta sua identidade
expressa na linguagem e na forma empregados. Faz parte dos nossos objetivos
discutir a associação entre a imprensa alternativa e os movimentos sociais,
resultando numa cultura democrática e constituindo um universo hipercrítico
e participante que se contrapôs aquele imposto pela ditadura militar, apoiado
pela grande imprensa. Ressalta-se a imortanci da imprensa alternativa para a
constituição, num momento de especial restrição das liberdades, de um espaço
dialogico onde foram expostas e disctidas premissas de grupos muitas vezes
opostos. Finalmente, propõe-se atraves deste estudo analisar e valorizar a ação
engajada da produção humorística de Henfil, percebendo-a como parte da luta
política contra a ditadura militar e como construtora de um sentimento de
pertença política.
CULTURA HISTÓRICA EM REVISTA: VENDO O PASSADO
NA ILUSTRAÇÃO BRASILEIRA (1935-1945)

Marcelo Abreu (UFJF), Aline Ferreira (UFJF)

O trabalho trata dos usos do passado e sua visualização na revista Ilustração
Brasileira entre 1935 e 1945. Em sua terceira fase, que em parte compreende
a vigência do Estado Novo, a revista ilustrada amplia uma tendência que
se apresentava nas fases anteriores: a representação do passado nacional
combinando texto e imagem. A história era, portanto, posta em imagem
dando a ver as comemorações e efemérides, as alterações da vida urbana, as
personagens e acontecimentos considerados centrais no passado e no presente.
No período do Estado Novo particularmente essa pedagogia cívica dirigida a
um público de elite ganharia novo desenvolvimento, ampliando-se ainda mais

o espaço dedicado tornar visível a história nacional. A investigação articula-se
teoricamente na confluência entre a reflexão acerca dos usos do passado e sobre
os regimes de visualidade que caracterizam a experiência social contemporânea.
HISTÓRIA & AUDIOVISUAL
Rafael Rosa Hagemeyer (Udesc)

Integrante da coleção História &… Reflexões, esta obra apresenta uma síntese
das principais discussões sobre a relação entre os registros audiovisuais –
cinema, animação, videogames, clipes, etc. – e a história. O autor revela aqui
Simpósio Internacional de História Pública

a importância do audiovisual para a formação e apreensão da história e alerta
aos historiadores que a função que lhes cabe, embora não apenas a eles, é fazer
a sociedade imaginar a história, seja com palavras apenas, seja com palavras
acompanhadas de imagens e sons. Para tanto, discute os problemas e fundamenta
a legitimidade do audiovisual como fonte ou objeto de pesquisa historiográfica,
além de revelar ao leitor a históriados audiovisuais, o desenvolvimento de
suas técnicas e linguagens e o que é apresentado nessas ferramentas, traçando
um paralelo entrea veracidade do registro e o poder evocativo das simulações
audiovisuais e a história. Finalmente, aborda as modalidades de narrativa mais
comuns na expressão audiovisual do conhecimento histórico. Debatendo os
usos da História como argumento de ficção, documentários e gêneros híbridos,

o autor discute os diversos modos de elaboração de enredo e suas implicações,
para além da questão do realismo e das reconstituições.
A REPRESENTAÇÃO DO ARRANHA-CÉU NA CHARGE
DE J. CARLOS E A SUA APROPRIAÇÃO PELO
PÚBLICO FRUIDOR DAS REVISTAS ILUSTRADAS
NO RIO DE JANEIRO NA ERA VARGAS

Gianne Maria Montedônio Chagastelles (UFRJ)

Este estudo aponta para a construção da história a partir da análise das
representações dos arranha-céus nas charges de J. Carlos na Era Vargas. A
imagem adquire sentido quando se percebem as múltiplas teias que a enlaçam
ao contexto histórico e à vida social em que se insere e, ao mesmo tempo
documenta. Proponho a discussão da ampliação das fontes da análise histórica,
incluindo como corpus do trabalho as fontes visuais. Na análise visual, os
significados não são tomados como dados, mas como construção cultural.
Isso abre um campo para o estudo dos diversos textos e práticas culturais,
admitindo que a sociedade se organize, também, a partir do confronto de
discursos e leituras de textos de qualquer natureza — verbal, escrito, oral ou
visual. A percepção do mundo como representação, formado através das séries
de discursos que o estruturam leva a uma reflexão sobre o modo como essa
configuração pode ser apropriada pelos fruidores das imagens que dão a ver
e a pensar o real. Opera-se o interesse de pesquisar as práticas de fruição, ou
seja, o processo por intermédio do qual é produzido historicamente um sentido
e construída diferenciadamente uma significação. Assim, busco perceber
como estes discursos afetam o fruidor e o conduzem a uma nova norma de
compreensão de si próprio e do mundo.
A história e seus públicos

A SÃO PAULO ALEMÃ REVELADA NAS FOTOS DE MILITÃO
AUGUSTO DE AZEVEDO EM MEADOS DO SÉCULO XIX

Adriane de Freitas Acosta Baldin (USP)

Esta artigo pretende elucidar, através das fotos urbanas de Militão Augusto
de Azevedo, a participação fundamental de artífices e engenheiros alemães
na construção da cidade de São Paulo, em meados do século XIX. As
imagens urbanas feitas pelo fotógrafo associadas aos relatos dos viajantes e à
documentação primária referente as obras públicas nos possibilita visualizar
uma cidade feita com mão de obra alemã, em sua maioria. Pretende-se
demonstrar, através das fontes citadas, que São Paulo na década de 1850 viveu
um intenso período de obras, antes mesmo da construção da ferrovia. Sendo
fundamental nesta reurbanização a presença do imigrante alemão.

ST 28 – Sujeitos próximos e distantes

Sexta-feira, 20 de julho, 18h30 às 20h30

Local: Sala Caio Prado Jr.

Mediação: Alvaro Fernando Rodrigues da Cunha (USP)

A MEMÓRIA DA MORTE PUBLICIZADA
Rogério Bianchi de Araújo (UFG/CAC)

Existem vários mecanismos que podem tornar a morte pública, ou se preferir,
a morte publicizada. Entre eles destaca-se o obituário, o discurso fúnebre, os
necrológios, os epitáfios, os testamentos e as notas de pesar. Muitos desses estão
gravados na história tornando-se documentos importantes e parte da memória
da humanidade. Neste trabalho pretendo discutir como a morte é publicizada,
não só com os referenciais de importantes personagens históricos, mas
também com a publicação da morte dos anônimos através da mídia impressa,
e hoje, com a divulgação por meio eletrônico.Os artifícios de memória e
recordações daqueles que já se foram são interessantes porque povoam o nosso
imaginário. A temática da morte é parte intrínseca de relações históricas e
sociais construídas no imaginário e nas práticas humanas, daí a importância
de se analisar esse memorial.A morte quase sempre é considerada um dos
temas tabus das civilizações humanas. Diante disso, pensar a história tornada
pública daqueles que já se foram configura o espírito de uma época e dignifica
as ausências, trazendo aspectos da vida na representação da morte. De certa
Simpósio Internacional de História Pública

forma, os dizeres destes documentos fazem com que sentimos a presença e a
vida dos indivíduos entre nós. Ameniza a ausência, ao mesmo tempo em que dá
uma justa homenagem àqueles que já se foram, ou como se fala popularmente,
“partiram dessa para uma melhor”. Essa comunicação faz parte de um projeto
em que discuto o imaginário da morte no Ocidente e na contemporaneidade,
sob um ponto de vista transdisciplinar e com a fundamentação antropológica
de Edgar Morin, principalmente na sua obra “O Homem e a Morte” e também
na obra de Gilbert Durand “As Estruturas Antropológicas do Imaginário”.

A REDESCOBERTA DA ARTE TUMULAR
DE ALFREDO OLIANI

Viviane Comunale (Unesp)

A presente comunicação tenta amenizar as inquietações que surgiram ao longo
da pesquisa de campo feita no cemitério Necrópole São Paulo. A pesquisa
analisava as obras o qual chamamos de arte profana presente dentro dos
cemitérios. Artistas de prestigio como: Ramos de Azevedo, Victor Brecheret
e Leopoldo e Silva, deixaram a sua contribuição dentro dos cemitérios, assim
como os artistas anônimos, que mantinham em suas marmorarias catálogos
de peças que poderiam ser produzidas em série.Investigando os túmulos no
cemitério Necrópole São Paulo nos deparamos com duas obras monumentais
feitas em bronze: O ultimo adeus e Triste separação. Ambas foram projetadas
por um artista chamado Alfredo Oliani.Ao levantar a bibliografia do artista,
percebemos que as fontes carecem de mais informações, tendo em vista que não
apresentam credibilidade suficiente para pautar uma pesquisa. O projeto então
tem se enveredando para esse aspecto: descobrir de fato quem foi o escultor
Alfredo Oliani; como ele se dedicou a trabalhar em arte tumular e o mais
importante por que ele não é mencionado na história como os outros artistas
de seu tempo.

PLANO DE CRUZAMENTO EM ORALIDADE
E ESCRITURALIDADE

Alvaro Fernando Rodrigues da Cunha (USP)

O trabalho tem por objetivo demonstrar aspectos da tradição oral nas
narrativas. Elas são veículos de manutenção e divulgação da identidade étnica
dos grupos que as falam, de modo a possibilitar o estabelecimento e a paridade
absoluta nas diferentes circunstâncias de mudanças à que se submetem?
Desenvolvemos uma teoria de análise em oralidade e escrituralidade, pois
parece-nos trabalhoso e nada coeso tomarmos narrativas e interpretarmos à luz
das propostas de BRUNER (1991); LABOV (1997) e VANSINA (1982), embora
A história e seus públicos

as teorias dos autores supra serem relevantes. Se juntássemos as análises de
narrativas — de Labov (1997) que busca os aspectos linguísticos das narrativas
orais; Bruner (1991), que estuda o pensamento humano, julgando as pessoas
pensarem narrativamente; e Vansina (1981), que dispõe sua proposta de análise
à tradição oral, porém com viés a uma teoria de interpretação histórica a qual se
valha da tradição oral como formas de documentar o passado, ou seja, pretende
encontrar a verossimilhança histórica que as narrativas contêm — chegaríamos
fatalmente a um resultado satisfatório, mas não uno, como uma teoria única
de análise, pois o resultado é a soma dos apontamentos das teorias desses
autores. Um plano traçado para este fim, ou seja, uma teoria de cruzamento
em narrativas que pretenda atingir os fins para os quais nos propusemos é
mais didático e objetivo. Assim, criamos o PLANO de CRUZAMENTO em
ORALIDADE e ESCRITURALIDADE.

HISTORIA ORAL E TRADIÇÕES NO GRANDE ABC
Alfredo Oscar Salun (UniABC/Anhanguera)

Esta apresentação refere-se ao projeto que desenvolvemos junto ao Grupo
de Estudos Regionais e Pesquisa (UniABC\Anhanguera), contando com
a participação de graduandos de cursos de História e Pedagogia, sobre a
importância da realização na educação básica de trabalhos referentes à
oralidade, história de família, história regional e temas ligados ao Grande ABC
e a zona leste de São Paulo. Diversas pesquisas efetuadas no GERP perpassam
pela região do Grande ABC paulista e versam sobre história da família dos
próprios graduandos, estabelecendo um diálogo estimulante com a história
do bairro, município, festas e tradições regionais que freqüentam. Durante
a realização das entrevistas, orientamos que ao restituir as experiências dos
moradores\familiares\colaboradores, solicitem o fornecimento de fotografias,
documentos pessoais e outros materiais iconográficos para digitalização. O
fomento de trabalhos sobre preservação da memória familiar foi o primeiro
trabalho do GERP com os graduandos do curso de pedagogia, que se sentiram
sensibilizados pela proposta e tornaram seus semeadores no ambiente escolar,
já que dentre os objetivos que nortearam a criação desse projeto, estava o de
capacitar e estimular os futuros profissionais de educação na realização de
trabalhos semelhantes com seus alunos. Esperamos que essas ações possam
contribuir na construção dos laços de identidade entre a comunidade e
a unidade escolar, ao se empenharem nos estudos das transformações da
região em seus aspectos sociais, ambientais, econômicos e de urbanização.Os
resultados desse projeto estão disponibilizados digitalmente no “Acervo de
História Oral e Tradições” que foi idealizado para divulgação e socialização
dos trabalhos, cumprindo uma função social apontada por José Carlos Sebe
Simpósio Internacional de História Pública

Bom Meihy (2005), como parte fundamental do trabalho com a oralidade, que
é a devolutiva para a sociedade e os colaboradores.

NARRATIVAS FOTOGRÁFICAS – A INTERFACE ENTRE O RELATO DE
CAMPO E O USO DA FOTOGRAFIA NOS ESTUDOS MIGRATÓRIOS
DE UMA COMUNIDADE BOLIVIANA EM SÃO PAULO

Vanessa Generoso Paes (USP)

A perspectiva desta comunicação é estabelecer conexões entre o relato
de campo e o uso da fotografia como contribuição metodológica para os
estudos migratórios contemporâneos. Assim, partimos do pressuposto que a
fotografia está longe de ser um documento neutro, pois esta cria novas formas
de documentar a vida em sociedade ao ser entrelaçada com as interfaces do
relato de campo. O uso da fotografia como fonte para os estudos migratórios
pode problematizar temas ligados à vida cotidiana, aos rituais religiosos e aos
processos sociais do viver em sociedade; são documentos que tanto informa
quanto permitem a análise das representações dos espaços públicos vivenciados
pelos sujeitos sociais. Neste artigo, faremos uso das fotografias tiradas em uma
inserção de pesquisa de campo para explicar um fenômeno sociocultural de
uma comunidade boliviana em São Paulo, o qual pode ser interpretado como
híbrido e como processo de transculturação de uma comunidade de migrantes
na cidade de São Paulo, ao traduzir um cerimonial que ocorre na Bolívia para

o contexto brasileiro.
ST 29 – O passado em circulação

Sexta-feira, 20 de julho, 18h30 às 20h30

Local: Sala Nelson Werneck Sodré

Mediação: Juliana Martins Alves (IFET)

HISTÓRIA LEVADA A PÚBLICO. DIREITOS SOCIAIS EM “REVISTA” NOS
BOLETINS DO MINISTÉRIO DO TRABALHO NOS ANOS 1950

Juliana Martins Alves (IFET)

Considerando que a consciência e a cultura histórica de um povo em uma
determinada época e sociedade são, em grande medida, “moldadas pelas visões
A história e seus públicos

do passado que lhe chegam por variados meios de publicização” da História;
bem como os sentidos que a História e a memória podem adquirir quando
levadas a público, esta comunicação pretende refletir sobre a “história dos
direitos sociais do trabalho”, veiculada a público, nos Boletins do Ministério do
Trabalho (Nova Série) nos anos 1950, durante o segundo governo presidencial
de Getúlio Vargas (1951-1954).Ancorando-se na temática das formas de
apresentação pública da História, relacionada tanto a processos de “educação
histórica”, como de construção de memórias, a exposição objetiva: 1) identificar
as relações entre a “evolução histórica” das Leis Sociais e os “grandes marcos”
da História do Brasil, apresentados na referida publicação, conformando uma
dada maneira de representação do passado. E 2) analisar as razões, objetivos e
significados desse contínuo processo de publicização da Legislação Trabalhista
e Sindical, após a eleição de Vargas em 1950.

ANALISANDO PADRÕES CULTURAIS EM GRANDES COLEÇÕES DE
DADOS: 2200 CAPAS DA REVISTA VEJA (1968-2012)

Marcio Emilio dos Santos (SWS-UFJF), Cícero Inácio da Silva Laboratório de
Estudos do Software Universidade Federal de Juiz de Fora (SWS-UFJF)

O aumento da capacidade de análise computacional de dados está levando
os cientistas da computação e designers para o desenvolvimento de novas
funcionalidades para visualizar e entender os artefatos culturais de uma maneira
diferente. Os cientistas sociais, pesquisadores humanidades digitais estão
investigando como criar o que podemos chamar de “algoritmos culturais” para
descobrir ou revelar as novas tendências sobre um campo de investigação que
pode ser relacionado aos estudos de cinema, literatura, história, comunicação
e assim por diante. Seguindo a abordagem teórica criada por Lev Manovich
sobre os estudos relacionados com a “análise cultural”, este trabalho irá
apresentar uma pesquisa de um ano sobre a visualização de toda a coleção de
capas da revista Veja, considerada a mais importante revista semanal no Brasil.
A visualização que criamos em nosso laboratório na Universidade Federal de
Juiz de Fora (www.ufjf.br / sws) e demonstra usos práticos para visualização
cultural, uma vez que pode oferecer análises críticas e detalhes analíticos sobre
todas as capas, como o gênero que é mais frequente nas capas (masculino),
as cores que a revista usa regularmente etc. Nós também podemos usar
algoritmos de reconhecimento de imagem para que possamos cruzar os dados
com a Wikipédia, por exemplo, e descobrir quem foi mais frequentemente
apresentado nas capas: por exemplo, políticos ou estrelas da mídia. E finalmente
analisar conteúdos das manchetes, o tratamento dado as informações históricas
e relacionar com períodos desde 1968 até a presente data.
Simpósio Internacional de História Pública

A HISTÓRIA NO NOTICIÁRIO INTERNACIONAL DOS JORNAIS FOLHA E
ESTADO: UM ESTUDO DE CASO DO CONFLITO ISRAELO-PALESTINO
Isabelle Christine Somma de Castro (USP)

Este trabalho tem como objetivo expor e discutir problemas encontrados na
cobertura de eventos internacionais em destacados jornais diários brasileiros.
O principal argumento é que a contextualização histórica é negligenciada e

o emprego de historiadores como fonte de informação é pouco valorizado. A
atualização diária do noticiário ainda apresenta outros problemas como o uso
de termos equivocados, a perpetuação de estereótipos e o que Edward Said
descreveu como Orientalismo. Isso ocorre, entre outros, no conflito israelopalestino,
um dos objetos de estudo de caso da dissertação “O Orientalismo
na Imprensa Brasileira. A representação de árabes e muçulmanos nos jornais
Folha de S. Paulo e O Estado de S. Paulo antes e depois de 11 de setembro
de 2001”. O resultado disso é que os jornais pesquisados produziram, muitas
vezes, um relato quase incompreensível para o leitor. Pretende-se discutir
também o papel do historiador diante deste problema, que passa por questões
como o pouco interesse de professores da disciplina em dar entrevistas e a
necessidade da formação e valorização de historiadores do presente. Pretende-
se também oferecer algum subsídio sobre os dilemas do outro lado, ou seja, de
quem escreve, com base na experiência de jornalistas. A conclusão abrangerá
sugestões para uma melhor cobertura de eventos internacionais por jornais
brasileiros.
CULTURA POLÍTICA, IMPRENSA E INTERPRETAÇÕES
DO PASSADO: O JORNAL NOTÍCIAS POPULARES
E A INTERPRETAÇÃO LIBERAL SOBRE O
MOVIMENTO DE 1932 (1963-1964)

Larissa Raele Cestari (CPDOC-FGV)

A imprensa como objeto da história política, e não apenas como fonte, adquire
importância quando destacamos o seu papel de instrumento estratégico de
determinados grupos para levar até o público suas ideias e propostas, buscando

o convencimento da sociedade e a intervenção na vida política de um país. Nesse
sentido, a imprensa é, também, um importante vetor de difusão e socialização
de determinada cultura política, já que, num campo de batalha formado por
bens simbólicos, a imprensa “didatiza” os elementos que compõe uma cultura
política, entre eles, visões do passado, que são mobilizados nas lutas do presente.
No Brasil, durante o governo de João Goulart (1961-1964), líder do Partido
Trabalhista Brasileiro (PTB), a imprensa teve destacada atuação, participando
do embate político-ideológico daquele momento. Entre os periódicos da época,

A história e seus públicos

destacava-se o jornal Notícias Populares, veículo de um setor da elite liberal
paulista, capitaneada por Herbert Levy, então presidente nacional da União
Democrática Nacional (UDN) e um dos mais preeminentes membros do
empresariado paulista. No combate ao governo Goulart e às esquerdas e na
busca pela hegemonia do seu projeto político, Levy buscou, através do jornal
Notícias Populares, difundir e socializar uma cultura política liberal entre os
trabalhadores urbanos. Como parte da grade de leitura oferecida pelo jornal
estava uma visão do passado, sobre a “revolução constitucionalista de 1932”,
que foi utilizada pelos liberais paulistas como exemplo a ser seguido na defesa
das instituições democráticas que, supostamente, estariam ameaçadas pelo
governo e pelas esquerdas.Nesse sentido, o objetivo deste trabalho é analisar a
apropriação que a elite liberal paulista fez do movimento de 1932, na conjuntura
do governo Goulart, e sua veiculação para as classes trabalhadoras através do
jornal Notícias Populares.

AS ESCRITAS DE FRANCISCO ADOLFO DE VARNHAGEN E A HISTÓRIA DA
HISTÓRIA DO BRASIL NAS PÁGINAS DA REVISTA DO IHGB (1840-1878)

Renilson Rosa Ribeiro (UFMT)

Esta comunicação tem por objetivo desenvolver uma análise das representações
do oficio de historiador e da escrita da história do Brasil produzidas por
Francisco Adolfo de Varnhagen, o visconde de Porto Seguro (1816-1878), a
partir de seus escritos publicados na Revista do IHGB, entre os anos de 1840
e 1878, destacando as tensões e disputas presentes no contexto de produção de
sua obra dentro do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro (IHGB). Para
além de perceber suas afiliações com o projeto de história nacional do grêmio,
criado em 1838, no contexto das revoltas regenciais, procurar-se-á enfatizar as
especificidades da proposta de Varnhagen em relação à construção de uma
história geral do Brasil.

ST 30 – História, cultura e patrimônio

Sexta-feira, 20 de julho, 18h30 às 20h30

Local: Sala Ilana Blaj

Mediação: Patrícia Bruno (UFPI/Capes)
Simpósio Internacional de História Pública

“VISITAS GUIADAS”: RECONHECENDO
UM PATRIMÔNIO MUNDIAL.

Maíra Ielena Cerqueira Nascimento (Subsecretaria de Estado do Patrimônio
Histórico e Cultural/Secretaria de Estado da Casa Civil/Governo do Estado
de Sergipe)

“Visitas Guiadas” é um projeto de educação patrimonial desenvolvido pela
Subsecretaria de Estado do Patrimônio Histórico e Cultural (SUBPAC),
instituição componente do organograma do Governo de Sergipe que tem como
missão salvaguardar e divulgar os bens tombados ou de interesse cultural do
Estado. Através dele, estudantes e professores das redes pública e privada da
cidade de São Cristóvão, antiga capital do Estado de Sergipe, conhecem os
principais monumentos localizados na Praça São Francisco, consagrada em
agosto de 2010 como 18ª sítio do Patrimônio Mundial no Brasil, a saber: Igreja e
Convento de São Francisco, Museu de Arte Sacra, Santa Casa de Misericórdia,
Museu Histórico de Sergipe, Biblioteca Municipal Lourival Batista, Casa do
Folclore Zeca de Norberto, Museu Histórico de Sergipe e Escritório Técnico
do IPHAN. Desde 2010, quando teve início, até 2012, um público de cerca de
três mil pessoas foi contemplado pelas seis edições da ação, que hoje conta
com amplo reconhecimento e apoio da população sancristovense. Diante de
tamanho sucesso, grupos da sociedade civil organizada passaram a integrar o
calendário de “Visitas Guiadas”, que hoje atende a um vasto público: unidades
de ensino, universidades, associações de jovens e idosos, irmandades religiosas,
grupos folclóricos, etc.. Por meio desse projeto, a História das origens de Sergipe
é narrada, compartilhada e democratizada, de forma tal que pessoas das mais
diversas faixas etárias e níveis de escolaridade têm acesso a instituições de
memória e monumentos significativos não só ao município, mas ao Estado
como um todo. Assim, se constrói uma relação de amor, respeito e zelo entre
comunidade e patrimônio edificado, notadamente com a Praça São Francisco

– um bem sergipano, um Patrimônio da Humanidade.
EXPOSIÇÃO PATRIMONIAL E HISTÓRICA DO CENTENÁRIO DA
ESCOLA TÉCNICA ESTADUAL CARLOS DE CAMPOS

Nilton Cesar Alves (ETEC Carlos de Campos)

A Escola Profissional Feminina – hoje Escola Técnica Estadual Carlos de
Campos comemorou seus cem anos no dia 28 de setembro de 2011. Nesta
data foi aberta ao público uma exposição que mostrou a produção atual da
escola nas suas mais variadas áreas de formação, assim como espaços de
caráter museológico, contando um pouco da sua história de ensino técnico,a
partir dos objetos que constituem parte do acervo do Centro de Memória
A história e seus públicos

da ETEC Carlos de Campos. Os espaços foram divididos em temáticas que
melhor ajudassem ao visitante entender a importância dos equipamentos e o
seu contexto. O Salão Principal agregou desde livros do caráter pedagógico,
para-didáticos, autorais da instituição, dentre outros objetos, mas com destaque
principal para o Estandarte Estudantil, todo em tecelagem manual, com fios
de ouro, perolados e bordados. Os quatro espaços foram criados partindo
de uma metodologia didática, possibilitando o entendimento para as áreas
de Corte, Costura e Bordados – curso este da fundação da escola e mantido
depois como disciplina até os anos oitenta no curso de Economia Doméstica;
a sala de Tecnologias mostrando a modernidade de equipamentos como

o projetor de cinema da década de quarenta; a sala de química orgânica e
nutrição, mostrando os primórdios da instalação do Primeiro Dispensário de
Puericultura do Estado de São Paulo, datado de 1931; e o último espaço com
a mecanografia, expondo as máquinas de calcular e de escrever referentes as
aulas de Técnicas Comerciais da década de dez. Esta viagem no tempo e espaço
agregou uma metragem de cento e cinqüenta metros quadrados onde público
pôde apreciar e compreender um pouco da história da escola assim como o
que ela é hoje e puro resultado do que foi construído no passado, sustentando
e afirmando o que o lema diz em seu brazão: “Per Laborem, Ad Honorem”.
A MEMÓRIA DO PATRIMÔNIO CULTURAL
TOMBADO EM PONTA GROSSA – PARANÁ

Marcia Maria Dropa (UEPG); Liz Fernando de Souza (UEPG)

O patrimônio cultural, inclui tanto o Patrimônio Histórico quanto o Patrimônio
Natural. A ênfase deste trabalho é o Patrimônio Histórico Edificado, quer
dizer, o patrimônio construído pela sociedade, por meio da acumulação de
esforços, mostrando sua capacidade construtiva, através dos tempos. Uma das
questões relativas ao Patrimônio é sua instância jurídica, pois envolve aspectos
de natureza pública e privada. Por este motivo torna-se necessário conhecer o
amparo legal relativo às ações preservacionistas, tanto em termos de Nação,
quanto em termos de estado e município. O resgate histórico dos bens tombados
foi vinculado ao processo de crescimento urbano, social e cultural da cidade. Tal
resgate se fez necessário pela rapidez com que Ponta Grossa está perdendo, pela
destruição, o seu patrimônio edificado. A descrição arquitetônica dos prédios
evidenciou uma série de fatores como: qualidade dos conjuntos construídos,
qualidade da mão de obra, bem como a evidência de uma estrutura social,
muito ligada aos discursos de poder, crescimento e progresso. Constatou-se que
as construções podem ser fontes novas e inesgotáveis na elaboração de uma
nova concepção histórica, que está em permanente evolução. Neste contexto,

o acervo do Patrimônio cultural por intermédio do patrimônio edificado, deve
ser abordado além de seus valores históricos e artísticos, deve ser visto como

Simpósio Internacional de História Pública

produto da fabricação, apreendido por meio da memória do fazer. E para
entender a amplitude, hoje delegada ao Patrimônio Cultural Urbano, temos
que conhecer a cidade e a memória histórica e afetiva, selecionada por seus
habitantes. De posse de uma nova referência, o historiador pode encontrar um
caminho mais profícuo nesse universo de simbologias do Patrimônio.

O PATRIMÔNIO ARQUITETÔNICO RURAL DO CAFÉ EM
RIBEIRÃO PRETO (1870-1930): POLÍTICAS DE
PRESERVAÇÃO E CONSERVAÇÃO DOS EDIFÍCIOS

Juscélia Vitória Teixeira Fiuza (SMC-PMRP); Ana Carolina Gleria (Mackenzie)

O trabalho terá como base às atividades de pesquisa que vem sendo levadas
a cabo no “Inventário Nacional de Referências Culturais de Ribeirão Preto”,
parte das atividades da Rede de Cooperação de Identidades Culturais ,
colegiado de pesquisadores multidisciplinares oriundos de entidades de
Ensino Superior, técnicos do poder público municipal (Prefeitura Municipal de
Ribeirão Preto-Secretaria Municipal da Cultura) e federal (IPHAN) e de outras
instituições e órgãos afins.Os anos de 1870 a 1930 foram marcados na cidade
de Ribeirão Preto pelo desenvolvimento intensivo da lavoura cafeeira, que
fomentou o desenvolvimento da cidade e sua região, ativando transformações
sociais e culturais e permitindo o surgimento de uma nova burguesia agrícola
empresarial, e com importantes reflexos na arquitetura. Portanto, a importância
do reconhecimento e estudo da arquitetura rural da produção cafeeira dos
séculos XIX e XX na região de Ribeirão Preto parte de uma ampla compreensão
de suas bases históricas, sociais e econômicas, bem como a preocupação com a
preservação, uma vez que devido às novas dinâmicas produtivas, o patrimônio
arquitetônico está sofrendo risco de descaracterização e demolição.Para tanto,
será apresentado os levantamentos da área rural que estão em andamento,
para elaboração do Inventário de Ribeirão Preto, de maneira a retratar os
exemplares remanescentes bem como o estado de conservação e preservação.
Propõe-se ainda, a discussão das políticas públicas de apoio a conservação do
patrimônio a fim de auxiliar os proprietários, muitas vezes destituídos da noção
de patrimônio.

ARQUITETURAS PRÉ-HISTÓRICAS E MODELOS DE RECONSTITUIÇÃO
Patrícia Bruno (UFPI/Capes)

A apresentação baseia-se na tese de doutorado da autora, intitulada
“Arquitecturas de terra nos espaços domésticos Pré-históricos do Sul
de Portugal. Sítios, estruturas, tecnologias e materiais”, no âmbito do
programa de doutorado em História, na especialidade de Pré-história, da
A história e seus públicos

Universidade de Lisboa, Portugal. O trabalho compreendeu o estudo e a
análise de vestígios arquitetónicos existentes em povoados pré-históricos
do Sul do atual território português, sobretudo numa perspetiva tipológica
e tecnológica. Foram apresentadas algumas leituras sobre as arquiteturas
domésticas, com o objetivo de contribuir para a interpretação e reconstituição
desses espaços, mediante a formulação de novas hipóteses de trabalho.
Partindo da análise das estruturas de cariz doméstico existentes num conjunto
de sítios, procurou-se, ao longo da tese, caracterizá-las, tendo em conta aspetos
como a forma, a tipologia, os sistemas construtivos e os materiais empregues.
Os casos de estudo proporcionaram uma noção mais aproximada de alguns dos
modos de construir, contribuindo também para a interpretação e reconstituição
das estruturas analisadas. Na apresentação que proponho para este simpósio,
destacar-se-ão as metodologias utilizadas na caracterização dos materiais e
na análise das estruturas arquitetónicas de três sítios arqueológicos tomados
como casos de estudo, as quais permitiram elaborar modelos tridimensionais
de reconstituição das arquiteturas desses povoados pré-históricos. A elaboração
e a apresentação de modelos de reconstituição de estruturas arquitetónicas
revestem-se de grande importância para o processo interpretativo e para
a compreensão dos sítios arqueológicos pré-históricos. Numa perspetiva
educacional e didática, em sítios visitáveis, facilitam ao espectador “comum” a
compreensão de modelos e modos de vida dificilmente inteligíveis através da
mera observação dos vestígios arqueológicos.

ST 31 – Comemorar para lembrar

Sexta-feira, 20 de julho, 18h30 às 20h30

Local: Sala Edgar Carone

Mediação: Ane Ferrari Ramos Cajado (Museu do TSE)

COMMEMORATING THE CIVIL WAR IN THE UNITED
STATES AND IN AMERICANA, SAO PAULO

Karina Garcia (West Virginia University)

For the 2012 International Symposium on Public History and its Publics in Sao
Paulo, Brazil, I plan to compare the efforts of the United States government
to commemorate the 150th anniversary of the Civil War, particularly through
the National Park Service (NPS), with the commemorative efforts of the
Simpósio Internacional de História Pública

descendants of Confederate citizens who reside in Americana, Sao Paulo. In
the United States, The NPS effort to commemorate the 150th anniversary of the
American Civil War emphasizes themes such as emancipation and freedom,
and military engagements between Union and Confederate armies. The NPS
is also commemorating the Civil War by linking the conflict to the Civil Rights
movement of the 1960s as well. The NPS is approaching the 150th anniversary
with an emphasis on commemoration, not celebration of the Civil War, in order
to avoid the interpretive mistakes during the centennial celebrations. After the
American Civil War, approximately 20,000 Confederates moved to Brazil in the
1860s and helped establish the town of “Americana” in Sao Paulo. There are
descendents of these Confederates still residing there today and they put together
commemorations of the American Civil War, keeping southern US traditions
such as food, antebellum clothing, and music, alive within their communities.
Thus, in “Americana,” Brazil, the Civil War commemoration focuses more on
popular culture and southern identity, as opposed to the meta-narratives of
emancipation and freedom. The Foundation I will be working for this summer
in Americana, Brazil, preserves records of the yearly commemorations of the
descendants. In addition, I have made connections with some descendents of
the Confederacy residing in the region and will be conducting oral interviews.
In the light of the commemoration of the Civil War currently in progress, I
believe this comparative project will add a unique perspective on the role of
transnational studies and the ties between identity and commemoration to the
Public history community.

INSTITUCIONALIZAÇÃO E CONCEPÇÃO DO MUSEU DO TSE
Ane Ferrari Ramos Cajado (Museu do TSE)

O trabalho tem o objetivo de relatar a experiência de revitalização e
institucionalização do Museu do Tribunal Superior Eleitoral, cuja missão
é pesquisar, preservar e difundir a história eleitoral brasileira e a memória
da Justiça Eleitoral, com observância aos valores institucionais, a serviço
da sociedade e do fortalecimento da democracia. Para isso, estruturamos o
trabalho em três partes. Na primeira, descrevemos as etapas envolvidas com

o processo de institucionalização de um Museu no âmbito do TSE, incluindo
a sua regulamentação feita conforme às diretrizes do Plano Museológico,
elaborado coletivamente com os representantes de cada uma das áreas do
Tribunal. A segunda parte refere-se à elaboração da curadoria histórica e
pedagógica do Museu. Para construí-la, nos apoiamos em dois fundamentos:
o plano curatorial e a abordagem de Reinhart Koselleck. O Plano Curatorial,
documento que contém as diretrizes para o desenvolvimento do conteúdo
histórico a ser abordado e que partiu da compreensão das eleições como
fenômeno complexo que se realiza em dois planos. Por um lado, as eleições

A história e seus públicos

são uma experiência oficial, tendo em vista que acontecem por iniciativa do
Estado, que formula as regras do jogo político. Por outro, há uma série de
práticas experimentadas pelos sujeitos que partilham do universo eleitoral,
práticas essas que possuem uma lógica própria, com pontos de aproximação
e de distanciamento do quadro legal proposto oficialmente. A apropriação da
abordagem de Koselleck foi motivada pela necessidade de explicitar o caráter
dinâmico da história, fazendo com que o Museu se constituísse em espaço de
articulação de diferentes temporalidades: passado, presente e futuro. Nesse
sentido, buscamos construir uma proposta que inspirasse o visitante do Museu
do TSE a refletir criticamente sobre seu presente e ainda questioná-lo sobre que
tipo de cidadania e democracia ele desejaria para o futuro.

O ÍNDIO DENTRO DO MUSEU/O MUSEU DENTRO DO ÍNDIO:
ANÁLISE DO MUSEU ÍNDIA VANUÍRE DE TUPÃ/SP

André Luís Tondato (DSA/FFC-Unesp); Bianca Gonçalves de Souza (DSA/
FFC-Unesp); Bruna Lívia Guandalim (DSA/FFC-Unesp); Rodney Lanzoni
Fagundes (DSA/FFC-Unesp); Wahuane Maraiva Faria B. P. da Silva (DSA/
FFC-Unesp)

Em maio de 2012, participamos do “1º Encontro Paulista Questão Indígena
e Museus e 3º Seminário Museus, Identidades e Patrimônio Cultural”, em
Tupã/SP, durante os quais pudemos acompanhar profissionais de diversas
áreas refletindo sobre o museu indígena, identidades, patrimônio e as
etnias brasileiras. Tais eventos aconteceram no Museu Histórico Pedagógico
Índia Vanuíre, fundado em 1966, possuidor de uma das maiores coleções
institucionalizadas de objetos indígenas no Brasil – 38 mil – sendo que a
maioria dos objetos expostos não remetem às etnias que vivem na região de
Tupã (Kaingang e Krenac), mas a grupos da Amazônia Brasileira (de Kaiapós
a Yanomamis) e aos imigrantes europeus que colonizaram a região. O museu
é gerido pelo poder estadual, juntamente com entidades governamentais que
fomentam ações culturais. A inquietação que surgiu durante o evento foi, quem
é o índio que o museu quer mostrar ao público? Que história sobre os índios

o museu quer nos contar? O objetivo do trabalho é promover uma reflexão
sobre o índio que está dentro do museu, pensando conjuntamente a questão
das identidades indígenas locais. E, dessa maneira, por meio de um relato de
experiência, pensar qual(is) história(as) o museu compõe para dizer que são
os índios e o papel que eles representam em face da identidade nacional e
regional.O referido museu – cujo nome é de uma índia que contribuiu para a
paz em conflitos locais – é um estabelecimento feito por não-índios. A narrativa
retrata um índio que não existe mais no Brasil, um índio romantizado, exótico.
Tal observação etnográfica, baseada na análise do acervo, aponta no sentido de

Simpósio Internacional de História Pública

captar quem é o índio na região de Tupã/SP e qual é o índio que está dentro
do museu, detentor de um discurso que visa documentar quem são os índios
brasileiros.

ESTUDOS TEMÁTICOS NA PRESERVAÇÃO DO
PATRIMÔNIO CULTURAL DE SÃO PAULO

José Antonio Chinelato Zagato (Unidade de Preservação do Patrimônio
Histórico da Secretaria de Cultura do Estado de São Paulo), Sílvia Ferreira
dos Santos Wolff (Unidade de Preservação do Patrimônio Histórico da
Secretaria de Cultura do Estado de São Paulo)

Apresentação dos modos de atuação na instrução dos processos e estudos
técnicos da UPPH, Unidade de Preservação do Patrimônio Histórico da
Secretaria de Estado da Cultura, que subsidiam as decisões de tombamento
do Condephaat, órgão de preservação oficial do patrimônio cultural do Estado
de São Paulo.Pretende-se enfatizar a opção de realizar estudos com recorte
temático que buscam agrupar bens culturais segundo sua função – Ferrovias,
Escolas da Primeira República e Casas de Câmara e Cadeia/Fóruns – como
forma de aproximação ao objeto, coleta de documentação e posterior avaliação
da pertinência de tombamento. A opção de avaliação de bens culturais inseridos
em séries tem se mostrado produtiva ao permitir análises comparativas,
que não deixam de considerar aspectos de outra natureza, como autoria ou
espacialização territorial, no quadro de produção da cultura material paulista.
Os referidos estudos se encontram atualmente em etapas distintas de análise
e reconhecimento de sua importância cultural, o que tem permitido a reflexão
sobre a dialética que se estabelece entre campos do conhecimento e de produção
material que, a princípio, estariam desvinculados.Como conseqüência, a
escolha de bens representativos destas séries tem sido mais criteriosa, com
vistas a uma contribuição explicativa dos processos culturais do Estado. Espera-
se comunicar com maior clareza à sociedade as motivações das escolhas dos
bens tombados, quando apoiados na compreensão do conjunto de que fazem
parte. Tem-se com esta opção a perspectiva futura de divulgação da história
paulista e a valorização da memória, visando ao envolvimento coletivo para a
preservação do Patrimônio Cultural.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>